Sexta-feira, 4 de julho de 2014 - 11h48
Ações nos Portos do Paraná aumentam a produtividade
Antonina tem seu calado ampliado; em Paranaguá, terminal de fertilizantes agrega novo guindaste

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) publicou, na última semana de junho, uma nova ordem de serviço que aumentou a profundidade para as operações portuárias em Antonina. A partir de agora, os navios podem atracar com 7,80 metros, 30 centímetros a mais do que era permitido. Na prática, a medida permite que as embarcações carreguem 1.500 toneladas a mais de produtos.

De acordo com o superintendente da Appa, Luiz Henrique Dividino, o trabalho de dragagem vem sendo realizada em todo o canal de acesso. “Desde maio, a draga tem trabalhado no canal de Antonina e conseguimos recuperar parte da profundidade. O trabalho ainda está em andamento e nosso intuito é, em breve, melhorar ainda mais as condições de atracação em Antonina”, diz.

Outra medida anunciada pela mesma Ordem de Serviço é o aumento do comprimento dos navios permitidos na área de fundeio número três, que também atende ao Porto de Antonina. Agora, navios com até 200 m de comprimento podem chegar até a bacia de evolução. Antes, o limite era para embarcações de até 180 metros.

O berço interno utilizado pela Cattalini também teve a profundidade aumentada de 7 para 8 m. Com isso, as embarcações que utilizam o berço poderão carregar até 4 mil toneladas a mais de produtos.

Equipamento

Já em Paranaguá, a Fospar, empresa que movimenta fertilizantes pelo berço 200 do porto, opera o novo guindaste, ampliando a capacidade de descarga dos produtos importados. O equipamento, que chegou no final de abril, demandou R$ 14 milhões em investimentos. Trata-se de um guindaste sobre pórtico Portal Harbour Crane (PHC) – Terex-Gottwald, modelo GHSK 4316B, com capacidade de içamento de 33,8 t de fertilizantes a um raio de operação de 32 m.

Nos primeiros cinco meses deste ano a Fospar descarregou 960 mil t de fertilizantes pelo Porto de Paranaguá. As principais origens do produto foram Estados Unidos e Canadá. Com a aplicação do novo equipamento, a expectativa, até o final de 2014, é movimentar cerca de 2 milhões de t.