Terça-feira, 17 de julho de 2018
Dólar R$ 3,85
Euro R$ 4,51
Tecnologística no LinkedIn
Terça-feira, 5 de março de 2013 - 12h39
Antaq divulga Anuário Estatístico Aquaviário de 2012
Foram movimentados, no total, 904 milhões de toneladas no acumulado do ano passado

Antaq-navegação-internaA Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), lançou o Anuário Estatístico Aquaviário de 2012. O levantamento, produzido com base em informações enviadas mensalmente para a agência pelos administradores de instalações portuárias, apresenta os números da movimentação de cargas nos portos públicos e terminais de uso privativo (TUPs) e também estatísticas do transporte nas navegações marítima e interior.

De acordo com o anuário, o setor portuário brasileiro movimentou, no acumulado do ano passado, um total de 904 milhões de toneladas. O número representa um crescimento de 2,03% em relação aos 886 milhões de t transportados em 2011.

Os TUPs foram responsáveis por 65% das cargas, com 588 milhões de t movimentadas – crescimento de 1,91% em relação ao ano anterior. Já os portos públicos ficaram com 35% desse total, com 316 milhões de t. O crescimento registrado foi de 2,27% na comparação com 2011.

Cabotagem

Na modalidade de cabotagem, a navegação nacional transportou 138 milhões de t em 2012. O número é 4% superior à quantidade movimentada em 2011, quando foram transportados 133 milhões de t. Do total, 79% corresponderam a cargas de granel líquido, com 109 milhões de t; 12% a cargas de granel sólido, com 17 milhões de t; 5% geral conteinerizada, com 7 milhões de t; e 3,5% geral solta, com 4,8 milhões de t.

Entre os principais grupos de mercadorias transportados na cabotagem brasileira em 2012 destacaram-se os combustíveis e óleos minerais, com 77% do total (107 milhões de t), e a bauxita, com 10% (13,9 milhões de t).

As plataformas marítimas e o estado do Pará lideraram a saída das cargas transportadas na cabotagem no ano passado, sendo que os principais destinos foram São Paulo e Rio de Janeiro.

Longo curso

Na navegação de longo curso foram transportados 670 milhões de t de cargas no ano passado, crescimento de 2% em relação a 2011. Os granéis sólidos constituem a carga mais exportada por via marítima em 2012, com 437,9 milhões de toneladas. O registro significa um acréscimo de 3% em relação ao ano anterior. As mercadorias que tiveram maior crescimento no comparativo com 2011 foram milho, álcool etílico, trigo e farelo de soja.

Já as importações por via marítima somaram 144 milhões de t, com crescimento de 1%. Os granéis sólidos foram as principais cargas desembarcadas, com 43% do total. As principais mercadorias importadas por via marítima no ano passado foram combustíveis, óleos minerais, carga geral conteinerizada, adubos e carvão mineral.

Navegação interior

Cerca de 81 milhões de t de carga passaram pelas vias interiores em 2012, de acordo com o levantamento. O número representa um crescimento de 1,4% em comparação a 2011, quando foram transportados 79 milhões de t. O transporte de granéis sólidos correspondeu a 71% dos 81 milhões de t. Os granéis líquidos ficaram com 16%. A carga geral conteineirizada, com 7%. O transporte de carga solta registrou 5% do total.

A Região Hidrográfica Amazônica foi a que mais transportou em vias interiores no ano passado, com 58% do total de cargas, representando um total de 51,6 milhões de t. O minério de ferro liderou o ranking de mercadorias transportadas na região, apesar de apresentar retração na comparação com 2011. Foram 4,2 milhões de t em 2012 contra 5,3 milhões de t no ano anterior.

Frota

Segundo o anuário, a frota brasileira de navegação marítima utilizada para cabotagem, longo curso, apoio marítimo e apoio portuário é composta por 1.978 embarcações. Já a frota de navegação interior conta com 1.864 unidades. A frota de apoio marítimo é a que apresenta a menor idade média, com 11,3 anos. Em 2012, os gastos com afretamentos de embarcações somaram cerca de US$ 6 bilhões, representando um acréscimo de 18,8% em relação a 2011.

O Anuário Estatístico Aquaviário de 2012 está disponível para consulta no site www.antaq.gov.br.

 
Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!