Sexta-feira, 15 de março de 2019 - 14h42
Leilão de aeroportos rende R$ 2,377 bi ao governo
Pela primeira vez terminais aéreos foram leiloados em blocos

Aconteceu hoje, dia 15 de março, na Bolsa de Valores de São Paulo, o leilão de 12 aeroportos localizados nas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. O certame rendeu ao governo federal um total de R$ 2,377 bilhões. Juntos os terminais aéreos que foram privatizados recebem 19,6 milhões de passageiros por ano, o que equivale a 9,5% do mercado nacional de aviação.

Pela primeira vez a concessão foi realizada em blocos, divididos por regiões. Até então, os aeroportos vinham sendo leiloados individualmente. Segundo o governo, essa organização está relacionada a uma maior vocação de uso dos terminais: os do Nordeste para o turismo, os do Centro-Oeste para o agronegócio e os do Sudeste para atividades empresariais ligadas ao setor de energia.

Os valores deverão ser pagos à vista junto com o ágio ofertado na data de assinatura do contrato. O ágio médio (diferença entre o mínimo fixado pelo governo para pagamento inicial e a soma dos lances vitoriosos) foi de 986%. Para o Nordeste, o lance mínimo inicial foi de R$ 171 milhões, para o bloco Sudeste foi de R$ 47 milhões, e para o bloco do Centro-Oeste, R$ 800 mil, totalizando R$ 219 milhões.

No bloco do Nordeste, formado pelos aeroportos de João Pessoa, Campina Grande (PR), Recife, Maceió, Aracaju e Juazeiro do Norte (CE) o vencedor foi o grupo espanhol Aena Desarrollo Internacional, que ofereceu R$ 1,9 bilhão. O bloco Centro-Oeste, que compreende os aeroportos de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta (MT), foi arrematado pelo Consórcio Aeroeste por R$ 40 milhões. Por fim, o leilão do bloco Sudeste, formado pelos terminais de Macaé (RJ) e de Vitória, foi vencido pela Zurich Airport, com oferta de R$ 437 milhões.

O investimento previsto para os três blocos é de R$ 3,5 bilhões no período de 30 anos. De acordo com as regras do governo, os vencedores terão que, em um primeiro momento, realizar melhorias em banheiros, sinalizações de informação, internet gratuita, sistemas de climatização, escadas, esteiras rolantes e elevadores, entre outras intervenções. As informações são da Agência Brasil.