Quarta-feira, 17 de julho de 2019 - 15h53
Surfe na onda da automação, mas antes olhe para dentro
Autoria de GUILHERME JULIANI

Você já deve saber: para crescer em um mercado competitivo – não importa qual setor – o uso da tecnologia é fundamental. A ordem do momento é automatizar processos, o que significa deixar as operações para as máquinas e a tomada de decisão para os humanos. A questão é: como acompanhar toda essa transformação digital? Em um cenário em que principalmente as grandes empresas investem em todo tipo de tecnologia para reduzir preços e ter menos erros nos processos, como se manter na disputa de market share?

Olhar para o que as grandes empresas fazem e se inspirar nelas pode ser um bom exercício, mas se o empreendedor quiser se diferenciar ele terá que ir além disso. Cada empreendimento deve buscar a vanguarda do mercado em que está inserido, ou seja, procurar inovações e, se preciso, criá-las internamente para que não corra o risco de ficar refém das tecnologias da concorrência. A ideia é: olhe para dentro e veja o que você pode desenvolver. Esse esforço impedirá que o seu negócio seja engolido pelas ondas de inovação e pisoteado pela concorrência.

Mas, a automação é possível em qualquer segmento? Sim. É verdade que nem todos os processos terão o auxílio da máquina, mas em algum momento a automação poderá ser utilizada, trazendo mais eficiência à produção. Para saber exatamente o que automatizar é preciso ter conhecimento do setor. Além disso, é importante fazer uma análise fragmentada de cada fase dos processos para que se identifique o trabalho que pode ser mecanizado ou digitalizado.

No segmento de entregas e logística a automação é possível desde a chegada do item nas docas, até o momento da entrega ao destinatário. Os processos desse setor podem ser divididos em três partes: movimentação dos itens dentro das docas; transporte da carga nas ruas e entrega ao destinatário.

Na primeira fase pode-se utilizar equipamentos para a leitura, conferência de dimensões e roteirização automática das encomendas. Além disso, os veículos autoguiados facilitam o recolhimento das encomendas e trazem as caixas do armazém até o operador. Um sistema que ajuda a gerir a cadeia de suprimentos e estoque também pode ser muito útil nessa etapa, pois permitirá tomadas de decisões mais assertivas e ágeis.

Já na fase de transporte da carga nas ruas, a tecnologia pode ajudar no desenho do melhor trajeto, evitando perda de tempo e aumentando a eficiência das entregas. Soluções que usam big data podem ir mais além, transformando informações sobre os clientes em dados inteligentes. Um exemplo é a checagem automática se o destinatário e o endereço são verdadeiros.

Por fim, a fase de entrega pode ser mais eficiente com um aplicativo que permita a baixa daquela mercadoria em tempo real. Essa aplicação melhora a produtividade dos entregadores, garante a assertividade das informações e aumenta a transparência das operações.

Esses são apenas alguns exemplos do que pode ser feito para automatizar os processos no setor de logística. Mas, como eu já disse: você pode ir além. Anote as dicas do que já foi feito, mas não fique preso a isso. Sente com sua equipe, pergunte quais são os processos onde eles identificam mais problemas, estude cada fase da sua cadeia e, por fim, pense quais trabalhos podem ser mecanizados. Isso o ajudará a inovar de dentro para fora e evitará que seu negócio seja atropelado por tecnologias de terceiros.