Terça-feira, 17 de julho de 2018 - 11h09
DHL Supply Chain adota carros elétricos para serviços de distribuição no Brasil
Ativos já são utilizados em operações no Rio de Janeiro, Grande São Paulo e Região de Campinas

A DHL Supply Chain está adotando carros elétricos para aplicação no serviço de distribuição de cargas em suas operações no Brasil. Os ativos começaram a ser utilizados no Rio de Janeiro e agora estão realizando entregas também na Grande São Paulo e na Região de Campinas (SP). Dentre as empresas atendidas pelos veículos elétricos estão aquelas que atuam nos setores varejista, de consumo, tecnologia e saúde. A meta da DHL é expandir a aplicação desse tipo de veículo para outros nichos da economia e, assim, ajudar o Deutsche Post DHL Group a atingir sua meta global de zerar as emissões de carbono até 2050.

De acordo com o diretor sênior de Transportes da DHL Supply Chain Brasil, Fabio Miquelin, os carros elétricos fazem parte do grupo de veículos denominado zero emissão, cujo combustível não emite quaisquer gases nocivos ao meio ambiente, contribuindo com as metas de redução dos clientes e com a estratégia de sustentabilidade da própria DHL, denominada Go Green.

Há outra vantagem destacada pelo executivo. Segundo ele, existe também a redução da poluição sonora, uma vez que os motores elétricos são muito silenciosos. “O uso desse tipo de veículo traz grandes benefícios à sociedade e para a distribuição de cargas nos centros urbanos”, avalia.

O modelo escolhido para realizar as entregas no Brasil é um BYD T3, com capacidade de carga de 750 kg ou 3.330 litros, com dois ocupantes. A autonomia do veículo é de até 250 km, atingindo até 130 km/h de velocidade máxima. A bateria tem capacidade de armazenamento de 48 kWh e tempo de recarga de até 2 horas. Além das baterias de alta capacidade e grande velocidade de recarga, o freio motor utiliza a tecnologia regenerativa, aproveitando a energia despendida no processo de frenagem. Para recarregá-los, a DHL instalou pontos de recarga em seu campus de Louveira (SP).

Divulgação

“O carro elétrico não apenas chama atenção por onde passa – por seu ineditismo no Brasil – como traz muitas vantagens práticas. O som que ele emite é apenas do atrito do pneu com o asfalto. Para os condutores, ele oferece grande conforto interno, regulagem de volante, além de ser muito estável e desenvolver boas velocidades. Por fim, por ser elétrico ele não tem restrições para trafegar na Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC) de São Paulo”, completa Miquelin.

Experiência internacional

As ações da empresa na utilização de veículos elétricos acontecem em todo o mundo. O Grupo Deutsche Post DHL, do qual a DHL Supply Chain faz parte, apresentou na Alemanha, juntamente com a Ford, o primeiro dos seus furgões elétricos de distribuição – ou e-van – produzidos conjuntamente. O veículo, denominado StreetScooter Work XL, usa como base um chassi da Ford Transit com sistema de transmissão elétrico a bateria e carroceria desenhada e construída de acordo com as especificações da Deutsche Post DHL. O provedor logístico usará as e-vans como apoio ao seu serviço de distribuição urbana de encomendas na Alemanha.

Cada unidade da van pode reduzir a emissão de cerca de 5 toneladas de CO² e economizar 1.900 litros de diesel por ano. Com 2.500 veículos em operação, como planejado, isso resultaria em uma redução total de 12.500 t de CO² e 4,75 milhões de litros de combustível por ano. O Work XL terá um volume de carga de 20 m³ e espaço para acomodar mais de 200 encomendas. A e-van é equipada, ainda, com um sistema de bateria modular disponibilizando entre 30 e 90 kWh de potência, com autonomia entre 80 km e 200 km.

O Grupo Deutsche Post DHL tem hoje, além do modelo Work XL, mais de 5.500 veículos elétricos StreetScooter Work e Work L, além de cerca de 10.500 pedelecs (bicicletas elétricas) em operação.

Comentários




Obrigado por comentar!
Erro!