Sexta-feira, 17 de abril de 2015 - 9h51
Hamburg Süd finaliza aquisição da CCNI e divulga novidades
Além da compra, empresa anuncia expansões nos serviços de cabotagem e transporte terrestre

A Hamburg Süd anunciou, durante a Intermodal 2015, que finalizou a aquisição das atividades de transporte marítimo de contêineres da Companhia Chilena de Navegação Interoceânica (CCNI), incluindo as relacionadas com agenciamento de carga da Agencias Universales (Agunsa), localizadas nas cidades chilenas de Valparaíso e Santiago.

A companhia de origem alemã continuará operando os negócios de transporte marítimo de contêineres da CCNI sob a já estabelecida marca chilena nos principais mercados entre a Costa Oeste da América do Sul, Ásia, Europa e América do Norte.Mas as novidades da companhia não param por aí. A Aliança Navegação e Logística, unidade de cabotagem da Hamburg Süd, passou a escalar em abril, como parte de seu plano de expansão, o Porto de Vila do Conde (PA). A ação visa atender a expansão do consumo da região, já que as cadeias logísticas atuais são totalmente dependentes do modal rodoviário.

O Porto de Vila do Conde está incluído no serviço denominado Anel 1, que conta com seis navios porta-contêineres, sendo quatro com capacidade para 3.800 contêineres e dois para 4.800, considerados os maiores em operação na cabotagem brasileira. As principais cargas movimentadas serão dos segmentos de alimentação, bebidas, higiene e limpeza, materiais de construção e siderúrgicos.

Essa é a rota da Aliança que oferece a maior capilaridade de atendimento, desde Rio Grande (RS) até Manaus. “Assim, poderemos atender o mercado paraense, além de conectar com os serviços do Mercosul e também com as Américas, Europa, Ásia e Oriente Médio na exportação e importação”, explica o gerente geral de cabotagem da Aliança, Gustavo Costa. “A inserção do modal cabotagem nestas cadeias logísticas só é possível com um serviço semanal e em dias fixos, que também permite a expansão do comércio exterior, com transbordo nos portos de Suape e Santos, conectando o Pará a todos os continentes”, afirma.

A reformulação do serviço segue o planejamento estratégico da empresa para a expansão da cabotagem na Região Norte. Segundo Julian Thomas, diretor-superintendente da Hamburg Süd, mesmo com todas as vantagens, o modal ainda não tem sua capacidade totalmente aproveitada. “A cabotagem precisaria ser pelo menos 15% mais barata que o modal rodoviário para se tornar mais interessante para o mercado”, diz.

A Aliança deve, agora, direcionar investimentos também para a infraestrutura operacional terrestre. Essa estratégia resultou, inclusive, na inauguração de uma nova filial da Aliança Transporte Multimodal (ATM) em Manaus. A estrutura é preparada para recebimento, armazenagem, paletização, consolidação, desconsolidação e entrega de cargas.

Com saídas semanais do porto de Itapoá (SC) para o porto de Manaus e vice-versa, a operação da ATM, em conjunto com a cabotagem da Aliança, agrega valor à logística já existente na região, servindo como ponto de distribuição e coleta do serviço de carga fracionada. Cargas de pequeno e médio volumes serão coletadas ou entregues na porta do cliente, a um custo logístico competitivo, com garantia de integridade da mercadoria, frequência de embarques e confiabilidade operacional.