Quarta-feira, 18 de outubro de 2017
Dólar R$ 3,16
Euro R$ 3,71
Tecnologística no LinkedIn
Terça-feira, 1 de agosto de 2017 - 14h08
O potencial da integração de tecnologias no setor de carga aérea
Autoria de FERNANDO SCHAEFFER

Neste ano, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) convocou o segmento de transporte de cargas aéreas para acelerar sua modernização e se concentrar em prestar serviços de alta qualidade.

De acordo com informações divulgadas pela associação, a demanda global pelo transporte aéreo de cargas, apurada em toneladas por quilômetro transportado (FTK), cresceu 6,9% em janeiro de 2017 em relação ao mesmo período de 2016.  Entretanto, esse crescimento não está alinhado com as recentes inovações tecnológicas. O setor apresenta o que podemos chamar de abordagem conservadora para investimentos em tecnologia.

Existem transportadoras inovadoras que são orientadas a dados e que reagem dinamicamente às mudanças do mercado, utilizando serviços em nuvem, sensores, recursos analíticos e negócios digitais, mas há uma distância considerável entre esses líderes e a maior parte da indústria global.

A boa notícia é que há um caminho claro pela frente. Em um cenário econômico cada vez mais complexo e com um mercado global altamente competitivo, a tecnologia oferece ferramentas adequadas para criar modelos de negócios mais inovadores e adaptáveis em meio a uma infinidade de inovações tecnológicas disponíveis para o setor.

O primeiro passo: digitalização

Muitas transportadoras ainda trabalham com processos manuais, baseados em papel, que são altamente passíveis a falha. A tecnologia e-Air Waybill (e-AWB) permite que as documentações sejam compartilhadas instantânea e digitalmente entre todos os elos da cadeia de suprimentos, o que elimina os riscos do manuseio, além de reduzir o tempo de espera dos fretes e os custos de transporte e de processamento.

Seguindo as regras

As regulamentações que governam a maneira como diferentes bens devem ser empacotados, manipulados e rotulados são outras áreas nas quais a automação tecnológica pode melhorar significativamente a eficiência.

Sistemas automatizados de classificação de carga ajudam a elevar os níveis de conformidade, encurtam o tempo necessário para o processamento de vários tipos de frete e também garantem documentação, embalagem e rotulagem adequadas.

Soluções tecnológicas e de software também podem integrar de forma simples os sistemas das transportadoras com o banco de dados de regras e tarifas de carga aérea (Air Cargo Tariff and Rules - TACT) para que todos os regulamentos, regras, tarifas, taxas e sobretaxas em centenas de países possam ser simplificados e utilizados.

Migrando de reativo para proativo

A tecnologia também pode ajudar a tomar decisões mais inteligentes, principalmente quando se transporta carga valiosa, frágil ou sensível à temperatura. O uso de recursos analíticos para transformar modelos de negócios permite tomadas de decisões mais bem fundamentadas e rápida resposta aos desafios diários.

A análise preditiva usa dados proativamente nas decisões de planejamento de rotas, levando em consideração as condições climáticas, instabilidade política, congestionamento de trajetos, entre outros elementos, para elevar o desempenho das entregas e prestar melhores serviços ao cliente. Tal análise permite determinar quais rotas e transportadoras têm mais chance de entregar a carga no destino certo, pontualmente e em condições satisfatórias.

Preço justo

Imprecisão e variação de preços tornam a integridade de valores um grande problema em toda a indústria de carga aérea. Para muitas transportadoras, essa questão decorre da inadequação dos sistemas de preço para garantir visibilidade completa sobre informações que integram a gestão de taxas e encargos. As empresas estão buscando maneiras de responder mais rapidamente às mudanças do mercado de modo a maximizar a utilização de suas capacidades.

Um sistema de preços integrado pode fornecer uma solução relativamente simples. A tecnologia permite simplificar os mecanismos de precificação, garantindo que as taxas possam ser aplicadas de forma mais consistente. Essa solução também pode estar conectada à base de dados da Iata para garantir que todos os encargos e taxas fiquem mundialmente integrados à estrutura de preços da transportadora.

Maior exigência de segurança

Em suas operações, o setor de carga deve gerenciar tanto a segurança cibernética quanto a física. Em ambos os casos, a tecnologia é fundamental para proteger os pontos frágeis da cadeia de suprimentos.

A identificação por radiofrequência (RFID) auxilia no controle físico das cargas, utilizando campos eletromagnéticos para identificar e rastrear automaticamente etiquetas associadas a objetos. Sensores RFID podem indicar se parte do carregamento foi perdida, o que exatamente está faltando e onde os itens perdidos provavelmente estão.

Além disso, podem fornecer automaticamente métricas sobre as condições ambientais do transporte para um sistema de gestão de logística, o que permite a realização de uma auditoria completa sob demanda. Esse acesso instantâneo aos dados de toda a cadeia de suprimentos ajuda a cumprir o acordo com os clientes, mesmo quando há problemas durante o trajeto.

Para o controle de atividades, a implementação de uma infraestrutura de dados permite que as organizações acessem as informações em determinados momentos da cadeia operacional. No entanto, isso pode incluir acesso a dados críticos, como faturas, dados bancários e o conteúdo das remessas – pontos vulneráveis que podem ser utilizados por criminosos para operações indevidas.

A microssegmentação é uma arma importante nesse processo, já que permite dividir rápida e facilmente uma rede em vários microssegmentos para operar de forma independente, com segmentos de acesso. É possível gerenciar o que cada pessoa é autorizada a acessar para seu trabalho, o que garante que qualquer violação fique restrita ao seu microssegmento, mitigando possíveis consequências negativas do incidente, como a movimentação lateral na rede e o acesso a dados financeiros, por exemplo.

Voando para a nuvem

A implementação de serviços baseados em nuvem garante velocidade e economia aos processos. O procedimento ocorre, muitas vezes, em menos de seis meses e com um custo de capital baixo quando comparado ao modelo tradicional (no local), pois as despesas podem ser compartilhadas entre clientes do serviço na nuvem.

Explorando a natureza de compartilhamento da nuvem, também é possível enfrentar de forma colaborativa desafios comuns, como facilitar a adoção de uma cadeia de suprimentos totalmente eletrônica, cumprir novos regulamentos e alterar padrões de trabalho estabelecidos em todo o setor.

Hora de mudar

Esses são apenas alguns exemplos de como a indústria de transporte e carga pode ser beneficiada pela tecnologia de processos. Para manter a competitividade, o setor precisa de renovação, abraçando as novas tecnologias e seu poder de elevar os níveis de eficiência, reduzir os custos e criar novas oportunidades de negócios.

As tecnologias inovadoras podem mudar a maneira como os processos são conduzidos. Mais importante ainda, a automação e os sistemas integrados de precificação têm potencial para revolucionar os atuais fluxos de trabalho.

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!
João Carlosem 03/08/2017, às 17h05
Parabéns!
Muito bom artigo, faz nos refletir como utilizar as ferramentas de tecnologia para uma gestão melhor dos processos na cadeia de suprimentos!
Att,
João Carlos
Profissional de Comércio Exterior e Logística - Campinas SP