Quinta-feira, 3 de janeiro de 2019 - 8h42
Operações aquecidas no início do ano na Wilson Sons Estaleiros
Empresa já confirma 20 docagens, além da conversão de um Platform Supply Vessel para Shallow Diving Support Vessel

A Wilson Sons Estaleiros, empresa de construção naval do Grupo Wilson Sons, anunciou que, para este ano, 20 docagens já foram confirmadas para as empresas Wilson Sons Rebocadores, Saam Smit e Wilson Sons Ultratug Offshore, além da conversão de um Platform Supply Vessel (PSV) para Shallow Diving Support Vessel (SDSV) – embarcação de apoio a mergulho raso – para a última empresa.

As estratégias para este ano chegam para dar continuidade à curva de crescimento verificada ao final do ano passado. A empresa anuncia que registrou avanço nas suas atividades em 2018 em comparação com 2017, consolidando a resiliência e a robustez de suas operações durante um período desafiador para a indústria naval brasileira. Ao todo, foram realizadas 24 docagens para seis clientes diferentes.

O diretor-executivo da Wilson Sons Estaleiros, Adalberto Souza, destaca ainda três entregas de rebocadores realizadas em 2018, dois deles para a Saam Smit (SST Arara e SST Aranã) e um para a Wilson Sons Rebocadores (WS Sirius).

“Entregamos o rebocador mais potente da costa brasileira, o WS Sirius, com tração estática de até 90 toneladas. Foi um marco, a 90ª embarcação construída com projeto da Damen Shipyards.”

O executivo explica, ainda, que o maior volume de dias docados em 2018 deve-se à quantidade de trabalhos mais complexos, considerando a transformação do Gaivota, da Wilson Sons Ultratug Offshore, de Platform Supply Vessel (PSV) em Oil Spill Recovery Vessel (OSRV) e as docagens de final de ciclo da Cábrea Vitória (TechnipFMC) e do Oil Tanker Amalthia (Medtankers), a maior embarcação já docada na Wilson Sons Estaleiros.