Segunda-feira, 19 de novembro de 2018
Dólar R$ 3,74
Euro R$ 4,29
Tecnologística no LinkedIn
Quarta-feira, 19 de julho de 2017 - 11h59
Novos tombadores ampliam capacidade de descarga no silo público de Paranaguá
Com os aportes, a capacidade de recebimento passa de 400 caminhões para cerca de 700 caminhões por dia

Começou a operar em julho dois novos tombadores no silo público do Porto de Paranaguá. Com a nova estrutura, a ordem de descarga de caminhões vai praticamente dobrar. Antes das obras eram recebidos em média 400 caminhões por dia no silo público do porto. Com os aportes, essa capacidade passa a ser de cerca de 700 caminhões por dia. Com investimentos de R$ 22,2 milhões, estes são os primeiros tombadores em silos públicos em operação no país.

Paranagua CAPA

A obra consiste em duas balanças de entrada, dois tombadores (que são plataformas que inclinam os caminhões para que a descarga seja feita) de 26 metros de comprimento, uma nova moega e duas balanças de saída, além de sistemas de despoeiramento, correias transportadoras e dois elevadores de canecas para o despejo dos grãos. Com a nova estrutura, o processo de descarregamento dos caminhões no silo público fica mais rápido e automatizado.

“A operação fica muito mais ágil e temos a capacidade de absorver mais caminhões no mesmo espaço de tempo. É mais um investimento que moderniza a estrutura do porto, que agora conta com processos ágeis em todas as suas etapas desde o agendamento do caminhão até o embarque do produto”, afirma o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino.

Desde 2011, os Portos do Paraná receberam o maior pacote de investimentos públicos da história. São cerca de R$ 624 milhões em novos equipamentos e obras de reestruturação. Além dos novos tombadores, os shiploaders foram trocados, o cais foi reformado, foram instaladas novas balanças de acesso ao cais e campanhas de dragagem foram realizadas no canal de acesso e nos berços de atracação.

Antigamente, o silo público operava com apenas duas moegas (que são áreas de descarregamento manual) e em cada uma delas cerca de cinco caminhões poderiam descarregar simultaneamente. A operação nas moegas, no entanto, dura de 12 a 20 minutos, dependendo do tipo de grão descarregado. Agora, além da estrutura antiga, que continua operando, os caminhões terão à disposição uma nova moega e os dois tombadores – nesse caso, a operação de descarga dura cerca de oito minutos.

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!