Sexta-feira, 27 de abril de 2018
Dólar R$ 3,47
Euro R$ 4,20
Tecnologística no LinkedIn
Dicionário de Engenharia
P/L
Veja índice Preço/Lucro.
PAC
Production Activity Control
PADRONIZAÇÃO
Norma que se destina a restringir a variedade, pelo estabelecimento, de um conjunto metódico e preciso de condições a ser satisfeita, com objetivo de uniformizar as características geométricas ou físicas de elementos de construção, produtos semi-acabados ou acabados, desenhos ou projetos.
PADRÕES
Conjunto de planos de ação, normas, diretrizes e procedimentos, que permitem que todos os empregados executem as suas tarefas com sucesso.
PADRÕES DE ARQUITETURA
Desenvolvimento e diretrizes da forma característica dos produtos e das embalagens, que se ajustam perfeitamente aos usuários de tal maneira que se promova à padronização, do visual e da forma de toda uma família de produto, para facilitar o seu desenvolvimento, a produção, e verificação das partes, dos componentes ou dos produtos.
PADRÕES DE ENGENHARIA
Desenvolvimento e diretrizes de ensaios e testes, para facilitar o desenvolvimento, a produção, e verificação das partes, componentes ou produtos, de tal maneira que se promova à padronização, facilidade de manutenção, adequação dos procedimentos de teste, versatilidade dos desenvolvimentos e racionalização das ferramentas.
PALETE
Estrado padronizado para acomodar cargas para a formação de UNIMOV.
PALETIZAÇÃO
Sistema utilizado na redução da profundidade de bits e conseqüentemente de cores, sendo o processo qualitativo, de selecionar quais cores serão escolhidas da quantidade anterior existente, colocando apenas os tons necessários à composição da figura que se queira compor, como a utilização de uma paleta de tons quentes.
PAP - PRODUCT ASSURANCE PLAN
Planejamento Assegurado do Produto – Define os objetivos, as tarefas, prazos, responsabilidades, pontos críticos do programa, para gerenciamento efetivo da qualidade, confiabilidade, manufaturabilidade e servicibilidade do produto.
PAPEL
Aglomerado de fibras entrelaçadas.
PAPEL BOND
Papel de carta com bastante cola, fabricado de pasta química misturada com papel recuperado. Usado inicialmente, para a fabricação de "bonds" ou Títulos de Dívida.
PAPEL BOUFFANT
Papel fofo e áspero para livros.
PAPEL BRISTOL
Papel composto de boa qualidade para cartões de visita.
PAPEL CAPA
Papel que cobre as ondas do papelão ondulado, como capas internas, intermediárias ou externas.
PAPEL COUCHÊ
Papel com a superfície coberta de fina camada mineral, como o gesso.
PAPEL JORNAL
Papel de superfície áspera, em rolos ou folhas.
PAPEL KRAFT
Papel feito de pasta de madeira, tratada com sulfato de sódio, na cor pardo-escura.
PAPEL MACULATURA
Papel acinzentado fabricado com aparas, e com gramatura de 120 gramas.
PAPEL MIOLO
Papel fabricado com pasta semiquímica e/ou mecânica e/ou aparas com gramatura de acordo com as necessidades de aplicação: mais absorventes ou mais rígidos. Utilizado na parte central do papelão ondulado.
PAPEL OFFSET
Superfície uniforme, livre de felpas e penugem, e com bastante cola.
PAPEL RECICLADO
Papel fabricado essencialmente de aparas descartadas, e classificadas conforme a utilização posterior.
PAPEL – ACETINADO
Papel prensado em calandras, que reduz a espessura, para melhor impressão.
PAPELÃO ONDULADO PAREDE DUPLA
Estrutura com dois elementos ondulados separados por uma folha colada e com duas capas coladas externamente.
PAPELÃO ONDULADO PAREDE MÚLTIPLA
Estrutura formada por muitos elementos ondulados separados por folhas coladas, e duas capas coladas externamente.
PAPELÃO ONDULADO PAREDE SIMPLES
Estrutura ondulada com uma capa colada em cada lado do miolo ondulado.
PAPELÃO ONDULADO PAREDE TRIPLA
Estrutura formada por três elementos ondulados separados por duas folhas coladas, e com duas capas coladas externamente.
PAPERBOARD
Material composto de 12 camadas laminadas em folhas de 12 pontos ou mais.
PAPERLESS TRADING
Processo na EDI de circulação dos documentos na forma eletrônica.
PARADIGMA
Modelo, padrão, estalão.
PARÂMETRO
Coeficiente que faz parte de uma expressão matemática, na qual cada valor deste parâmetro determina uma específica forma da expressão, podendo ser uma constante ou uma media ou desvio padrão, para caracterizar um conjunto de dados.
PARÂMETRO
Constante ou variável qual se atribui um papel particular e distinto das outras constantes ou variáveis, numa relação determinada ou numa questão específica. Todo o elemento cuja variação de valor modifica a solução dum problema sem modificar a sua natureza.
PARÂMETROS DE PROCESSO
Aquelas características mensuráveis das entradas do processo e suas interações que afetam a saída do processo. Exemplos de parâmetros de processo incluem velocidades, alimentações, temperaturas, concentrações químicas, pressões, voltagens, etc.
PARÂMETROS DO PRODUTO
São características próprias definidas pelo projetista por meio de cálculos, estimativas, experiências e conhecimentos anteriores.
PARCERIA
Fornecedores selecionados estrategicamente, no inicio do desenvolvimento do produto, que administram uma determinada competência de base, que não é objeto de decisão estratégica da empresa, mas é essencial para a incorporação de determinada tecnologia no projeto do produto. Os parceiros participam no desenvolvimento do produto, encarregando-se de desenvolver e fornecer parte dele.
PARCERIA
Seleção de empresas, como fornecedores preferenciais e participantes do desenvolvimento do produto, na fase inicial dos trabalhos, que possuam um perfil adequado e detêm as competências de base necessárias à perfeita composição do produto e que, por decisão estratégica, não serão administradas diretamente pela empresa.
PARETO
Constatação desenvolvida por Vilfredo Pareto, a respeito de que uma pequena quantidade de itens representa a maior parte de um valor ou quantidade, podendo ser utilizado para definir que 80% dos efeitos resulta de 20% de possíveis causas.
PARTICIPAÇÃO NO MERCADO
Parte do mercado total de um setor, que a empresa domina.
PARTÍCULA
É um objeto sólido ou líquido, geralmente de tamanho entre 0,001 e 1.000 mícrons.
PASSA, NÃO PASSA
Estado do item, que se for passa atende a especificação e se for não passa é uma não conformidade.
PASSTHROUGH
Acesso aos dados de uma network, pela passagem através de portas de uma outra network.
PASSWORD
Senha de seis dígitos que identifica um determinado usuário da EDI.
PASTE UP
É o trabalho de colar os elementos sobre uma prancha demarcada com um gabarito da página. A arte final deverá apresentar as marcas de corte, dobra, picote e registro. A margem de sangria dista a cinco milímetros da borda da página, para absorves excessos de refile. As marcas de registro são desenhadas fora da margem de sangria, na forma de uma cruz posicionar o overlay.
PAT – PRODUCT ASSURANCE TEAM
Equipe de Certificação do Produto – São equipes trabalhando em estrutura matricial que gerenciam o processo do produto ou do sistema.
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Conta do passivo do demonstrativo patrimonial, que registra os débitos da empresa com os acionistas. Este valor é formado pelo capital social aportado inicialmente, os lucros retidos e não distribuídos como dividendos e as parcelas de lucro dos exercícios levados à conta capital.
PÂTE-DE-VERRE
Técnica de fabricação de vidro que envolve a trituração e a remodelagem da forma.
PC CARD
Cartão do tamanho de um cartão de crédito para elevar a capacidade de um computador de portátil.
PCA - ANÁLISE DO COMPONENTE PRINCIPAL
Metodologia estatística utilizada para identificar os principais componentes que afetam um conjunto de dados. Permite o agrupamento dos dados segundo seus fatores de influência (componentes principais).
PCA – PRINCIPAL COMPONENT ANALYSES
Método estatístico para identificar os principais componentes que afetam um conjunto de dados, que podem ser agrupados segundo os seus fatores de influencia.
PCGA
Princípios de contabilidade geralmente aceitos.
PCMCIA
Personal Computer Memory Card International Association.
PCMSO
Programa de controle médico e de saúde ocupacional.
PCR
Print Contrast Signal
PCR – PONTOS DE CONCENTRAÇÃO DE RECURSOS
Concentração de recursos de distribuição e serviço, para tornar acessível o atendimento do usuário.
PDCA
Acrônimo denominado por Deming para designar: Plan, Do, Check and Act.
PDCA
Planeje, execute, controle e tome decisões corretivas.
PDCA (PLAN-DO-CHECK-ACT)
É conhecido também como ciclo de Deming. É a metodologia básica para a análise e solução de problemas para garantir à empresa a manutenção e o melhoramento. "PLAN”: planejar, programar, "DO”: fazer, realizar "CHECK": controlar, verificar, "ACT”: agir, padronizar.
PDCA – PLAN-DO-CHECK-ACT
Método para a análise e solução de problemas.
PDF
Portable Document Format
PDL – PAGE DESCRIPTION LANGUAGE
Linguagem de computador, para descrição de página.
PDM
Product Data Management
PDM – PRODUCT DATA MANAGEMENT
Sistema de gerenciamento dos dados dos produtos.
PDP – PRODUCT DEVELOPMENT PROCESS
Atividades e tarefas necessárias para que o produto preconizado pelo marketing de desenvolvimento, seja transformado em um artigo industrial que seja fácil de ser fabricado, tenha um custo adequado, um visual que se ajusta aos anseios dos usuários e apresente uma performance que atenda aos requisitos iniciais.
PDV – Denominado também de ECF
Equipamento Emissor de Cupons Fiscais, que registra a venda ao consumidor.
PEÇA
Qualquer Hardware físico do veículo que é considerado uma única parte recolocável em relação ao serviço de campo. A última subdivisão antes da montagem em um subsistema ou sistema, por exemplo, um amortecedor, um interruptor ou um rádio. Um item final.
PEÇAPRONTA
As peças devem sair das máquinas prontas e não necessitando de qualquer operação posterior, como rebarbação ou ajuste de dimensões. Duas peças que devem ser montadas, devem se encaixar sem qualquer ajustamento.
PEG BOARD
Orifício da embalagem para pendurá-la em ganchos dos displays do ponto de venda.
PELÍCULA PLÁSTICA (SKIN-PACK)
Filme plástico que envolve fielmente o produto embalado, e aderente a uma cartela de papelão.
PELTIER
Este efeito mostra que fluxo através da junção de metais diferentes, causa calor a ser liberado e absorvido, podendo ser utilizado para resfriar pela inversão deste processo.
PELTIER
Este efeito mostra que fluxo através da junção de metais diferentes, causa calor a ser liberado e absorvido, podendo ser utilizado para resfriar pela inversão deste processo.
PENSAMENTO ESTRATÉGICO
As décadas de 70 e 80 foram à época áurea o planejamento estratégico. Na prática, a maioria desses planos acabou por fracassar. Henry Mintzberg diagnosticou os motivos. Segundo ele, o excesso de análise cria uma espécie de paralisia. Por outro lado, considera que não se deve separar o planejamento da ação. Enquanto planejar é um exercício analítico, a estratégia baseia-se na criatividade, intuição e capacidade de síntese. Para designar esta última atitude propõe, em alternativa, o termo "pensamento estratégico".
PENSAMENTO ESTRATÉGICO
É o pensamento focalizado na estruturação de ações, no sentido de direcionar os negócios da empresa para o pleno e obstinado aproveitamento dos fatores críticos de sucesso.
PENSAMENTO LATERAL
Criado por Edward de Bono, o conceito de pensamento lateral consiste na geração de novas idéias e no abandono das obsoletas. Aplicado às empresas é uma técnica para aumentar a criatividade e um recurso estratégico da organização. Na sua opinião é necessário estimular o cérebro através da atitude de quebrar os princípios estabelecidos e passar a encarar a realidade de um modo diferente. De Bono distingue o pensamento lateral (descontínuo e destinado à geração de idéias) do vertical (contínuo e orientado para as desenvolver). Enquanto o pensamento lateral dá idéias, o vertical desenvolve-as.
PEPS
Primeiro a Entrar é o Primeiro a Sair
PERCEPÇÃO
Processamento mental das informações dos sentidos, criando condições para definição das necessidades humanas, e captação seletiva das informações com respeito aos produtos existentes.
PERDA DE BALANCEAMENTO
Tempo perdido em uma mão, causado pelo balanceamento imperfeito da carga de trabalho.
PERDA DE MERCADO
O valor econômico fixado para o produto é bem inferior ao valor mercadológico e a empresa poderia ter fixado um preço de vendas bem superior ao valor econômico calculado, reputando mais o produto bem desenvolvido. A oportunidade de ganhar dinheiro com a prática dos preços mais elevados seria então totalmente desperdiçada pela administração conservadora.
PERDAS DE ENGENHARIA
É uma perda de materiais inevitável e determinado pela Engenharia de produto, como por exemplo, a perda de aço devido ao corte de uma barra em peças para a fabricação de eixos. O mesmo poderá ser dito da ponta da barra que sobra e não tem utilização. Tais perdas já devem fazer parte da lista de materiais para efeito de pré-cálculo e provisionamento de materiais para a fabricação de determinando lote de produtos.
PERDAS DE EXCESSO DE MATERIAL
Um produto com excesso de material, poderá ser negativamente pesado, menos eficiente e mesmo maior do que o necessário. O excesso de material utilizado não será reconhecido pelo usuário como valor e, portanto este excesso de material não poderá sr considerado na formação do preço do produto e, portanto, o seu custo corre por conta da empresa e nunca poderá ser repassado para o mercado.
PERDAS DE MERCADO
Perda referente aos custos da garantia, reclamações dos clientes, perda de reputação e de clientes, despesas referente a litígios e perda de participação no mercado.
PERDAS DE PROJETO
O produto não funciona como esperado, gerando custos associados de troca ou reparo do produto, ou mesmo prejuízos e danos, que possam resultar de sua utilização.
PERFORMANCE
Grau em que se aplica habilidade e esforços numa operação ou tarefa cujo resultado é medido comparativamente com um padrão preestabelecido, como a expressão porcentual do tempo real em relação ao tempo padrão.
PERIODIC REVIEWS – REVISÕES PERIÓDICAS
Trata-se do levantamento periódico a respeito de questões da qualidade e complementação do produto, do nível obtido na execução das tarefas e resultados atingidos. Trata-se de uma atividade mais ampla do que a avaliação dos riscos.
PERMISSIONÁRIA
Sociedade corretora especialmente admitida no pregão de uma bolsa de valores, da qual não possui título patrimonial.
PERSISTÊNCIA DA VISÃO
Inércia do efeito visual depois de removido o estímulo luminoso.
PERT
Project Evaluation and Review Technique
PERT – PROGRAM EVALUATION AND REVIEW TECHNIQUE
Técnica de planejamento com redes, para a analise da estrutura de um projeto, com a identificação de um caminho crítico e as atividades seqüências que determinam o tempo de execução do projeto.
PERT/CPM
Program Evaluation and Review Technique/Critical Path Method
PESO
O termo “peso” designa uma grandeza da mesma natureza que uma força; o peso de um corpo é o produto da massa deste corpo pela aceleração da gravidade; em particular o peso normal de um corpo é o produto da massa desse corpo pela aceleração normal da gravidade.
PESO BRUTO TOTAL
Peso máximo que o equipamento de movimentação transmite ao piso, constituído da soma da tara mais a lotação.
PESO MÁXIMO COMBINADO
Peso máximo transmitido ao piso pela combinação de um trator mais seu semi-reboque.
PESO MOLECULAR
Somatória dos pesos atômicos de todos os átomos que compõem uma molécula.
PESQUISA
Busca sistemática de conhecimentos científicos ou tecnológicos, conforme ela se situe na área da ciência ou da tecnologia.
PESQUISA
É o processo formal e sistemático para se descobrir respostas para os problemas mediante emprego do procedimento científico.
PESQUISA BÁSICA, PURA OU FUNDAMENTAL
É aquela que procura o progresso científico, a ampliação de conhecimentos teóricos, sem a preocupação de utilizá-los na prática.
PESQUISA DE CONSUMIDORES
Trata-se de trabalhos de pesquisa com o intuito de definir claramente o perfil psico-social e as aspirações de consumo das pessoas que compõem um determinado segmento de mercado.
PESQUISA OPERACIONAL
Desenvolvimento e aplicação de técnicas quantitativas na solução de problemas, envolvendo a identificação, formulação, solução, validação, implementação e controle da tomada de decisões a respeito de problemas.
PESQUISA TECNOLÓGICA
Pesquisa que visa a resultados objetivos, com vistas a uma aplicação.
PFMEA - ANÁLISE DE MODOS E EFEITOS DE FALHA DE PROCESSO
Técnica analítica da manufatura para assegurar que os modos de falha em potencial e as suas causas, tenham sido consideradas e endereçados.
PGP
Pretty Good Privacy
ph
Índice que defina se uma solução é ácida ou básica e em que intensidade.
PIB
Produto Interno Bruto: Riquezas gerais de um país, que considera a produção total (produtos e serviços) gerada num determinado período.
PICK AND PACK
Área de separação, etiquetação e embalamento dos pedidos dos clientes.
PICKING
Processo de retirar produtos dos estoques, para consolidar carga para um determinado cliente.
PICKING-LINE
Área ou linha para a separação de pedidos na forma de embalagens de comercialização a partir da desagregação de UNIMOVS de determinados produtos.
PID
Problem Identification Document
PIEZO-ELÉTRICO
Material cerâmico dielétrico com estrutura assimétrica, na medida em que na estrutura cristalina o centro de gravidade das cargas positivas, não corresponde a das negativas. O material contem dipolos elétricos sensíveis à deformações mecânicas ou a um estado de deformação provocado por um campos elétrico imposto a esse material.
PIGMENTO
É toda substancia insolúvel usada para dar cor a um sistema, podendo ser orgânico ou inorgânico. Existem também os pigmentos não coloridos e anticorrosivos, os quais conferem proteção aos metais.
PIGMENTO
Substância colorida pela absorção e reflexão seletiva de luzes, orgânica ou inorgânica, natural ou artificial, utilizada para colorir superfícies e materiais.
PILOT PROGRAM MILESTONE
Marco Programa do Piloto – Os produtos iniciais, são fabricados a partir de peças das ferramentas prontas, para verificação de condições de manufaturabilidade, da montagem e comparação com as condições projetadas. Este programa é utilizado para confirmar a aderência aos projetos, a validação das peças, comprovação da adequação dos componentes, adequação dos sistemas de montagem do produto e identificação dos eventuais problemas a serem resolvidos.
PIM
Production Information Management.
PIM
Product Information Management
PIP
Picture in Picture
PIXEL
Abreviação de picture element e consiste num ponto na tela.
PIXEL
É a menor dot que pode ser produzida na tela ou na impressora.
PIXEL
Um determinado ponto, que define oito níveis de meios tons, que formará uma tela de caracteres de uma imagem escaneada, numa impressora a laser ou num fax.
PIXEL SHORT FOR PICTURE ELEMENT
A pixel is the smallest element of a digital image. The greater number of pixels, the better the picture looks when printed or enlarged
PIXELIZAÇÃO
Um efeito especial baseado na alteração de grupos de pixels por cor ou valor.
PLANEJAMENTO
É a previsão de entregas mensais, por produto, por cliente.
PLANEJAMENTO
É o processo de decidir o que, e como fazer, antes que a ação seja necessária.
PLANEJAMENTO ADAPTATIVO
Característica de comportamento do planejador, que considera que o processo de planejar é mais importante do que o plano, pois o principal objetivo seria desenhar uma organização, e um sistema para administrá-la.
PLANEJAMENTO AGREGADO
Planejamento que inclui as vendas, a produção, recursos nos estoques, clientes, família de produtos e operação da força de vendas e da logística.
PLANEJAMENTO CONTINGENTE
As incertezas inseridas no planejamento temporal, deverão ser absorvidas por um planejamento adequado da "máquina", que deverá estar bem preparada para enfrentar as contingências de um futuro certo ou incerto, e que identifica alternativas estratégicas para serem adotadas para assegurar o sucesso da implantação do projeto em situações de riscos.
PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE
Atividade que utiliza as fichas de processo de cada produto para levantar em cada nível, as necessidades de recursos de conformação e montagem.
PLANEJAMENTO DA QUALIDADE
Atividades que determinam os objetivos e os requisitos para a qualidade, assim como os requisitos para a aplicação dos elementos que compõem o sistema da qualidade.
PLANEJAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO
Determinar os padrões de qualidade relevantes para o projeto e definir as atividades para que estes padrões selecionados sejam atendidos.
PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS – MRP
Método para calcular as necessidades de materiais, baseado nas listagens de materiais, inventários e plano de produção, iniciado pela desagregação das listagens de materiais, ajustamento das quantidades dos estoques e determinação das necessidades líquidas, considerando-se os lead times necessários.
PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO
Planejamento do negócio que direciona as necessidades estratégicas da empresa.
PLANEJAMENTO DE MANUFATURA
Planejamento do fluxo de materiais e do conjunto de atividades do processo de transformação. Abrange desde a compra da matéria prima até a entrega do produto acabado.
PLANEJAMENTO DE NEGÓCIOS
Processo sistemático e lógico, documentos decisórios e definição dos recursos necessários para se realizar os objetivos de longo prazo da empresa.
PLANEJAMENTO DOS RECURSOS
Sistema de informação para identificar e planejar os recursos necessários para comprar, fabricar, entregar e contabilizar as ordens de produção para os clientes.
PLANEJAMENTO DOS RECURSOS DE DISTRIBUIÇÃO
Planejamento dos recursos utilizados nos sistemas de distribuição como: área e volume do armazém, funcionários, empilhadeiras, estanterias, caminhões e recursos financeiros.
PLANEJAMENTO DOS RECURSOS DE MANUFATURA
MRP ll – Método de planejar os recursos de manufatura, compreendendo o planejamento do negócio, planejamento das vendas e da produção, necessidades de materiais, necessidades de capacidade, projeção de investimentos em estoques e recursos das atividades de suporte.
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
Consiste num método administrativo que permite estabelecer para a empresa como um todo, orientações amplas de atuação, objetivos a serem alcançados e estratégias a serem utilizadas, com base na análise sistemática das ameaças e oportunidades do ambiente externo e vulnerabilidade e potencialidades internas, à luz da missão da empresa.
PLANEJAMENTO GLOBAL
Engloba o plano estratégico em conjunto com o plano de prioridades e com o plano de ações (onde, quando, como, quanto).
PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO
Um planejamento orçamentário poderá ser definido como um planejamento estratégico, com um horizonte de planejamento de cinco anos, com detalhamento orçamentário, e operacional do primeiro ano do plano.
PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL
Processo de definição das organizações, analisar seu ambiente externo e interno, fixar diretrizes e objetivos globais para um período plurianual considerado, e selecionar a forma para a consecução dos objetivos fixados.
PLANEJAMENTO POR CENÁRIOS
A velocidade da mudança obriga os gestores a encarar uma dura realidade: é cada vez mais difícil (senão impossível) prever as ocorrências no meio envolvente em longo prazo. Peter Schwartz popularizou a técnica que permite resolver o problema: o planejamento por cenários. Através dela a Shell foi a única empresa do setor preparada para a crise do petróleo de 1973. Os cenários não são previsões. Construídos a partir da geração de hipóteses alternativas sobre o futuro, permitem às empresas estar preparadas para a ocorrência de cada uma dessas hipóteses e exercitam os gestores a refletir sobre as estratégias de longo prazo.
PLANEJAMENTO RAZOÁVEL
É a arte do possível.
PLANEJAMENTO SENSITIVO
Sistema de planejamento adequado, para lidar com um futuro desconhecido.
PLANEJAMENTO TÁTICO OPERACIONAL
Consiste na determinação dos alvos a serem atingidos num horizonte temporal de curto prazo, bem como no estabelecimento, através de programação detalhada, dos meios, recursos e procedimentos para atingir os alvos fixados.
PLANO
Conjunto complexo de atividades inter-relacionadas, para se saber o que a empresa é, quais são os seus pontos fracos, seus pontos fortes, quais as ameaças e quais as oportunidades.
PLANO ACEITÁVEL DE AMOSTRAGEM
Plano que indica o tamanho da amostra e os critérios de aceitação ou não aceitação do lote inspecionado.
PLANO ANUAL
Representa os objetivos e os programas de ação para o primeiro ano do Plano de Negócios que inclui benchmarks para a medida da performance.
PLANO DA DOCUMENTAÇÃO
Documento que tem por finalidade explicar e orientar a organização da documentação do projeto com o objetivo de garantir o nível adequado da qualidade dos documentos.
PLANO DA QUALIDADE
Documento que estabelece as práticas, os recursos e a seqüência de atividades relativas à qualidade de um produto, um projeto ou um contrato especifico.
PLANO DE AÇÃO
Orientações e responsabilidades de médio e longo alcance, com metas e objetivos anuais estabelecidos em um cronograma de trabalho.
PLANO DE CLIVAGEM
Plano em uma UNIMOV que separa, sem embricamento, uma coluna de embalagens de comercialização do resto, proporcionando a UNIMOV uma característica de instabilidade e, por isso, necessitando de dispositivos de estabilização de cargas.
PLANO DE CONTAS
Relação das contas patrimoniais, das contas de resultado, das contas do sistema de custeio, onde serão registrados os fatos contábeis, plano este que foi devidamente elaborado pelo contador, tendo em vista a natureza da entidade, os tipos de transações a serem registradas e maneira como os demonstrativos sintéticos e analíticos devem ser apresentados.
PLANO DE CONTINGÊNCIA
Plano para lidar com o futuro incerto, aguardando esclarecimento do próprio futuro.
PLANO DE CONTROLE
Uma descrição escrita do sistema para controle de processos que produzem produtos para a Ford. Um plano de controle descreve as ações do planejamento de qualidade do produtor para um produto ou processo específico. O Plano de Controle lista todos os parâmetros do processo e características da peça que requerem ações específicas do planejamento de qualidade. Um Plano de Controle contém todas as Características Críticas e Significativas que se aplicam.
PLANO DE GARANTIA DE PRODUTO
É uma ferramenta gerencial de prevenção que enfoca o projeto do produto, projeto do processo e, quando aplicável, projeto de software.
PLANO DE MARKETING DE APLICAÇÃO
Plano para introduzir um novo produto no mercado para levar à mente dos usuários, o conceito do produto comercializado, e a promessa de desempenho no atendimento de determinadas necessidades humanas.
PLANO DE NEGÓCIOS
Definição do que a empresa poderá ou gostaria de chegar em três ou até dez anos, avaliando os recursos necessários e qual será a evolução do mix de produtos no decorrer deste tempo, expresso nos demonstrativos das receitas, despesas, custos, lucro objetivo e geração de caixa.
PLANO DE VERIFICAÇÃO DE PROJETO
Documento que serve para a especificação do Plano de Desenvolvimento e funciona como instrumento para mostra os resultados dos testes e monitorar os programas de engenharia associados.
PLANO DO PROJETO
Plano que produz efeitos duradouros e irreversíveis, considerando sempre períodos longos, alcance amplo, e que form
PLANO MASTER
Plano formado pela relação de preceitos políticos, relação das projeções de referentes, das projeções divergentes, e definição dos principais objetivos da alta administração.
PLANO TÁTICO
Plano com período curto, limitado, focando na seleção dos meios para a ação, a fim de atender aos objetivos fornecidos.
PLANTA PILOTO
Produção em baixa escala utilizada para o desenvolvimento do processo de produção e preparação de amostra para teste de campo de um novo produto.
PLASTIFICANTE
Substância a ser adicionada ao material plástico para elevar a deformabilidade e flexibilidade, pela elevação da mobilidade celular devido a introdução entre elas da molécula do plastificante.
PLATE-OUT
Adesão no aço de moléculas de polímero, com metais inseridos no início da cadeia carbônica, devido à atuação dos estabilizantes a base de cádmio, bário e zinco.
PLATINA
Chapa de aço quadrada ou retangular, que foi preparada nas mediadas adequadas para ser utilizada na prensa, para a conformação de determinada peça estampada de um produto.
PLAYABILITY – TOCABILIDADE
Maior ou menor facilidade que os músicos encontram ao tocar um instrumento musical, determinado pelas características de desenvolvimento e execução do instrumento.
PLÁSTICOS
São líquidos que requerem a aplicação de determinada força antes de escorrer e vencer o atrito interno.
PMBOK - A GUIDE TO THE PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE
Guia publicado pelo PMI, que apresenta e define a conceituação e tecnologias aplicáveis à gestão de projetos. Editado pelo PMI, e considerado referência internacional neste campo de atuação.
PMI - PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE
Instituto fundado em 1969 e localizado em Philadelphia - Pennsylvania (EUA). Desenvolve programas de Certificação para PMP - Project Management Professional, reconhecidos pela norma ISO9001. A instituição, ao longo dos anos, estabeleceu padrões para a prática do gerenciamento de projetos, e edita o PMBOK - A Guide to the Project Management Body Of Knowledge (PMBOK Guide), tido como referência mundial no campo da Gestão de Projetos.
PMS – PANTONE MATCHING SYSTEM
É um sistema com cores sólidas, básicas, pastel e metálicas, é aproveitado para selecionar, controlar e reproduzir cores espaciais que proporciona resultados previsíveis e certeiros. Desenvolve-se um banco de dados CMYK que levará em conta a natureza das tintas empregadas, os tipos de substratos e a tecnologia da reticulagem.
PMT – PHOTOMECANICAL TRANSFER
São cópias fotográficas de originais a tom contínuo, produzidas por contato com negativos de meio tom, para paste up em artes finais.
PODER DE COBERTURA
Uma cor é encoberta por outra e se for transparente a cor inicial continua a interferir na visão da segunda cor e não teremos cobertura. Quando a segunda cor é opaca, a primeira cor não aparece mais e cobertura foi plena.
POKA - YOKE
Técnica a prova de erros, onde o setup ou a manufatura é desenvolvida para se prevenir um erro, que possa resultar em um defeito no produto, resultando na paralisação da produção automaticamente, caso o erro ocorra.
POKA - YOKE
Dispositivos simples e baratos para prevenir erros ou detectá-lo em seguida a sua ocorrência.
POLICY DEPLOYMENT
Atividades racionais em relação à área de ação, responsabilidades e gestão dos recursos da empresa.
POLICY DEPLOYMENT
Processo organizacional que permite articular racionalmente uma política em relação à área de ação, a responsabilidade e recursos, o tempo e a modalidade.
POLIVALÊNCIA
Capacidade de poder atuar de modo competente em diferentes máquinas ou fases de um processo produtivo.
POLÍMERO
Material com elevado peso molecular, obtido pela combinação repetida de unidades estruturais simples conhecidas como monômeros.
POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS
Polímeros que amolecem quando aquecidos e que enrijecem quando arrefecidos, podendo reaproveitar os desperdícios.
POLÍMEROS TERMOS FIXOS
Polímeros com ligações cruzadas de sua estrutura molecular reticular, não podendo ser amolecidos depois da polimerização, não podendo reciclar o desperdício.
POLÍTICA
Arte de estabelecer os objetivos e intenções de uma organização, mediante a interpretação de seus interesses e aspirações, e de orientara a obtenção ou a preservação daqueles objetivos.
POLÍTICA
É um objetivo (o que) relacionado com as condições de contorno, linhas mestras e ações necessárias (como).
POLÍTICA
Regras para a seleção de cursos de ação e tomadas de decisões. São parâmetros restritivos, definindo campos de atuação da empresa.
POLÍTICA DA QUALIDADE
Estabelecimento do objetivo da empresa na qualidade dos seus produtos e sistemas.
POLÍTICA DE ESTOQUES
Estabelecimento de objetivos da empresa e métodos para a administração dos materiais.
POLÍTICA DE QUALIDADE
Intenções e diretrizes globais de uma organização relativas à qualidade, formalmente expressas pela alta administração.
POLÍTICA EMPRESARIAL
Política aplicada a empresas de produtos ou serviços.
POLÍTICA FISCAL
Administração das despesas e receitas do Governo para se atingir as metas econômicas desejadas.
POLÍTICA MONETÁRIA
Administração das diversas ferramentas a disposição do Banco Central, de modo a conseguir as metas econômicas desejadas.
POLÍTICA OPERACIONAL
Conjunto de objetivos ("what") e de linhas e ações ("how") que orienta o processo gerencial e as atividades para um objetivo do Plano de Negócio.
POLÍTICA POLIANUAL
Explicitação de um conjunto de valores e princípios que orientam o Plano de Negócio, os objetivos e as atividades fundamentais da empresa nos próximos anos.
POLLING
Procedimento de controle da comunicação, pelo qual o computador interroga periodicamente os nodes de uma rede, ou terminais, para verificar se eles desejam acessar a rede.
POM
Veja índice Preço/Lucro
PONTILHAMENTO
Método de simular muitas cores ou tons de cinza com poucas cores, combinado, por exemplo, os pontos vermelhos e azuis para se ter o maguenta.
PONTILHAMENTO
Método para simular muitas cores ou tons de cinza, com somente poucas cores, como foto de milhões de cores exibida num monitor de 256 cores e impressa com quatro cores. Como exemplos os pontos vermelhos e azuis são combinados para se criar o roxo.
PONTO CRÍTICO
Condição operacional em que as receitas somente dão para pagar as despesas e custo da empresa.
PONTO CRÍTICO
Denomina-se de ponto crítico a quantidade vendida que resultará num resultado operacional nulo.
PONTO DE COMBUSTÃO
É a temperatura mínima na qual os vapores desprendidos dos corpos combustíveis, ao entrarem em contato com uma fonte externa de calor entram em combustão. Retirada a fonte externa o processo continua.
PONTO DE EQUILÍBRIO
O Ponto de equilíbrio de uma empresa é aquele que gera um resultado que permite a realização dos investimentos necessários para a sua atualização competitiva e que remunere os acionistas na forma de dividendos, com uma taxa que seja igual ou superior as taxas de oportunidades que poderiam ser obtidas no mercado financeiro.
PONTO DE FULGOR
É a temperatura mínima na qual os corpos combustíveis começam a desprender vapores que produzem “flashes”, quando em contato com uma fonte externa de calor. Retirada a fonte externa de calor cessa o processo.
PONTO DE FULGOR
É a temperatura na qual o produto emite vapores que em contato com uma fonte de ignição pode inflamar-se, porem sem sustentação de chama.
PONTO DE IGNIÇÃO
É a temperatura na qual os gases desprendidos dos combustíveis entram em combustão, apenas pelo contato com o oxigênio do ar, independente de qualquer outra fonte de calor.
PONTO DE VENDA - PDV
Refere-se ao tipo de check-out do varejo no qual os símbolos do código de barras EAN/UPC normalmente são lidos.
PONTO FORTE
Característica intrínseca à empresa que coloca em posição estrategicamente favorável para um desempenho eficaz, relativamente a um ou mais fatores chaves de sucesso.
PONTO FRACO
Característica da empresa que coloca em posição estrategicamente desfavorável para um desempenho relativamente a um ou mais fatores-chave de sucesso.
PONTOS
1/72 de uma polegada. 12 pontos é aproximadamente 1/6 da polegada.
PONTOS DE VERIFICAÇÃO E CONTROLE
Avaliam o progresso das atividades relacionadas com o melhoramento, sendo a verificação orientada para o processo e o controle orientado para o resultado.
POOGI
Process of On Going Improvement
POP
Procedimento operacional padronizado.
PORTA
Ponto de acesso físico dentro dos limites de um controle de comunicações.
PORTADOR DE DADOS
Meio de representar dados em uma forma legível por máquina, usado para possibilitar a leitura automática de cadeias de elementos.
POS
Point of Sale
POS - POINT OF SALES
Pontos em que o produto estará exposto à disposição dos seus usuários.
POSIÇÃO EM ABERTO
Saldo de posições mantidas pelo investidor em mercados futuros e de opções.
POSIMATIC
Posicionamento automático de fixadores, no local de sua inserção, geralmente obtido por vibradores circulares ou lineares.
POST PONNEMENT
Organização da operação para a realização da montagem parcial do produto e preparação de pré-montagem complementares, entregues na operadora logística, que personalizará os produto parcialmente montado, com os pré-montados e podendo assim atender o cliente de maneira personalizada.
POSTPONEMENT
Retardamento da finalização do produto até a chegada do pedido customizado.
POTE
Recipiente de boca larga e com tampa atarrachável, ou de pressão.
POUPANÇA
Parcela da renda não utilizada para consumo.
PÓSITRON
Antipartícula do elétron, a qual tem massa igual à do elétron, carga elétrica igual e de sinal contrário.
PPHO
Procedimento padrão de higiene operacional.
PPI – PIXEL POR POLEGADA
Este valor coordena a relação entre o arquivo digital e a necessidade de transpor a imagem referente ao arquivo, para uma apresentação material, sendo uma relação entre a medida digital e a medida física da composição. Quanto maior será este valor do PPI, menos será o tamanho da composição material.
PPI – PIXELS PER INCHES
Uma medida de resolução utilizada para dispositivos digitais.
PPK – PRELIMINARY PROCESS CAPABILLITY
Um índice similar ao Cpk mas baseado em dados de estudos prévios, em curto prazo, de novos processos. São necessários dados de pelo menos 20 subgrupos para avaliações preliminares. Ppk pode ser calculado apenas quando os dados do estudo indicam que a estabilidade foi atingida.
PPM - PARTS PER MILLION
Peças por Milhão: unidade quantificadora (1/1.000.000).
PPM – PRODUCT PORTIFOLIO MANAGEMENT
Técnica para gerenciar os investimentos em ações das empresas da corporação, atendendo a um objetivo mais geral e corporativo, como o crescimento do patrimônio líquido agregado, ou a maximização dos dividendos e portanto o caixa da corporação.
PR
Process Reengineering
PRAZO DE SUBSCRIÇÃO
Prazo fixado por uma sociedade anônima para que o acionista exerça seu direito de preferência na subscrição de ações de sua emissão.
PRÁTICAS DE MANUFATURA
Práticas que definem como uma empresa de manufatura deverá ser administrada, nos assuntos ligados a cumprimentos de prazos, comunicação com o mercado, controles e planejamento da manufatura.
PRE-SOURCING
Denomina-se de pré-sourcing, o processo de realizar a aprovação antecipada de fornecedores de famílias de commodity, ou componentes antes de serem comprados e utilizados na montagem.
PRECEITOS POLÍTICOS
Relação de definições de posições, que deverá reger o relacionamento, e comportamento entre sócios e diretores. Documento que antecede o desenvolvimento de um plano estratégico.
PREÇO DE EXERCÍCIO DA OPÇÃO
Preço por ação pelo qual um titular terá direito de comprar ou vender a totalidade das ações-objeto da opção.
PREÇO LÍQUIDO
Preço de um produto calculado sem a inclusão dos impostos externos ou internos ao valor. A multiplicação de todas as quantidades vendidas pelos seus preços líquidos leva ao valor da receita líquida da empresa.
PREDIÇÃO
Esta expressão poderá significar prever o futuro ou descrever com antecedência qual será o resultado de um experimento. Jogando uma moeda poderemos prever que aproximadamente metade do resultado será coroa, sem predizer o valor exato.
PREDIÇÃO
Estimação intuitiva da demanda levando em consideração mudanças e fatos novos que possam influenciar o mercado, em oposição à previsão que é realizada a partir de dados passados.
PREFIXO EAN/UCC
Número índice com dois ou mais dígitos, co-administrado pela EAN International e pelo UCC, denotando o formato e o significado de determinados dados codificados em um símbolo do código de barras EAN/UPC.
PREFIXO EAN/UCC DE EMPRESA
Parte das estruturas de numeração EAN/UCC internacionais que consiste em um prefixo EAN/UCC e um número de empresa alocado pelo UCC ou por uma Organização Membro da EAN.
PREFIXO UCC
Número índice com 1 dígito administrado pelo UCC, que denota o formato e o significado de uma determinada cadeia de elementos codificada em um símbolo UPC-A ou UPC-E.
PREFIXO UCC DE EMPRESA
Parte da estrutura de numeração padrão UCC-12 que consiste em um prefixo UCC e um número de empresa, alocada pelo UCC.
PREGÃO
Sessão durante a qual se efetuam negócios com papéis registrados em uma bolsa de valores, diretamente na sala de negociações e/ou pelo sistema de negociação eletrônica da BOVESPA.
PREGÃO ELETRÔNICO
Sistema eletrônico de negociação por terminais, que permite a realização de negócios, por operadores e corretoras credenciados, nos mercados a vista, a termo e de opções, com papéis e horários definidos pela BOVESPA.
PRESPRO
Trata-se de um tipo de empresa que adota a estratégia de reduzir o tempo de lançamento de novos produtos e acelerar o ciclo de vida dos produtos, lançando os novos produtos a preços elevados, em pouco tempo reduz o preço deles e em seguida torna-os obsoletos com um novo lançamento.
PRESS KIT
Conjunto de matérias, com o objetivo de levar até os jornalistas, informações sobre a empresa.
PRESSÃO DE AJUSTE
É a pressão na qual a válvula é ajustada para abrir-se, sem considerar a contrapressão.
PRESSÃO DE AJUSTE FRIO
É aquela na qual a válvula está regulada para abrir-se em bancada de teste, levando em consideração às condições reais de serviço.
PRESSÃO DE OPERAÇÃO
É a pressão manométrica em condições normais de operação no sistema protegido.
PRESTAÇÃO DE SERVIÇO
Atividade do fornecedor necessárias ao provimento do serviço.
PREVENÇÃO DE ACIDENTES
Utilização de princípios técnicos, para a identificação, análise e minimização de situações que possam representar risco para o patrimônio e para pessoas.
PREVENÇÃO DE FALHAS
Atividade crítica do projeto do produto, e da sua embalagem, com a finalidade de se imaginar preventivamente todas as falhas que poderão ocorrer com ele em uso, ou falhas que poderão ocorrer no início da industrialização.
PREVISÃO
A maneira mais usual de realizar previsão é definir o tamanho do mercado em unidades físicas e estimar o percentual deste mercado, que se quer atender com a linha de produtos.
PREVISÃO
Sistema para avaliar o futuro de curto prazo e acompanhar a performance do realizado comparado com as previsões.
PREVISÃO TECNOLÓGICA
Previsão quantificada da ocasião da ocorrência ou do caráter do grau de mudança de parâmetros técnicos e atributos associados com o projeto, a produção e o uso de equipamentos, materiais e processo, de acordo com um especificado sistema de raciocínio.
PREVISÃO – FORECAST
Uma estimativa da demanda futura de um produto ou serviço.
PRÉ – SOURCE
Fornecedor pré-selecionado para trabalhar com a empresa desde o desenvolvimento do produto, do serviço ou das atividades que antecedem uma terceirização de serviços ou peças.
PRÉ-IMPRESSÃO
Define-se pré-impressão como: Técnicas de reprodução de imagem e de textos, pelas quais se obtém formas de impressão fotoquimicamente gravadas em relevo, a entalhe ou em plano, para tiragem de qualquer sistema de impressão.
PRÉ-IMPRESSÃO
São as técnicas de reprodução de imagem e de textos, pelas quais se obtém formas de impressão fotoquimicamente gravadas em relevo, a entalhe ou em plano, para tiragem de qualquer sistema de impressão.
PRÉ-IMPRESSÃO
Técnicas de reprodução de imagem e de textos, pelas quais se obtém formas de impressão fotoquimicamente gravadas em relevo, a entalhe ou em plano, para tiragem de qualquer sistema de impressão.
PRÉ-MONTAGEM
Montagens realizadas antes da montagem final do produto, com a finalidade de se preparar componentes internos, formados por muitas peças, para simplificar a montagem final do produto e reduzir o tamanho e a complexidade da linha, alem de possibilitar, em certos casos, se manter sempre o sistema de montagem de cima para baixo, o que seria impossível nos casos de produtos que não aceitam adequadamente uma montagem deste tipo para a totalidade de suas peças.
PRÊMIO
Preço de negociação, por ação-objeto, de uma opção de compra ou venda.
PRIMEIRO LOTE
É o primeiro lote de produção efetiva, através de ferramental definitivo, que tem como objetivo fornecer amostras para clientes, verificar “try out“ do processo, levantamento de dados estatísticos (CEP), revisão de viabilidade, melhoria nos processos, estabelecimento do processo definitivo e definir os roteiros de Inspeção.
PRINCÍPIO ARBITRÁRIO DE CODIFICAÇÃO
Os itens de material são codificados seqüencialmente, à medida que ingressam no estoque. Esta forma de codificação tem como grande desvantagem o fato de não permitir qualquer forma de identidade entre itens de material de uma mesma natureza, como por exemplo dois motores similares.
PRINCÍPIO ARBITRÁRIO FICHADO DE CODIFICAÇÃO
A codificação seqüencial, deverá ser associada a um arquivo onde os Característicos de Material é bem detalhado. Ao se localizar um determinado código, deve-se abrir o arquivo e lá encontrar os dados do item.
PRINCÍPIO DOS NÚMEROS DE PROJETO DE CODIFICAÇÃO
São utilizados os números dos desenhos de detalhamento dos projetos. A codificação cobre apenas as partes e materiais integrantes dos projetos específicos.
PRINCÍPIO SIMBÓLICO DE CODIFICAÇÃO
forma numérica com também sob a forma mnemônica para facilitar a memorização. Codificação alfa numérica de forma que os seus códigos guardem uma identidade entre si. Não atendem a series muito numerosa de itens.
PRINCÍPIOS DE HUMOR E BOM SENSO
Eis três desses princípios: A Análise de Pareto - Criada no século XIX pelo economista italiano Vilfredo Pareto, defende que cerca de 80% dos lucros de uma empresa são derivados de 20% dos seus produtos, a lei de Parkinson retrata no primeiro livro humorístico sobre gestão. Eis três das suas leis: "O trabalho expande-se na exata medida do tempo disponível para ser feito"; "Quanto menor o interesse do assunto, maior é a discussão" e “Qualquer trabalhador acabará por ser promovido até ao limite máximo do seu nível de incompetência”.
PRINT CONTRAST
Contraste de impressão é a medição quantitativa do detalhamento das sombras de uma imagem impressa, medindo a graduação tonal entre as zonas claras a as escuras.
PRIZM – POTENCIAL RATINGS IN ZONED MARKETS
Classificação dos tipos de mercados pelo censo, geografia de mercado, mídia, modelos.
PROBABILIDADE
Um número que varia de 0 a 1, que estima o número de experimentos no qual um particular resultado possa ocorrer.
PROBLEM FINDING
É destinado a dar suporte às atividades de melhoria concentradas em áreas predefinidas pela direção, através da utilização de metodologias baseadas na organização e análise dos dados verbais coletados de fontes internas ou externas à empresa. Com este objetivo se utilizam as "Sete Novas Ferramentas" ou as “Sete Ferramentas Gerenciais como segue: diagrama de afinidades – KJ, diagrama de relações, diagrama de árvore, diagrama em matriz, árvore de decisão (PDPC), diagrama de setas – PERT, análise da matriz de dados”.
PROBLEM SOLVING
Atividade destinada a remover os obstáculos encontrados para chegar à solução de um problema. A análise de um problema é um processo baseado na coleta e elaboração de informações. Com esse objetivo se utilizam sete ferramentas como segue: a coleta de dados, a estratificação, a análise de Pareto, diagrama de causa-efeito, o diagrama de correlação, o histograma, os gráficos de controle, e o PDCA.
PROCEDIMENTO
Forma especificada de executar uma atividade, que se torna documentada quando escrita.
PROCEDIMENTO
Norma que se destina a fixar condições para a execução de cálculos, projetos, obras, serviços, instalações e amostragens, para o emprego de produtos industriais, transações comerciais, elaboração de documentos e desenhos, segurança na execução ou na utilização de uma obra, equipamento, instalação, de acordo com o respectivo projeto.
PROCEDIMENTO Jurídico
O modo e forma que os processos se movimentam e se desenvolvem, por meio de Atos Processuais.
PROCEDIMENTO OPERACIONAL
É um documento que incorpora as normas aprovadas pela administração e que estabelece todos os passos, para que as ações administrativas sejam executadas segundo uma seqüência adequada, estabelecendo as delegações de autoridade e de responsabilidades para todos os colaboradores, que se torna documentada quando escrita.
PROCESS IMPROVEMENT
Melhoria sistemática dos processos operacionais tendo em vista os objetivos e as variações desses processos.
PROCESS MANAGEMENT
Gerenciamento por processos das atividades da empresa ligadas aos fatores chave do negócio através da identificação, gerenciamento e melhoria contínua dos principais processos operacionais, segundo a lógica da matriz cliente-fornecedor interna.
PROCESS OWNER
É o responsável pelo desenvolvimento de um processo.
Process Reengineering
Pre-requisite Tree
PROCESSADOR
Qualquer parte do processo que desempenha as ações de transformação de insumos em produtos ou resultados.
PROCESSAMENTO
Conjunto das ações que realizam as transformações dos insumos em produtos ou resultados.
PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO DE DADOS
Os recursos de computação da empresa estão instalados em vários locais, com um sistema de rede apropriado.
PROCESSAMENTO DOS DADOS
É um conjunto de operações que transformam dados em informações.
PROCESSAMENTO EM BATCH
Técnica de processamento na qual as transações são acumuladas e processadas e processadas conjuntamente.
PROCESSAMENTO EM PARALELO
Utilização simultânea do processamento manual e eletrônico, para se verificar a consistência entre ambos.
PROCESSAMENTO PARALELO
Utilização de diversos processadores num mesmo computador, para facilitar a tolerância a respeito de erros, para se obter um processamento sem interrupção.
PROCESSO
A combinação de pessoas, máquinas e equipamentos, matérias primas, métodos e ambiente que produz um dado produto ou serviço.
PROCESSO
Conjunto de recursos, e atividades inter-relacionadas, que transformam insumos em produtos ou serviços.
PROCESSO DE MANUFATURA
Série de conformações realizadas no material para convertê-lo de matéria-prima ou de semi-acabado em produtos acabado.
PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO
Processo que demonstra que uma entidade é capaz de atender os requisitos especificados.
PROCESSO DO NEGÓCIO
Seqüência de atividades fundamentais para o negócio. Elas transformam os "inputs" dos fornecedores em "outputs" para os clientes, com valor agregado pelos setores.
PROCESSO ESTÁVEL
Um processo no qual a variação na saída surge apenas a partir de causas comuns. Uma causa comum de processo é a fonte de variação que está sempre presente e é parte da variação normal (aleatória) inerente ao processo por si só.
PROCESSO Jurídico
Método pelo qual o Estado exerce a tarefa jurisdicional para resolver conflitos de interesse.
PROCESSOS DO NEGÓCIO
Conjunto de atividades empresariais que agregam algum valor ao produto, segundo a percepção do cliente.
PROCUREMENT
Função de planejar as necessidades, comprar, controle de estoques, movimentação de mercadorias, recebimento, testes de recebimento e recuperação de materiais.
PRODUCT DEVELOPMENT ENGINEERING
Engenharia de Desenvolvimento do Produto – Grupo de pessoas responsável pelo desenvolvimento do produto, seus componentes e de todos os novos processos incorporados.
PRODUÇÃO CONTÍNUA
Sistema de produção onde os equipamentos são dispostos numa seqüência determinada pela estrutura do produto.
PRODUÇÃO DE FLUXO CONTÍNUO
Sistema onde o fluxo de materiais é contínuo, não dividido e não se caracterizando lotes de produção.
PRODUÇÃO DE MASSA
Produção em grandes quantidades, pela utilização de plantas e equipamento dedicados e especializados naquela atividade.
PRODUÇÃO ENXUTA
Sistema para eliminar os desperdícios de forma sistemática e atendimento somente contra pedidos em carteira.
PRODUTIBILIDADE
Característica do desenvolvimento de um item, para ser produzido e inspecionado nas quantidades requeridas, no menor custo e no menor tempo.
PRODUTIVIDADE
A definição de produtividade aplica-se em dois níveis: Em uma visão restrita, produtividade é a maximização dos resultados através da otimização dos recursos utilizados. É a relação entre o output (saída) e o input (entrada). A produtividade pode ser medida de forma monofatorial (parcial) através de fatores de produção como matéria-prima, combustível, equipamentos, trabalho, terra, capital, etc. Entretanto, em geral, quando falamos em produtividade, geralmente estamos nos referindo à produtividade do trabalho. Em uma visão ampla, a produtividade continua sendo a relação entre o output/input, porém considerando vários outros fatores econômicos, sociais e de meio ambiente. A definição ampla de produtividade para o BLS – Bureau Labor Statistics, dos Estados Unidos pode ser traduzida da seguinte forma: "Produtividade é um dos maiores determinantes do padrão de vida, desde que os aumentos de produtividade gerem aumento real de renda e estabilidade de preço. A medição da produtividade é um importante elemento na avaliação da eficiência, tanto no nível interno como em comparações internacionais".
PRODUTIVIDADE
Medida geral e relativa da habilidade de se produzir um bem ou serviço, representada pela comparação do que se produz comparada com o que se utiliza para realizar esta produção.
PRODUTIVIDADE
Relação entre o que foi produzido e o que foi necessário para esta produção.
PRODUTIVIDADE DA MÃO DE OBRA
Medida parcial da produtividade, pela medida do resultado do trabalho do operário ou grupo de operário por unidade de tempo, comparado com os padrões estabelecidos.
PRODUTIVIDADE DE EQUIPAMENTO
Produção horária de uma máquina, comparada com uma produção padrão.
PRODUTIVIDADE DO CAPITAL
A produtividade do capital representa o resultado obtido (Valor Adicionado) com a utilização do investimento em capital. A fórmula utilizada é a seguinte: Valor Adicionado e Capital investido. O capital investido normalmente é representado pelo capital total utilizado em um período (média do período), mas também pode ser representado pelo capital de giro (média do período) ou pelo valor investido em máquinas e equipamentos (média do período).
PRODUTIVIDADE DO TRABALHO
Através do indicador produtividade do trabalho é possível medir a contribuição do trabalho em um determinado resultado (output). Ao medirmos o output relacionado a volume ou número de itens obtidos, em relação ao input de trabalho utilizamos o termo "produtividade física". Estatisticamente o indicador produtividade do trabalho representa o resultado da produtividade tanto no nível da economia nacional, como de um setor específico, em empresas de mesmas características ou em uma única empresa.
PRODUTIVIDADE PARCIAL
Quando medimos a produtividade parcialmente, consideramos apenas a participação ou representatividade de um fator ou elemento como input. Como exemplo: a produtividade do trabalho (VA/no de trabalhadores) ou a produtividade do capital (VA/ativo permanente).
PRODUTIVIDADE SISTÊMICA
Considera a aplicação eficiente e efetiva dos Fatores Humanos, de Recursos Naturais, de Meios de Produção, de Inventários e de Gestão de um sistema como input para gerar maior riqueza para a empresa. Prevê ainda que o excedente do valor adicionado gerado pelo sistema deva ser distribuído para todos os fatores que contribuíram para geração da riqueza do mesmo, gestão, trabalho, governo e consumidor (Referencial da Distribuição) e que os resultados dos indicadores da produtividade sistêmica deverão ser comparados em todos os níveis da economia (Referencial da Comparação). Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Paraná – IBQP-PR.
PRODUTIVIDADE TOTAL DOS FATORES – PTF
Indicador que mostra o resultado entre o output e o input total relacionado de todos os fatores de produção, não de forma parcial como a produtividade do trabalho ou a produtividade do capital. Somente o resultado da medição da PTF não possibilita uma análise completa, mas se medirmos a variação período a período, das variáveis de input (principalmente capital e trabalho) e de output (valor adicionado), será possível mensurarmos a variação do "progresso técnico" que reflete a melhoria qualitativa do capital e trabalho.
PRODUTO
Manufaturado que se associa a um conceito, e é reconhecido pelo usuário como útil e resultado de atividades ou processos.
PRODUTO
Resultado de atividades e processos.
PRODUTO ALTERNATIVO
Produto alternativo seria o produto que a sua fabricação reduz a quantidade de produzida do produto objetivo.
PRODUTO AMPLIADO
É a dimensão total do produto, formado pela parte o produto genérico ou oferecido, da parte esperada pelo cliente, da parte aumentada por iniciativa do fornecedor e todas as perspectivas futuras de aumento potencial do produto, tendo em vista o desenvolvimento estratégico da empresa fornecedora.
PRODUTO ASSOCIADO
Um produto associado é um produto que tem a suas produção incrementada, na medida que se incrementa a produção do produto condutor, que se caracteriza como produto objetivo da fabrica.
PRODUTO AUMENTADO
Trata-se do produto esperado, onde foram adicionados graciosamente, novos itens de serviço e de funcionamento não solicitados, não esperados e que agradam muito o cliente e refere-se apenas ao que foi e esta sendo feito para os clientes.
PRODUTO COMPLEMENTAR
Produto que complementa a utilização de um outro produto dependente. A introdução de um produto complementar resultará na elevação da venda do produto que está sendo complementado. A redução do preço de vendas do produto complementado elevará a venda do produto complementar.
PRODUTO COMPONENTE
Produto dependente, que complementa o produto base. A introdução de um produto componente facilitará a venda do produto base. A redução do preço de vendas do produto componente elevará a venda do produto base.
PRODUTO CONSOLO
Produtos que satisfazem a pequenos luxos, para atender a usuários cansados e desiludidos, que procuram formas de se alto recompensarem.
PRODUTO DE BASE
Produto desenvolvido a partir das competências de base, devido a um programa estratégico para incorporar tecnologias nos produtos de mercado e obter diferenciações competitivas.
PRODUTO DE CAMUFLAGEM
Utilização por pessoas de uma camada superior de produtos símbolos de status e uma camada inferior.
PRODUTO DE PRESTÍGIO
São produtos de uma classe elevada e utilizada pela camada inferior, para elevar o prestígio de seu proprietário e para simbolizar o status desejado.
PRODUTO ECOLÓGICO
Produto limpo que não polui o ambiente na fabricação, na utilização e no descarte.
PRODUTO ESPERADO –
Conjunto formado pelo produto genérico ou oferecido e uma camada envolvente de serviços e atenções.
PRODUTO ESSENCIA
Produto para atender a uma maneira simples de se viver, assumida pelos consumidores pelo questionamento do atendimento dos objetivos pessoais e profissionais.
PRODUTO FORÇADO
O valor econômico fixado para o produto é superior ao valor mercadológico e conseqüentemente a empresa estará fadada e ter uma um nível muito baixo de vendas. Teria sido necessário realizar um reprojeto do produto, para elevar a sua funcionalidade e reduzir o seu custo industrial, alem de uma completa reestruturação da estrutura de despesas da empresa, criando-se uma nova empresa mais competitiva.
PRODUTO GENÉRICO - COMMODITY
Produto sem características que possam ser utilizadas para realizar a sua diferenciação.
PRODUTO OFERECIDO
Trata-se de um produto genérico ou não, onde foram incorporadas muitas diferenciações tangíveis e mesmo intangíveis.
PRODUTO ORFÃO
Trata-se de produtos lançados pela empresa, que não fazem parte de nenhuma das famílias de produtos comercializados pela empresa, famílias estas que tem a finalidade de atender a um determinado segmento de mercado e que são sustentadas por um plano de marketing específico.
PRODUTO PASSADO
Produto para uma geração saudosa e que procura a satisfação em atividades que necessitam produtos que lembram a sua infância tranqüila.
PRODUTO POTENCIAL
O produto potencial refere-se a tudo que resta ser feito, dentro do que seja possível, procurando-se verificar sempre o que existe de novo e que possa ser utilizado para ampliar o produto.
PRODUTO PREVENTIVO
Desenvolver produto antes que seja tarde, de acordo com as novas tendências, que definem novas prioridades para a empresa.
PRODUTO PRÉ-MEDIDO
Produto embalado, e medido sem a presença do usuário e em condições de comercialização.
PRODUTO PRÉ-MEDIDO DE CONTEÚDO NOMINAL
Produto embalado medido sem a presença do usuário, com conteúdo nominal igual, e predeterminado na embalagem durante o processo de fabricação.
PRODUTO REVELADOR DE STATUS
Estes produtos revelam o verdadeiro status social do usuário, simbolizando para o observador aparência e prestígio.
PRODUTO SOBREVIDA
Produtos destinados ao tratamento da saúde, com o intuito de elevar a longevidade, que possibilitará uma nova maneira de se viver.
PRODUTO SOCIAL
Produto para atender a uma sociedade que redescobre a necessidade de consciência social e ética, da paixão e compaixão.
PRODUTO SOCIMOTO
Produto que é desenvolvido de acordo de acordo com a constatação de uma tendência de a sociedade tradicional ser substituída por uma outra com características emergentes.
PRODUTO SUBSTITUTO
A se incrementar a venda deste novo produto, as vendas do anterior se reduzem e, portanto estamos na verdade providenciando uma substituição de um produto antigo por um outro atualizado em todos os aspectos. A redução de preços do produto substituído reduzirá a venda do produto substituto.
PRODUTO WOOFs – WELL-OFF OLDER FOLKS
Produtos desenvolvidos para a tender um segmento de Mercado de pessoas idosas e bem de vida.
PRODUTOR PRIMÁRIO
Empresa que utiliza recursos naturais para produzir materiais para outros fabricantes da cadeia produtiva.
PRODUTOS ACABADOS
Itens de materiais fabricados pela empresa ou adquiridos de outros fabricantes ou comerciantes, e destinados à comercialização.
PRODUTOS EM PROCESSO
Materiais, peças, conjuntos que se encontram em estágios diferentes de produção e que futuramente serão montados na forma de produtos acabados.
PRODUTOS SKIPPIESs – SCHOOL KIDS WITH INCOMES AND PURCHASING POWER
Produto destinado a atender o segmento de mercado das crianças em idade escolar com renda e poder de compra.
PROFUNDIDADE DE BITS
É a quantidade de bits que se coloca atrás de cada pixel, sendo que um arquivo de bits com oito bits de profundidade, pode variar 256 cores e um de 24 bits de profundidade poderá ter até 16 milhões de cores, calculado na base de 2n.
PROGRAM APPROVAL MILESTONE
Marco de Aprovação do Projeto – Avaliação dos objetivos detalhados, das metas e atividades necessárias para o desenvolvimento completo do produto. É o comprometimento das equipes para suprir os recursos necessários para atender as expectativas do cliente e doos objetivos do planejamento.
PROGRAM PRODUCT MILESTONE
Marco Programa do Produto – Deve-se avaliar o processo de manufatura, de montagem e os diversos componentes. O projeto do produto e dos processos, devem ser são exeqüíveis sem instabilidades e riscos.
PROGRAMA
Conjunto ordenado e inter-relacionado de ações, dirigidas à realização de um objetivo específico no longo prazo.
PROGRAMA DE ENSAIOS
Documento que regula a execução dos ensaios de um determinado item, fixando os meios materiais, metodologias, recursos humanos e demais condições a serem observadas, a fim de atender às prescrições de uma solicitação de ensaio.
PROGRAMA DE RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS
Procedimentos que permitem efetivo recolhimento e apropriado destino final de lotes de alimentos exposto à comercialização suspeita ou a constatação de causar dano a saúde. O programa de recolhimento é chamado por algumas empresas de Programa de Recall
PROGRAMAÇÃO
É a quantidade necessária diária de peças, ou produto final por cliente.
PROGRAMAÇÃO VISUAL
Definição das cores, dos grafismos, das figuras e das linhas básicas que possam expressar de maneira adequada, o conceito captado a partir do segmento de mercado e que devem ser expressos em todas as embalagens, produtos e publicidade referente a uma determinada família de produtos.
PROGRESSO TÉCNICO
Fatores qualitativos relacionados ao capital e trabalho, possíveis de mensurar quando medimos a PTF, diretamente relacionados com inovações tecnológicas, eficiente gestão e melhorias organizacionais.
PROJECT FINANCE
Avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos, a identificação dos seus riscos, formas de minimizar estes riscos, critérios para distribuir estes riscos entre os vários intervenientes como promotores, construtores, operadores, fornecedores, financiadores e clientes, que estão dispostos a assumirem estes riscos, na justa medida em que estejam seguros da viabilidade e performance do projeto.
PROJECT MANAGEMENT
A gestão de projetos (project management) é baseada na formação de equipas temporárias e pluridisciplinares. Trata-se de um grupo de trabalho constituído por empregados provenientes de diferentes setores da empresa que tem um projeto a desenvolver e que é validado pela direcção-geral. Os membros devem ter especializações e competências diversas. A equipe deve ser colocada sob a responsabilidade de um chefe de projeto que depende diretamente da direcção-geral. Os membros são desligados, total ou parcialmente, mas apenas de uma forma temporária, do seu serviço de origem.
PROJEÇÃO AMBIENTAL
Análise dos fatores externos à empresa que afetam o seu planejamento.
PROJET SCHEDULE
Datas planejadas para a execução de atividades e datas planejadas para se atingir objetivos.
PROJETO
Conjunto de ações executadas, de forma ordenada, por uma organização transitória, à qual são alocados insumos, sob forma de recursos humanos, financeiros, materiais e de serviço, para em um dados prazo, alcançar um objetivo determinado.
PROJETO
É um conjunto de informações internas e/ou externas à empresa, coletadas e processadas com o objetivo de analisar-se (e, eventualmente, implantar-se) uma decisão de investimento. Nestas condições, o projeto não se confunde com as informações, pois ele é entendido como sendo um modelo que, incorporando informações qualitativas e quantitativas, procura similar a decisão de investir e suas implicações.
PROJETO
Esforço realizado em determinado prazo, para desenvolver um produto ou serviço.
PROJETO DE DESENVOLVIMENTO
Projeto que objetiva a materialização de um produto ou processo, por meio de protótipo, instalação piloto ou modelo, tendo como ponto de partida suas especificações técnicas.
PROJETO DE ENGENHARIA
projeto que consiste na elaboração e consolidação de informações destinadas à execução de uma obra ou a fabricação de um produto ou ainda o fornecimento de um serviço ou execução de um processo.
PROJETO DE MANUFATURA E MONTAGEM
Processo simultâneo designado a otimizar o relacionamento entre a função produto, manufatura e facilidade de montagem.
PROJETO DE PESQUISA
projeto que consiste na busca sistematizada de novos conhecimentos, podendo situar-se no campo da ciência ou da tecnologia.
PROJETO DE SISTEMAS
A determinação de soluções para os problemas descobertos pela análise: criação de novos métodos e rotinas.
PROJETO DE VIABILIDADE
É um projeto de estudo e análise, ou seja, é um projeto que procura verificar a viabilidade a nível interno da própria empresa. Quando surge a idéia (ou oportunidade) de investir, começa o processo de coleta e processamento de informações que, devidamente analisadas, permitirão testar sua viabilidade.
PROJETO EXECUTIVO DO PRODUTO
É o projeto que consolida a concepção global do produto e define os detalhes construtivos de todos os subsistemas.
PROJETOS DE PESQUISA
São as atividades de pesquisa a respeito de um tema ou objeto de pesquisa bem definido, desenvolvidos com métodos e duração determinas, realizadas individualmente ou em conjunto por uma equipe de pesquisadores.
PROPRIEDADE POLAR
Propriedade de peças a serem montadas em produtos tanto no ponto de vista do peso como da forma, como no caso de uma peça que tem o centro de gravidade no extremo da peça, tendendo a se orientar numa particular direção e peças com uma assimetria marcante que podem ser direcionadas para a sua posição, por algum fator mecânico.
PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE
Preservação do meio ambiente contra danos inaceitáveis decorrentes dos efeitos e da utilização de produtos, processos e serviços.
PROTEÇÃO DO PRODUTO
Proteção a um produto contra condições climáticas ou outras condições adversas durante o seu uso, transporte ou armazenamento.
PROTOCOLO
Convenções e regras que torna possível a transmissão de dados entre computadores.
PROTOCOLO
Trata-se de um conjunto de regras que definem a maneira como as informações fluem dentro de um computador ou sistema de comunicação, compreendendo: sintaxe, comandos e respostas, semântica, estrutura das solicitações e ações permitidas para cada usuário, tipos de eventos e seqüência dos mesmos.
PROTÓTIPO
Modelo do produto para ser testado e se avaliar a performance do produto, antes de ser liberado para a manufatura.
PROTÓTIPO
Peça ou produto fabricado artesanalmente, cujos objetivos são: Verificar estilo, Tamanho, Verificar expectativa dos clientes, levantamento de histórico, requisitos de pessoal para fabricação, necessidade de treinamento, processos, embalagem etc.
PROVA DE PRELO
Impressão prévia, normalmente única. Obtemos deste modo à gravação da arte final através do uso das chapas metálicas, sendo estas, confeccionadas através do fotolito. Prova de prelo é utilizada para a impressão em offset.
PROVA PERICIAL JURÍDICO
Suprimentos de fatos técnicos que fogem ao conhecimento do Juiz.
PROVENTOS
Veja Benefícios.
PROXÊMICA
É o conjunto de observações e teorias sobre o uso humano do espaço, estudando as situações de contato ou a sua ausência, o estabelecimento automático de distâncias pessoais, como numa fila de ônibus.
PRÓTON
Núcleo estável, com número de massa unitário, spin um meio, estranheza nula, isobárico, carga elétrica igual ao do pósitron.
PTO
Patent and Trademark Office
PULTRUSÃO
Formação de perfis composites, onde se coloca carretel dos diversos filamentos que passam por um banho de resina que segue para uma ferramenta de moldagem da forma, que em seguida passa por uma estação de radio freqüência para o aquecimento interno e polimerização da resina, saindo continuamente o produto na forma de barras com elevada resistência mecânica e a corrosão.
PUNCTURE TEST
A test of the strength of material, expressed in ounces per inch, as measures by the Beach puncture test.
PVP – PRE-VOLUME PRODUCTION – Produção Preliminar
É uma produção de produtos vendáveis para se verificar o processo de produção, a capacitação total da fábrica, a comprovação de que os requisitos do mercado foram atendidos e os objetivos da Corporação forma alcançados.
PWB
Printed Wiring Board