Ibovespa
118.685,10 pts
(-0,18%)
Dólar comercial
R$ 5,41
(0,49%)
Dólar turismo
R$ 5,62
(0,69%)
Euro
R$ 5,80
(0,68%)

Shippify busca otimizar operação com galpões descentralizados

Empresa está investindo em unidades em cidades estratégicas para facilitar o escoamento de mercadorias
Por Redação em 29 de agosto de 2022 às 13h00

Diante do boom do e-commerce no Brasil, a Shippify, empresa de inteligência logística baseada em tecnologia, criou um plano de expansão de seus galpões que envolve cidades estratégicas espalhadas por todo o país.

Hoje a Shippify conta com pontos de distribuição nas principais cidades do Sudeste, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo, e do Nordeste, como Recife e Salvador, entre outras. Esses locais recebem e fazem a distribuição inteligente das mercadorias. A proposta é avaliar cada uma dessas localidades e identificar outros municípios-chave para instalação de estruturas de distribuição estratégicas, agilizando a operação.

O modelo é semelhante ao adotado em Minas Gerais, berço da operação da empresa no Brasil. A Shippify concentra suas atividades no galpão de Contagem, na Grande Belo Horizonte. A partir dali, há uma integração com galpões estruturados em cidades como Uberlândia, Divinópolis e Juiz de Fora.

“Esse modelo de trabalho é muito interessante, porque nossos centros de distribuição não armazenam produtos. São hubs em que o produto chega, passa para o motorista parceiro e segue para a casa do cliente. Isso faz com que a gente consiga atender a uma demanda alta em um tempo mais curto, já que os hubs são localizados em regiões estratégicas que facilitam a logística da última milha. A exemplo do que acontece em Minas Gerais, a descentralização é importante para que a gente alcance cada vez mais regiões no Brasil. Hoje atendemos mais de 250 cidades no país e estamos sempre avaliando a necessidade de implantação de um novo hub”, explica o head de Operações da Shippify, Júlio Bonifácio.

A avaliação sobre a necessidade de ampliação acontece no dia a dia e, portanto, não existe um cronograma efetivo de ações. As datas atrativas para o comércio, como a Black Friday e o Natal, servem de termômetro para a empresa avaliar o comportamento de cada região.

“Nós não temos um cronograma que aponte quais cidades terão um novo hub ou quanto vamos investir nisso. Nós temos que analisar a peculiaridade de cada região, 24 horas por dia. Quando identificamos algum aumento exponencial na operação em uma determinada área, concentramos nossos esforços ali. Foi assim que aconteceu com o galpão de Contagem, que precisou passar por uma ampla modernização para atender bem a demanda. Mas entendemos que a descentralização da nossa estrutura para cidades médias, dentro da nossa área de atuação, é um caminho irreversível”, garante o Country Manager da empresa, Lucas Grossi.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar