Terça-feira, 23 de janeiro de 2018
Dólar R$ 3,20
Euro R$ 3,92
Tecnologística no LinkedIn
Quarta-feira, 12 de novembro de 2014 - 10h30
Porto de Paranaguá registra aumento no volume de fertilizantes
De janeiro a outubro foram quase 8,4 milhões de toneladas dos produtos

O volume de fertilizantes que entrou no país pelo Porto de Paranaguá (PR) está maior este ano. Segundo dados divulgados no dia 11 de novembro, de janeiro a outubro foram quase 8,4 milhões de toneladas dos produtos importadas pelos terminais paranaenses – 6% a mais que o registrado no mesmo período no ano passado, quando foram importadas pouco menos de 7,9 milhões de toneladas.

Porto de Paranagua fertilizantes - Nájia Furlan Appa CAPAO insumo agrícola representa mais da metade das importações realizadas pelos Portos do Paraná em 2014: 57% do total de cerca de 14,67 milhões de toneladas de produtos.

Considerando apenas a movimentação do mês de outubro, o aumento na importação dos fertilizantes é ainda mais expressivo: 18% em relação a 2013. Foram importadas 863 mil toneladas do produto no mês, contra pouco mais de 734 mil toneladas em outubro de 2013.

Segundo o economista da Divisão de Conjuntura Agropecuária do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Marcelo Garrido, a maior parte desse fertilizante é destinada à cultura da soja, no Paraná. “O principal fator que explica a alta no volume importado é o aumento na área plantada nesta safra de verão. O melhor preço da soja em relação ao milho foi o principal motivo para o produtor ter optado pela soja”, explica.

De acordo com o especialista, o plantio da oleaginosa já está em andamento no Paraná. “Até a semana passada, tínhamos 61% da soja já plantada no estado, sendo que o normal para esta época seria em torno de 72% já plantado. O atraso é reflexo das chuvas irregulares no mês de outubro e início de novembro”, afirma Garrido.

Ainda segundo ele, o plantio se estende até dezembro, dependendo da região, e a colheita ocorre do final de janeiro até o final de abril, sendo os picos nos meses de março e abril.

Foto: Nájia Furlan/Appa

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!