Quinta-feira, 25 de agosto de 2011 - 11h56
AmstedMaxion e Brado Logística apresentam novo modelo de vagão
Desenvolvido para atender as demandas do operador logístico, equipamento permite diferentes configurações de transporte em apenas um nível
Seis meses após iniciar os trabalhos de estudo de demanda, desenvolvimento do projeto e concepção do produto, a AmstedMaxion e a Brado Logística apresentaram, no dia 23 de agosto, o AmaxLong, novo vagão plataforma para contêineres alinhados. O modelo, desenvolvido especialmente para as movimentações do operador logístico, se diferencia dos demais graças às diversas configurações possíveis de transporte em apenas um nível – dois contêineres de 40’, quatro de 20’, três de 20’ ou um de 40’ e dois de 20’. O novo vagão possui 26 metros de comprimento, o que exigiu o desenvolvimento de um engate especial também no comprimento da haste. Além disso, a tara não poderia ser elevada. Por ter a opção de transporte de três contêineres de 20’ igualmente espaçados, o modelo demandou o desenvolvimento de apoios intermediários. Para combater o vandalismo, em todas as opções de carregamento há anteparos protetores das portas e dispositivos frigoríficos. O AmaxLong é montado com truques tipo Ride Control, com pressão constante no amortecimento, possuindo suspensão projetada e verificada em simulação dinâmica. O modelo conta, ainda, com capacidade para 32,5 toneladas por eixo e peso bruto máximo de 130 t. Para o presidente da AmstedMaxion, Ricardo Chuahy, o desenvolvimento do produto vem consolidar a posição da companhia na movimentação de cargas. “Somos uma empresa que busca sempre a melhor solução e, com este vagão, estamos ampliando as possibilidades no transporte de contêineres no Brasil”, salienta. O presidente da Brado Logística, José Luis Demeterco, anuncia que a companhia adquiriu 145 unidades do AmaxLong. As unidades serão entregues à empresa entre os meses de setembro e novembro deste ano. Sem revelar números consolidados da aquisição, o executivo conta que esta compra faz parte do plano de investimento da empresa orçado em R$ 1 bilhão para os próximos cinco anos. “Deste total, 80% serão aplicados na compra de locomotivas e vagões”, resume. Com a aquisição, a frota de vagões da Brado chega a 1.445 unidades. Demeterco afirma que o projeto do vagão, que contou com profissionais da AmstedMaxion, Brado e América Latina Logística – que possui 80% de participação no operador logístico –, buscou conciliar duas questões importantes para o desenvolvimento intermodal no Brasil. “Primeiro, aumentar a capacidade de atendimento ao nosso volume crescente com maior competitividade e produtividade com relação ao capital empregado, nos corredores que atendem aos terminais do Alto Taquari (MT), Campinas, Santos, Araraquara e Américo Brasiliense (SP)”, explica. No próximo ano, os novos vagões serão empregados na malha de Rondonópolis (MT). A compra chega para suportar o desempenho projetado. Números dão conta de que, atualmente, a Brado movimenta cerca de 80 mil contêineres entre cheios e vazios por ano e a meta é chegar a 2016 operando 500 mil unidades, com market share de 11% na malha ferroviária.