Segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
Dólar R$ 3,20
Euro R$ 3,92
Tecnologística no LinkedIn
Quarta-feira, 6 de novembro de 2013 - 11h25
Elog assume movimentações logísticas da Einhell
Provedor realiza desde o recebimento dos produtos no Porto de Santos até a distribuição aos clientes finais instalados em todo o Brasil

Elog---divulgação-capaA Elog, empresa prestadora de serviços de logística integrada pertencente ao grupo EcoRodovias e à BRZ Investimentos, fechou um acordo com a multinacional alemã Einhell, companhia que desenvolve e comercializa máquinas e ferramentas elétricas, para realizar todos os serviços da cadeia logística. Ao todo, são três mil SKUs movimentados por mês. Entre os produtos operacionalizados estão cortadores de grama, lixadeiras, furadeiras e compressores.

A solução desenvolvida abrange desde o recebimento dos produtos no Porto de Santos (SP) até o desembaraço de cargas no Ecoporto, terminal instalado na baixa santista, e envio dos itens ao porto seco do provedor logístico em Barueri (SP), onde são nacionalizados, quando necessário, para serem movimentados até o centro de distribuição, também instalado no município da região metropolitana de São Paulo. No local, são expedidos até os clientes finais da Einhell, pelo modal rodoviário, espalhados por todas as regiões do Brasil.

De acordo com informações do operador logístico, o modelo de operações foi desenhado com base nas necessidades da multinacional, que recebe grande parte dos produtos da China por via marítima. Segundo o gerente Administrativo e Operacional da Einhell, David Marcel Levy, antes a companhia contatava diversos profissionais até descobrir de onde vinha o problema logístico das cargas, para depois resolver. “Com a nova prestação de serviço, quando há dúvidas, já sabemos aonde ir”, diz.

Além disso, o executivo destaca que um dos maiores problemas operacionais – o grande números de fornecedores de transporte, cerca de 12 – é coisa do passado. Ele também ressalta a importância da utilização, agora, de um porto seco na tropicalização das cargas. “Tínhamos um gasto muito maior com a carga nacionalizada de imediato”, afirma.

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!