Domingo, 24 de setembro de 2017
Dólar R$ 3,12
Euro R$ 3,73
Tecnologística no LinkedIn
Quarta-feira, 26 de outubro de 2016 - 10h58
Qual é o modelo de transporte que queremos para o futuro?
Autoria de MÁRCIO D'AGOSTO

Como um país de dimensões continentais, o Brasil possui um desafio gigantesco para estruturar um modelo de transporte – seja ele de pessoas, mas principalmente de cargas – que se constitua efetivamente sustentável.

No campo das ideias, o mundo ideal voltado à frota de veículos pesados passa por modelos equipados com motores híbridos e que utilizem o etanol como combustível alternativo, rotas otimizadas que atendam mais clientes em seu percurso, otimização da alocação de cargas nos caminhões e transferência modal de transporte, que serviriam para minimizar a dependência de nossa malha rodoviária, em detrimento dos meios ferroviário, hidroviário e até o aeroviário (mesmo sendo o mais caro de todos). É justamente nesse ponto que o mundo idealizado deixa de existir e passamos a enfrentar a vida real.

Algumas iniciativas caminham para essa realidade. Por exemplo, nos veículos de grande porte, existem montadoras que já desenvolveram caminhões e ônibus movidos a gás natural e que podem também funcionar com biometano. Essa é outra fonte importante de energia, derivada do biogás e que, por sua vez, é obtida a partir da decomposição de produtos ou resíduos orgânicos, como o lixo. Outra vantagem expressiva é que o biometano apresenta índices menores de emissão de poluentes atmosféricos, quando utilizado em veículos automotores, em comparação a outros combustíveis fósseis, como o diesel. Seria o combustível ideal para abastecer frotas de ônibus que poderiam circular principalmente em grandes centros urbanos, ao mesmo tempo que potencializa a economia circular e aprimora o cumprimento da Lei dos Resíduos Sólidos.

Nesse mesmo sentido caminham combustíveis renováveis, como o etanol e o biodiesel. Mas para que sua utilização seja realmente uma alternativa viável e atrativa no cenário brasileiro, há a necessidade de uma política de governo clara e vantajosa a esses combustíveis sustentáveis que garanta, por exemplo, o abastecimento do mercado em escala nacional. Daí a importância de iniciativas que debatam o futuro do setor, a exemplo do V Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes, que em novembro vai abordar, em São Paulo, temas como a eficiência energética no sistema logístico de transportes, além de apresentar soluções que resultem em um modelo sustentável e competitivo para os próximos anos.

marcio dagosto

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!
MARCIA BOUZASem 30/10/2016, às 12h19
Concordo plenamente com seu ponto de vista, no entanto vamos torcer para o governo apoiar tal caminho. A legislação ambiental mais rígida também poderá contribuir para a sustentabilidade do nosso planeta.
José Alberto Mattos de Castroem 31/12/2016, às 13h18
O lixo é um grande problema urbano. Uma solução viável para a transformação desses resíduos sólidos em energia com certeza geraria consequências positivas para os dois lados. A valorização do lixo resultaria em meios mais eficazes para seu recolhimento, minimizando quem sabe o seu descarte impróprio bem como ofertando combustível alternativo e mais limpo.
João Carlosem 16/08/2017, às 08h52
Muito bom este artigo e vamos torcer para que alguém aposte nesta possibilidade do biometano e também possam olhar com mais atenção á Lei dos Resíduos Sólidos!
Parabéns!!
Vinícius Ferreiraem 27/08/2017, às 18h44
Excelente!