Sexta-feira, 4 de outubro de 2013 - 12h33
JBS e Simarelli adquirem caminhões Volvo
Empresas renovam suas frotas com veículos da marca sueca

O Grupo JBS, companhia que atua nos setores de alimentos, couro, biodiesel, colágeno, embalagens metálicas e produtos de limpeza, e a Simarelli, transportadora especializada na movimentação de combustíveis, investiram na compra de veículos Volvo para renovar suas respectivas frotas.

Simarelli-1

A JBS adquiriu 117 ativos da marca sueca, sendo 97 unidades do modelo FH 420 6x2 e outras 20 do FH 540 6x4 com a caixa de câmbio eletrônica I-Shift. Os novos veículos serão usados no transporte de contêineres a partir do Porto de Santos com destino aos frigoríficos do grupo espalhados por todo o país.

De acordo com o diretor Comercial de Compra e Venda de Ativos da JBS, Armando Volpe, os caminhões adquiridos chegam para substituir veículos de potência menor. “Estimamos um ganho de 20% na produtividade”, projeta o executivo. A troca favorece também a manutenção da idade média da frota da companhia, de três anos.

Já a Simarelli investiu na renovação de quase metade de sua frota, composta por 120 veículos, ao comprar 51 caminhões, sendo 50 do modelo FH 540 6x4 e um FM-11 370 4x2, todos equipados com o câmbio I-Shift. Eles serão aplicados pela transportadora em todo o território nacional, tendo como rota principal o trecho entre as cidades de Paulínia (SP) e Cuiabá.

O proprietário da empresa, Carlos Simarelli, destaca que o sucesso da negociação se deu em virtude de testes realizados com veículos concorrentes para obervar o rendimento dos ativos. “Num raio de 1.500 km, houve uma redução de quatro horas no percurso com os caminhões Volvo”, explica. Além disso, o executivo fez uma visita à fábrica da montadora, em Curitiba, para conhecer a estrutura e assistir a testes de segurança.

Ambas as empresas adquiriram os ativos junto à rede de concessionárias Auto Sueco São Paulo, empresa pertencente ao grupo português Nors, que atua em 14 países na América do Norte, América Central, Europa e África, além do Brasil, onde está presente desde 2007. Os valores envolvidos nas negociações não foram revelados.