Ibovespa
125.124,30 pts
(0,75%)
Dólar comercial
R$ 5,20
(-0,96%)
Dólar turismo
R$ 5,41
(-1,20%)
Euro
R$ 5,54
(-0,86%)

Escassez de diesel na Bolívia causa preocupação no setor de transporte

Apesar das garantias de abastecimento da YPFB, transportadores exigem a destituição de autoridades e negam normalidade nos postos de serviço
Por Redação em 11 de dezembro de 2023 às 10h28
Escassez de diesel na Bolívia causa preocupação no setor de transporte
Foto: Reprodução/Pixabay
Foto: Reprodução/Pixabay

O setor de transporte pesado na Bolívia expressa sua preocupação com a escassez de diesel no país, gerando tensões nos postos de serviço. Embora as filas tenham diminuído em comparação com os dias anteriores, os motoristas aguardam por horas para abastecer e exigem ações por parte das autoridades.

As longas esperas são registradas principalmente nos postos de combustível em La Paz, Cochabamba e Santa Cruz. Apesar de algumas áreas experimentarem uma redução na disponibilidade de diesel, a estatal YPFB assegura o fornecimento do combustível.

Álvaro, um motorista, destaca a importância de garantir o diesel, vital para muitos trabalhadores do transporte. Enquanto alguns não percebem a escassez, outros, como o representante do transporte pesado, Domingo Ramos, denunciam a dificuldade em encontrar diesel, mesmo em localidades próximas a La Paz.

O gerente da YPFB Logística informa que mais de 200 caminhões-tanque chegarão ao país nas próximas horas para garantir o abastecimento de diesel e gasolina. Apesar dessas garantias, Ramos enviou uma carta ao presidente Luis Arce solicitando a destituição de autoridades da Agência Nacional de Hidrocarbonetos (ANH) e da YPFB, acusando-os de incapacidade.

Embora a YPFB assegure a normalização do abastecimento, Ramos nega essa afirmação e alerta sobre possíveis medidas de pressão se não forem tomadas ações em um prazo de 15 dias. A demanda diária de diesel na Bolívia atinge cerca de 5,5 milhões de litros, segundo dados oficiais.

O setor de transporte aguarda respostas claras e ações do governo para abordar a situação e evitar possíveis consequências no fornecimento de combustível no país.

*Com informações da agência EFE.


LEIA TAMBÉM:

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar