Ibovespa
121.341,13 pts
(0,74%)
Dólar comercial
R$ 5,44
(-0,39%)
Dólar turismo
R$ 5,66
(-0,05%)
Euro
R$ 5,82
(-0,51%)

Portos do Arco Norte impulsionam crescimento com inovações e soluções sustentáveis

Estações de transbordo flutuante e embarcações híbridas se destacam na Região Amazônica
Por Redação em 2 de maio de 2024 às 11h09
Portos do Arco Norte impulsionam crescimento com inovações e soluções sustentáveis
Foto: Divulgação/Amport
Foto: Divulgação/Amport

Os portos do Arco Norte têm se destacado na última década por seu crescimento contínuo ascendente e também pelas inovações que têm introduzido para o setor, tanto com novidades em tecnologia, quanto por soluções mitigadoras de impacto ambiental. Somente em 2023, o setor atingiu 51 milhões de toneladas de grãos escoados pelos portos da região, totalizando um crescimento aproximadamente 22% maior do que no ano anterior.

Com intensa movimentação nos rios da Bacia Amazônica, algumas estruturas modernas e inovadoras têm se destacado entre as novidades do setor – as chamadas estações de transbordo flutuante, que por sua natureza versátil e de fácil manuseio, se tornaram uma alternativa em uma região em que terrenos às margens de rios profundos já são escassos.

As estações flutuantes têm grande apelo econômico na sua implementação. Apesar de não possuírem a capacidade de um porto em terra, a solução tem feito sucesso para alguns tipos específicos de operações. A opção vem sendo utilizada na região pelas empresas Mega Logística e Transportes Bertolini, que possuem, cada uma, três operações deste tipo no Arco Norte.

Por ser flutuante, a estrutura tem flexibilidade logística e, em alguns casos, pode ampliar sua capacidade com a instalação de boias. Somente em 2023, essas empresas movimentaram cerca de 6,4 milhões de toneladas de granéis vegetais sólidos nessas estações, tendo a expectativa de aumentar ainda mais a movimentação este ano.

Híbrido


As soluções inovadoras e tecnológicas não param por aí. Recentemente, a Hidrovias do Brasil teve o seu empurrador HB Poraquê reconhecido como a melhor embarcação do mundo na categoria "Empurrador Médio" pela revista Work Boat World, ficando à frente de mais de 400 embarcações de outros países.

O HB Poraquê é o primeiro empurrador com sistema de propulsão híbrido já produzido e tem como grande diferencial o fato de que emite muito menos gases poluentes. Além disso, ele permite desonerar as operações portuárias por reduzir custos operacionais e diminuir a dependência das operações de combustíveis derivados de petróleo.

Soluções tecnológicas

Um outro case de sucesso foi desenvolvido pela Associação dos Terminais Portuários e Estações de Transbordo de Cargas da Bacia Amazônica (AMPORT) no Canal do Quiriri, possibilitando o aumento do calado de 11,50 para 13,90 metros na localidade, sem a realização de dragagem ou outra intervenção significativa no meio ambiente. Esse aumento foi possível devido à instalação de três estações de monitoramento meteoceanográficas, que permitem a navegação de navios maiores e de maior calado, possibilitando, assim, uma maior eficiência no transporte de cargas na região.

O projeto começou a ser desenvolvido pela AMPORT em 2016 e realiza a medição meteorológica e oceanográfica em tempo real observando o comportamento das marés e sua amplitude. Através dessas estações instaladas em pontos estratégicos próximos e no Canal do Quiriri, é possível identificar as condições ideais de navegabilidade em trechos críticos, garantindo a segurança dos grandes navios que percorrem aquela região com destino aos mercados internacionais. A iniciativa permitiu o aumento gradativo do calado ao longo dos anos, chegando à medição atual, que alcança quase 14 metros, mesmo considerando uma Folga Abaixo da Quilha (FAQ) de 1,50m.

A ação teve o investimento de cerca de R$ 6 milhões e foi realizada através das empresas Hidrovias do Brasil S/A, Hydro Alunorte, TGPM – Terminais de Grãos Ponta da Montanha e Navegação Unidas Tapajós – Unitapajós.

Outra recente e importante solução é o sistema de monitoramento de embarcações através de sinal AIS na região dos Estreitos, no Pará. A AMPORT desenvolveu o sistema e o doou para a Marinha para que ela pudesse ter melhores condições de monitorar as embarcações que trafegam pela região, possibilitando que comboios cada vez maiores possam transitar com toda a segurança pelos corredores fluviais do Arco Norte. Embarcações menores também são beneficiadas com a ação, à medida em que o monitoramento possibilita maior controle de todo o corredor, tornando-o mais seguro tanto para as grandes embarcações, quanto para embarcações menores, que trafegam com passageiros.

Segundo Flávio Acatauassú, presidente da AMPORT, a região é celeiro de boas práticas, ideias inovadoras e soluções tecnológicas e eficientes. "Nós temos muito orgulho dos projetos que desenvolvemos na Amazônia, com o compromisso de aliar tecnologia a soluções sustentáveis. É inegável a pujança do Arco Norte, que cresce de forma muito acelerada na última década. Investimos em tecnologia que garante maior segurança para todos aqueles que trafegam nos rios da região e permite a proteção do meio ambiente. Continuaremos com soluções de ponta, exportando para todo o mundo e contribuindo para a movimentação da economia brasileira", finaliza o executivo.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar