Quarta-feira, 18 de julho de 2018
Dólar R$ 3,84
Euro R$ 4,47
Tecnologística no LinkedIn
Segunda-feira, 3 de agosto de 2015 - 10h37
VLI moderniza sua produção de trilhos em MG
Empresa investe em novas tecnologias e na ampliação da capacidade de produção

A VLI anunciou, no mês de julho, a conclusão de uma nova etapa no processo de modernização do seu estaleiro de solda de trilhos ferroviários, localizado no município de Pedro Leopoldo (MG), na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Trata-se da implantação de uma tecnologia que possibilita maior eficiência na execução e no monitoramento dos trabalhos realizados no local, que desenvolve reformas estruturais e também novos trilhos.

A novidade consiste em uma tecnologia de ponta para a máquina de soldas utilizada na etapa central da produção de trilhos longos soldados. Com o sistema, o equipamento passa a ser operado de forma automatizada e com uma interface totalmente computadorizada, gerando mais segurança aos empregados na execução dos trabalhos, anteriormente realizados por meio do acionamento de controles manuais.

Além disso, os parâmetros de qualidade da solda passam a ser coletados e monitorados continuamente, assegurando que possíveis desvios do produto final do estaleiro sejam identificados e corrigidos com maior precisão. Com o armazenamento digital dos dados, a VLI terá ganhos significativos em relação à disponibilidade física do equipamento e à padronização das soldas.

Para o gerente de Planejamento de Manutenção de Via Permanente da VLI, César Toniolo, o investimento em sistemas modernos e seguros faz com que o estaleiro de soldas se torne referência no setor ferroviário. “Os equipamentos permitem ganhos significativos em produtividade e segurança operacional, reduzindo o risco de acidentes de trabalho a partir da mecanização e modernização dos processos de soldagem. A tecnologia empregada é inovadora e a VLI é pioneira nesse quesito”, destaca.

No estaleiro, a empresa realiza o beneficiamento dos trilhos que são utilizados na manutenção e na remodelação da malha ferroviária por ela administrada. As barras, importadas do Japão e da China, desembarcam no Porto de Tubarão, em Vitória e são transportadas pela Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) e pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) até Pedro Leopoldo. Na planta, elas são soldadas e atingem até 240 metros de comprimento.

O investimento realizado integra um projeto de mecanização da planta, que teve início em 2010 e possui marcos graduais estabelecidos até 2018. Hoje, o estaleiro é capaz de executar até 12 soldas por hora útil, produzindo até 32 mil toneladas de trilhos soldados por ano. A capacidade de produção na unidade dobrou desde o início da primeira fase da modernização.

O aporte incluiu também a capacitação do estaleiro para fornecer os trilhos soldados de até 240 metros. Anteriormente, as estruturas alcançavam no máximo 216 metros. Essa melhoria possibilita que a planta aumente a capacidade de envio de trilhos para a manutenção ferroviária e reduza custos com soldagens realizadas no campo durante a etapa de assentamento das novas peças.

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!