Ibovespa
129.020,02 pts
(-0,87%)
Dólar comercial
R$ 4,97
(0,06%)
Dólar turismo
R$ 5,17
(0,14%)
Euro
R$ 5,37
(-0,21%)

Renascimento das ferrovias? Santa Catarina estuda investir em novos projetos de infraestrutura

Estudos patrocinados pelo governo visam reviver o transporte ferroviário no estado, impulsionando a economia e reduzindo custos para diversos setores
Por Redação em 29 de janeiro de 2024 às 10h17
Renascimento das ferrovias? Santa Catarina estuda investir em novos projetos de infraestrutura
Foto: Reprodução/Pixabay
Foto: Reprodução/Pixabay

No início do século passado, as ferrovias eram a espinha dorsal da economia em Santa Catarina e no Brasil. Contudo, entre as décadas de 1940 e 1950, mudanças nas políticas de infraestrutura priorizaram o transporte rodoviário, relegando as ferrovias a segundo plano.

Silvio dos Santos, gerente de ferrovias de Santa Catarina, aponta ao NSC Total que a transição foi motivada por uma mudança de paradigma econômico, destacando três elementos-chave: financiamento específico proveniente de impostos, disponibilidade de aço para a indústria automotiva e a produção de combustível refinado no Brasil.

Atualmente, apenas 4,5% da malha ferroviária nacional está em Santa Catarina, totalizando 763 quilômetros em atividade. A última ferrovia construída no estado foi há 55 anos, conectando Lages a Vacaria, no Rio Grande do Sul.

Lenoir Broch, representante de entidades no Oeste do Estado, destaca a necessidade de ferrovias na região, especialmente para otimizar o transporte de insumos e escoar a produção agropecuária local. Ele enfatiza que o modal ferroviário pode gerar economias significativas, estimadas entre 20% e 30%.

O governo do Estado está patrocinando estudos para viabilizar a construção de uma ferrovia que ligaria Chapecó a Correia Pinto, na Serra, conectando o Oeste à malha ferroviária nacional. A iniciativa visa facilitar o transporte de mercadorias pelo porto de São Francisco do Sul, no Litoral Norte do Estado.

Produtores rurais esperam que a chegada das ferrovias ao Oeste reduza os custos de produção, especialmente no transporte de insumos essenciais para as lavouras.

Além disso, o governo estadual está investindo em estudos para duas ferrovias adicionais: a Ferroeste, que ligaria Maracaju, no Mato Grosso do Sul, a Chapecó, e a Ferrovia do Frango, um projeto retomado pelo novo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) federal em 2023.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar