Quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019 - 10h24
4Fleet promete gestão de frotas de ponta a ponta
Ferramenta integra embarcadores, transportadoras, autônomos e agregados a fim de gerar eficiência operacional e controle

Democratizar o acesso à tecnologia entre empresas de todos os portes que gerenciam ou utilizam o transporte de cargas. Com este objetivo foi apresentada ontem, 12 de fevereiro, em São Paulo, a 4Fleet, plataforma de gestão comercial de frotas que permite o monitoramento em tempo real e a interação entre embarcadores, transportadoras, autônomos e agregados. A ideia é a de que por meio de tecnologia seja gerada, ainda, eficiência operacional e controle ponto a ponto das movimentações.

A adesão à ferramenta requer um cadastro no portal – com planos diferenciados de acordo com o porte do interessado –, pelo qual o usuário informa os dados dos veículos e da rede de motoristas que gerencia. A partir desta descrição, a 4Fleet possibilita registrar a data e o horário do transporte da mercadoria, o trajeto percorrido, o deslocamento, a lista de envios e a localização exata do embarque dos produtos. O acompanhamento também pode ser realizado por meio do aplicativo homônimo, disponível em aparelhos Android e iOS.

Segundo o diretor da 4Fleet, Leandro Zillig, a plataforma garante total previsibilidade à operação, tornando mais ágil a tomada de decisões, reduzindo, assim, custos e sinistros. O executivo conta que pode-se, por exemplo, utilizar recursos como mensagem SMS para contatar de imediato o motorista.

O sistema também garante visibilidade dos ativos. Zillig revela que é possível visualizar todos os veículos disponíveis, permitindo que demandas imediatas sejam atendidas. Vale lembrar que a ferramenta está disponível para companhias de todo o Brasil e, de acordo com o diretor, no segundo semestre chegará à Argentina e ao Chile.

Concepção

A 4Fleet foi desenvolvida, com aporte inicial de R$ 540 mil com expectativa de aplicar mais R$ 1,5 milhão até o final de 2019, sobre a estrutura de uma interface de programação de aplicações aberta (API), o que viabiliza a integração com qualquer sistema de TI administrado pelas empresas que se cadastrarem, independente das linguagens e códigos. O modelo via API também possibilita que a plataforma se torne um marketplace, integrando a cadeia produtiva que gravita em torno do setor de transporte.

Operacionalmente, a interface aberta facilita o acesso a relatórios que aferem o desempenho da frota e dos condutores de maneira assertiva. Todos os dados são criptografados em um ambiente próprio, garantindo a segurança dos processos. “Ao cruzarmos indicadores referentes ao tempo de deslocamento, à velocidade média e ao consumo de combustível, é possível concluir se o comportamento do motorista está adequado, se há algum desvio de finalidade do veículo ou se alguma avaria compromete a performance do veículo”, explica Zillig. Além disso, completa, o tempo de ociosidade dos veículos também pode fornecer subsídios para avaliar se o tamanho da frota é compatível com a sua utilização.

Para o diretor, todas essas respostas proporcionam, ainda, uma gestão mais efetiva dos recursos humanos, uma vez que podem ser elaboradas campanhas de incentivo que ofereçam prêmios aos motoristas mais pontuais e responsáveis.