Ibovespa
125.064,42 pts
(-0,22%)
Dólar comercial
R$ 5,27
(1,57%)
Dólar turismo
R$ 5,49
(1,73%)
Euro
R$ 5,60
(1,56%)

Chile inaugura o maior parque de armazenamento de energia em baterias da América Latina

Projeto da Engie visa resolver problemas energéticos e avançar na descarbonização do país
Por Redação em 21 de março de 2024 às 10h27
Chile inaugura o maior parque de armazenamento de energia em baterias da América Latina
Foto: Reprodução/Pixabay
Foto: Reprodução/Pixabay

A subsidiária chilena da empresa francesa Engie anunciou a inauguração do maior parque de armazenamento de energia em baterias da América Latina na região norte de Antofagasta. Este projeto tem como objetivo abordar os problemas energéticos no norte do país e avançar no processo de descarbonização.

O parque de baterias, chamado Parque de Baterias BESS Coya, tem a capacidade de concentrar a energia gerada pela Planta Solar Coya, localizada na cidade de María Elena, na região de Antofagasta. Com uma capacidade de armazenamento de 638 MWh e 139 MW de capacidade instalada, esta instalação utiliza tecnologia de ponta europeia, empregando baterias de lítio para armazenar energia renovável.

Rosaline Corinthien, CEO da Engie no Chile, explicou: "A falta de otimização da energia renovável gerada no norte do Chile sempre foi uma de nossas preocupações. Por essa razão, decidimos incorporar no desenvolvimento da Planta Solar Coya um sistema de armazenamento, com o objetivo de injetar energia no sistema durante a noite, quando mais é necessário".

Corinthien também destacou que essa tecnologia é fundamental para acelerar a descarbonização do Chile, contribuindo com flexibilidade e segurança ao sistema energético.

O Parque de Baterias BESS Coya consiste em 232 contêineres distribuídos em 58 inversores da planta solar, responsáveis por receber e transformar a energia gerada pelos painéis fotovoltaicos. Segundo a Engie, este parque pode fornecer energia por cinco horas, o que equivale a uma entrega de 200 GWh em média por ano, suficiente para abastecer 100 mil residências chilenas.

Nos últimos seis anos, a participação da energia solar e eólica na matriz energética do Chile aumentou dez vezes, e espera-se que as energias renováveis alcancem 70% da mesma antes de 2030, de acordo com dados oficiais.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar