Quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019 - 10h05
Amplitude logística
A Pegaki realizou uma análise de mercado e estruturou um estudo para investir na ampliação de seu portfólio de serviços, enquanto a Transfolha, fornecedora de transporte da startup desde 2017, trabalha em conjunto com o objetivo de desenvolver alternativas cada vez mais eficazes para a movimentação de cargas

A abertura de novos pontos de coleta e distribuição vai muito além da inauguração aleatória de diversas unidades. É preciso, resumidamente, desenvolver um plano estratégico e contar com uma boa análise de demanda. Além disso, avaliar a capacidade de transporte e a malha de movimentação completam os estudos necessários antes de colocar a operação em prática. Na startup Pegaki, que utiliza o espaço ocioso  de estabelecimentos comerciais como pontos de retiradas, devolução e coleta de e-commerces, a lição de casa foi feita e a empresa inicia 2019 com novidades.

A primeira delas se refere à expansão da rede de entrega. A companhia planeja saltar de 500 para 3 mil pontos de retirada em todo o país ainda este ano. A estratégia de expansão é nacional, envolve comércios de diversos segmentos e portes, mas será focada especialmente em farmácias, lojas de conveniências em postos de gasolina e shoppings centers.

Cristofolini, CEO da Pegaki
Cristofolini, CEO da Pegaki

O CEO e fundador da Pegaki, João Cristofolini, explica que foi realizado um estudo e identificado que esses três estabelecimentos estão alinhados às necessidades dos e-commerces, das transportadoras e dos consumidores finais. Já para esses pontos, de acordo com a análise realizada, a vantagem é a atração de consumidores – em média, 30% das pessoas que vão retirar sua encomenda acabam comprando algum produto. Cristofolini completa dizendo que as pessoas frequentam esses comércios com relativa constância, pois estão sempre no trajeto de casa, do trabalho ou da faculdade.

A ideia inicial é credenciar pontos próximos às agências dos Correios, aproximando a alternativa ao cliente. A maior parte deles estará em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. “O plano de expansão já está em fase de implantação, de modo que o crescimento da rede será acelerado. Vamos investir aproximadamente R$ 1 milhão e a expectativa é entregar mais de 100 mil pedidos mensalmente nos pontos de retirada até dezembro deste ano”, afirma o CEO.

Fornecedor

Para isso, é fundamental estar alinhado aos prestadores de serviços de transporte. O diretor geral da Transfolha, Alexandre Felix, lembra que as empresas operam em conjunto desde 2017, quando a Pegaki ainda se encontrava em fase pré-operacional. “As primeiras operações tiveram início em abril de2018 e agora contribuímos para essa expansão”, diz.

Felix, diretor geral da Transfolha
Felix, diretor geral da Transfolha

Para suportar o crescimento dos pontos, Felix garante que seguirá expandindo sua estrutura conforme a necessidade do cliente, abrindo pontos em locais que possam melhorar a logística em determinadas cidades ou regiões, como áreas de risco e rurais. “A Transfolha e a Pegaki estão construindo as ofertas de serviços de forma conjunta. Atualmente são disponibilizados os serviços de distribuição aos pontos de retirada, garantindo qualidade, inovação e tracking a todo o processo, tanto aos varejistas quanto aos consumidores”, salienta.

Novos serviços

Além da expansão dos pontos de retirada, a Pegaki também deve oferecer novos formatos de serviços para os e-commerces. Estão previstas três novidades para esse ano: pontos de retiradas exclusivos, inserção dos pontos de coleta e expansão do serviço de reversa, que se dá quando o cliente precisa devolver ou trocar o produto.

Os pontos exclusivos vão atender unicamente um determinado e-commerce. Entre outros benefícios, destacam-se a localização estratégica desses pontos para cada e-commerce e a publicidade em uma loja física, inclusive por meio de peças de marketing e personalização.

Outra novidade é utilizar os pontos de retirada como pontos de coleta, o que deve beneficiar os pequenos e médios vendedores, inclusive os que utilizam os grandes marketplaces. Pequenos e-commerces dependem dos Correios e têm dificuldades para negociar com transportadoras. Com esse serviço, a Pegaki consolida as mercadorias nos pontos para a coleta de transportadoras com maior volume. Na prática, o vendedor do pequeno e-commerce leva os produtos até o ponto mais próximo de seu local e uma transportadora coleta para entregar ao cliente final, reduzindo assim os custos com frete.

“O modelo de pick up points não é mais uma tendência, é uma realidade no Brasil. As empresas demandam por esse tipo de solução logística, que descomplica a vida de todos os agentes envolvidos. Nosso objetivo é seguir com o intenso trabalho de mapeamento dos melhores pontos e a expansão de todas as frentes de serviço. Acredito que 2019 será o ano do modelo de pontos de retirada”, afirma Cristofolini.

Exemplos de estabelecimentos utilizados como pontos de retirada pela Pegaki
Exemplos de estabelecimentos utilizados como pontos de retirada pela Pegaki

A reversa também terá atenção especial da empresa este ano. Atualmente, para realizar a operação, o cliente tem de enviar o produto que deseja devolver ou trocar pelos Correios. Com a Pegaki, ele passa a deixar sua compra no ponto de venda e o e-commerce retira. A startup já oferece esse serviço desde sua fundação, mas agora, com a expansão da rede de pontos de retirada, a tendência é de forte aumento desse tipo de operação.

Felix anuncia que já no primeiro trimestre deste ano será lançado o serviço Ponto de Reversa, que consiste em disponibilizar locais comerciais para que o consumidor possa realizar a devolução de um determinado pedido ou produto.

Entre outros clientes na ponta do varejo, a Pegaki já conta com parceiros como Carrefour, AccorHotels, 5ásec e Itajaí Shopping, além de outras centenas de pequenos e médios comércios. Com relação aos e-commerces, a Pegaki atende empresas como Dafiti, Wine e Gráfica Print. Ao todo, já foram entregues mais de 30 mil produtos utilizando a rede de pontos de retirada, o que equivale a R$ 3 milhões. A meta para 2019 é entregar mais de 180 mil produtos, totalizando R$ 18 milhões de reais, um crescimento de 600%.

Transporte em foco

Os investimentos já foram feitos e os recursos estão disponíveis para serem utilizados. Para Felix, a Pegaki é um parceiro estratégico comercial que representa uma alternativa à entrega porta a porta. “Os investimentos anuais são realizados para garantir o crescimento das operações como um todo. No âmbito tecnológico, nossa equipe de desenvolvedores está frequentemente atuando junto ao time da Pegaki para criar novas funcionalidades”, relata.

Pegaki representa uma alternativa à entrega porta a porta para a Transfolha

O executivo lembra que as áreas de atuação da Transfolha e da Pegaki são independentes, porém complementares do ponto de vista logístico e de atendimento ao consumidor.

“O ano de 2017 foi pautado pelo desenho das soluções e serviços que, em 2018, se tornaram operacionais, porém ainda com o olhar direcionado às possibilidades de integrações com o varejo e o e-commerce. Em 2019 temos como objetivo escalar a capacidade operacional”, completa.

Fábio Penteado

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!