Quarta-feira, 15 de maio de 2013 - 10h52
Novidades no Tecon Rio Grande
Wilson Sons revela que adquiriu seis RTGs e inicia projeto de conteinerização de soja para exportação
O Tecon Rio Grande, terminal de contêineres do Porto do Rio Grande (RS), administrado pelo Grupo Wilson Sons, deu início às operações de seus novos equipamentos para movimentação de contêineres. Os seis Rubber Tyred Gantry Cranes (RTGs) , com capacidade para 40 toneladas cada um, são resultado de um investimento de US$ 7,5 milhões, que contou com uma linha de financiamento do Finame. Os equipamentos foram encomendados, no fim de 2011, à construtora chinesa ZPMC, a mesma fabricante dos portêineres utilizados no terminal, e chegaram ao Tecon em abril passado. Entre os benefícios trazidos pelos novos RTGs, estão o maior aproveitamento da área do pátio, já que os equipamentos permitem reduzir a largura dos corredores entre os contêineres e aumentar a altura de cada pilha, e mais agilidade na movimentação das cargas. Além disso, haverá redução no consumo de óleo diesel e na emissão de gases de efeito estufa, já que os seis RTGs substituem 18 reach stackers que faziam o trabalho anteriormente.  Embarque de soja O Tecon informa também que iniciou, em maio, o projeto para conteinerização de novas cargas. A primeira etapa consiste no embarque para o mercado asiático de 56 contêineres de soja, grão que antes era exportado apenas em navios graneleiros. A carga foi dividida em dois lotes de diferentes exportadores.

Para realizar o embarque, o Tecon possui duas opções. Uma estufando o contêiner na origem, com utilização do transporte ferroviário da Brado Logística até o terminal, e a outra trazendo a soja por rodovia e fazendo a estufagem na sua retroárea, valendo-se do trabalho da empresa Vanzin Serviços Aduaneiros.O Tecon Rio Grande, terminal de contêineres do Porto de Rio Grande (RS), administrado pelo Grupo Wilson Sons, deu inicio às operações de seus novos equipamentos para movimentação de contêineres. Os seis Rubber Tyred Gantry Cranes (RTGs), com capacidade para 40 toneladas cada um, são resultado de um investimento de US$ 7,5 milhões. Foram encomendados, no final de 2011, à construtora chinesa ZPMC, a mesma fabricante dos portêineres utilizados no terminal, e chegaram no Tecon em abril passado.

Entre as vantagens dos novos RTGs estão o maior aproveitamento da área do pátio, já que os equipamentos permitem reduzir a largura dos corredores entre os contêineres e aumentar a altura de cada pilha, e mais na agilidade na movimentação das cargas. Além disso, haverá redução no consumo de óleo diesel e na emissão de gases de efeito estufa, já que os seis RTGs substituem 18 reach stackers que faziam o trabalho anteriormente. Para esse investimento a Wilson Sons revela que contou com uma linha de financiamento do Finame.

Embarque de soja

O Tecon revela, também, que inicia, em maio, o projeto para conteinerização de novas cargas. A primeira etapa consiste no embarque para o mercado asiático de 56 contêineres de soja, que eram antes exportadas apenas em navios graneleiros. A carga foi dividida em dois lotes de diferentes exportadores. O primeiro, de 11 contêineres, segue no navio Maullin, pelo armador CMA – CGM, enquanto o segundo, de 45 contêineres, vai pelo navio Aliança Urca, pela Maersk.

Para realizar o embarque desta carga, o Tecon possui duas opções logísticas. Uma estufando o contêiner na origem, com utilização do transporte ferroviário da Brado Logística até o terminal, e a outra estufando os contêineres na retroárea, utilizando os serviços da empresa Vanzin Serviços Aduaneiros.