Ibovespa
124.488,70 pts
(-0,67%)
Dólar comercial
R$ 5,25
(1,17%)
Dólar turismo
R$ 5,48
(1,58%)
Euro
R$ 5,58
(1,24%)

33% das empresas ainda não praticam ESG como pilar estratégico, aponta estudo

Relatório revela crescente adoção da agenda ESG por empresas brasileiras
Por Redação em 27 de fevereiro de 2024 às 6h36

A importância da agenda ESG (Ambiental, Social e de Governança) nas empresas está em ascensão, impulsionada por práticas positivas nessas áreas. Essa tendência não só promove o crescimento saudável dos negócios, mas também demonstra um compromisso com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Segundo o estudo "Tendências de RH 2023" da consultoria Korn Ferry, 67% das empresas no Brasil adotaram o ESG como pilar estratégico, enquanto 33% ainda não o fizeram. Além disso, 75% das empresas planejam adotar práticas ESG nos próximos 12 a 18 meses, enquanto 25% não têm essa intenção.

Rodrigo Accarini, sócio e líder de soluções digitais da Korn Ferry Brasil, destaca que, após a pandemia, as relações de trabalho e negócios tornaram-se mais significativas, aumentando o engajamento com a agenda ESG. Ele enfatiza que a transparência e a adoção de políticas sustentáveis geram confiança para investidores, fortalecem as comunidades locais e promovem a inclusão de grupos vulneráveis.

O estudo identifica as prioridades ESG, como a redução de emissões, o uso eficiente de recursos, as energias renováveis e o investimento em projetos filantrópicos. No entanto, apesar da adesão favorável, 54% das empresas ainda não estabeleceram metas para suas estratégias ESG.

Joana Cortez, diretora de projetos de Transformação e Cultura da Korn Ferry, destaca o desafio de incorporar as metas ESG na cultura organizacional, envolvendo liderança e colaboradores. Ela ressalta que é crucial envolver toda a organização na aplicação dessas políticas para que se tornem parte integrante da cultura empresarial.

O estudo também mostra que CEOs e executivos têm a maior responsabilidade na implementação das políticas ESG, e as metas ESG influenciam os bônus, variando de 10% a mais de 30%. Além disso, revela que 74% das empresas possuem conselho de administração e 52% têm comitês relacionados à agenda ESG.

Joana enfatiza a importância desses comitês na definição de metas e na aplicabilidade das políticas ESG. A pesquisa foi realizada entre junho e julho e contou com a participação de 652 empresas em países da América Latina, destacando os resultados específicos do Brasil.


LEIA TAMBÉM:

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar