Ibovespa
122.512,78 pts
(1,07%)
Dólar comercial
R$ 5,40
(-0,79%)
Dólar turismo
R$ 5,60
(-1,05%)
Euro
R$ 5,79
(-0,45%)

Itaguaí realiza a primeira operação de transferência de GNL

Trabalhos foram realizados entre navios atracados a contrabordo
Por Redação em 28 de novembro de 2022 às 14h00
Itaguaí realiza a primeira operação de transferência de GNL

Pela primeira vez, o Porto de Itaguaí (RJ) realizou uma operação de transferência de gás natural liquefeito (GNL). O objetivo era o reabastecimento da Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação (FSRU) da Karmol LNGT Asia, afretada pela Karpowership Brasil (KPS), que está ancorada na Baía de Sepetiba. 

O GNL é conduzido por um transportador de gás, comumente chamado de LNGC, e bombeado para os tanques de armazenamento do FSRU. Para que esse bombeamento ocorra, o LNGC deve estar atracado ao lado do FSRU. Para a manobra de atracação do navio, foram utilizadas cinco embarcações menores.

Leia mais: Itaguaí recebe Prêmio Antaq por índice de desempenho ambiental

Segundo informações da KPS, o tempo total da operação, entre chegada e partida do LNGC, manobras de atracação, preparação e bombeamento do GNL e desatracação, foi de aproximadamente 30 horas. A atividade envolveu cerca de 35 profissionais e contou com a colaboração da KPS, Mitsui OSK Lines Europe, Fendercare Serviços Marinhos do Brasil, Wilson Sons, Marinha do Brasil, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Praticagem e CNTIC VPower Global. 

A empresa informou ainda que toda a preparação da equipe, plano integrado, elaboração de procedimentos operacionais, análises de riscos e simulações realizadas no Tanque de Teste Numérico da Universidade de São Paulo (USP) durante a fase de projeto contribuíram para a realização de uma operação segura e de alto desempenho. O reabastecimento atende ao projeto pioneiro no Brasil de termoelétricas flutuantes da KPS.

O Porto de Itaguaí foi o local escolhido pela KPS para receber o FSRU, os Powerships (unidades termelétricas flutuantes) e instalação de torres de distribuição para linhas de transmissão da energia gerada. Para viabilizar o projeto, com duração prevista de 44 meses, foi assinado contrato com a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), autoridade portuária que administra o Porto de Itaguaí. 

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar