Terça-feira, 13 de novembro de 2018 - 10h24
BYD e Automni lançam transpaleteira autônoma
Denominado Rhino, equipamento tem capacidade para operar por até 16 horas
Divulgação
Divulgação

A BYD e a Automni, empresa de tecnologia de hardware e software, lançam a transpaleteira autônoma Rhino PTP20 High Speed. Dotado com bateria de ferro lítio, o lançamento tem autonomia de até 16 horas, permite recarga parcial – sem efeito memória – e efetiva recarga total em até duas horas. O Rhino é capaz de se locomover entre diferentes pontos sem a necessidade de um operador, o que traz uma série de vantagens como a redução do custo trabalhista, operacional e de manutenção. Além disso, elimina a necessidade de treinamentos periódicos e a contratação de mão de obra em períodos de alta demanda.

A navegação autônoma da nova transpaleteira acontece por meio da integração de sensores a laser, responsáveis pela aquisição de informação espacial do ambiente, câmeras e odometria, que garantem tecnologia de hardware e software robustas e com redundância na coleta de dados. Após a captura das informações pelos sensores, o software de navegação desenvolvido pela Automni determina o trajeto ideal a ser seguido e então envia sinais elétricos de comando para acionar os motores, controlando, assim, a velocidade e direção que o Rhino deve tomar. O equipamento pode ser configurado para funcionar em diferentes trajetos e funciona no modo manual e automático.

Já a tecnologia de localização embarcada possibilita que o equipamento determine sua posição no ambiente em tempo real e é executada por meio do reconhecimento de pontos específicos no ambiente, análise das posições por onde já passou e, por fim, técnicas de localização semântica. Essa tecnologia reduz o número de viagens desnecessárias e aumenta a vida útil da bateria e da máquina.

A distância que o veículo deve parar perante um obstáculo é configurável e dinâmica, graças a um sensor a laser com redundância interna. Com isso, são diminuídos os custos com acidentes de trabalho e os danos e desperdícios de produção.

O Rhino possui também uma tela sensível ao toque, que possibilita a interação com o usuário. Por meio dela podem ser traçados destinos de navegação e visualizados os estados dos sensores de segurança. O software de navegação autônoma funciona dentro de um computador de alto desempenho embarcado no robô.