Sexta-feira, 3 de julho de 2015 - 11h50
Viastore anuncia nova empresa voltada a softwares para intralogística
Companhia separa negócios de automação de armazéns e de softwares para atender melhor ao mercado

A Viastore Systems, uma das líderes mundiais em fornecimento de instalações de intralogística turn-key, anunciou para o mercado brasileiro, durante a CeMAT 2015, sua nova organização empresarial, em que os negócios de sistemas automatizados para armazéns e os de softwares para intralogística funcionarão em duas empresas separadas, respectivamente a Viastore Systems e a Viastore Software. A mudança já havia sido anunciada mundialmente, com a participação da Revista Tecnologística, em evento realizado na Alemanha no último dia 26 de junho, data em que a Viastore comemorou seus 125 anos.

Anteriormente, a empresa oferecia as soluções dentro de uma mesma estrutura, o que acabava limitando a oferta de softwares, uma vez que este negócio funcionava de forma acessória aos projetos de automação. Com a nova organização, a Viastore pretende dar novo impulso aos negócios com softwares, abrangendo inclusive empresas que não possuem nenhuma automação em seus armazéns.

“Antes, o foco era sempre nos projetos de automação e o software entrava de forma secundária. Agora, a história muda”, conta Paulo Franceschini, presidente da Viastore no Brasil. Ele explica que, anteriormente, com os dois negócios dentro da mesma estrutura, era difícil fazer crescer o negócio de software, já que todo o foco e mesmo as equipes centravam-se nos projetos de automação. “A Viastore entendeu que o mercado de software deveria ser atacado de forma diferenciada, dedicada, e viu que a melhor maneira era separar os negócios em estruturas diferentes, embora sob o mesmo guarda-chuva”, complementa, contando que o comando continua centralizado no CEO mundial Philipp Hahn-Woernle, na Alemanha, que tem agora dois COOs (chefes-executivos de operações) separados, dedicados a cada negócio, com orçamentos e objetivos diferentes.

Além das soluções de automação, como sistemas de separação de pedidos, de armazenamento automatizado/retirada e de mini-loads, a Viastore também oferece seu WMS Viadat, já há 25 anos no mercado e disponível em 16 idiomas, além de soluções de integração via SAP. Com a criação da nova empresa, a companhia passa a focar ainda mais na área de consultoria para a implementação de softwares e no acompanhamento dos usuários de forma mais direcionada.

A Viastore é uma grande integradora de soluções SAP no mundo todo. O Viadat foi, segundo a empresa, o primeiro sistema automático de armazenagem reproduzido completamente em SAP. De acordo com Franceschini, este negócio ainda não está disponível no Brasil, devendo desembarcar aqui em meados de 2016.

Para o executivo, a nova organização oferece muitas vantagens. Uma delas é a possibilidade de cross-selling, a venda cruzada. “Um cliente de automação pode acabar adquirindo um software e vice-versa, ou seja, um cliente da área de software pode evoluir sua intralogística até chegar aos sistemas totalmente automatizados, tudo dentro de um mesmo fornecedor. Além disso – e esta é a grande mudança – a Viastore poderá atuar em empresas que não possuem nenhuma automação, o que antes não ocorria. Os softwares podem ser aplicados em armazéns tradicionais. Eles já estavam preparados para isso, só que antes este não era o foco da empresa, que agora passa a atacar também este mercado”, explica.

Franceschini coloca que, como a filial brasileira é recente – foi criada em 2012 – ela foi a primeira que já começou operando dentro do novo conceito. “Embora eu seja o responsável pelas duas áreas, temos estrutura e equipes separadas, que antes chamávamos de software e hardware. Inclusive, nosso primeiro projeto no país, no Aeroporto de Viracopos, é 100% software. Não tem nada da parte de automação”.

Ele vê muitas possibilidades de novos negócios em armazéns convencionais, que é um mercado muito forte fora da Europa, principalmente nos Estados Unidos e na América Latina. “Se olharmos para o mercado de intralogística no Brasil, a automação de armazéns ainda é muito incipiente. Aqui ainda existem muitas empresas que operam no papel, a grande demanda é voltada aos softwares e é por isso que, desde a definição do business case da Viastore no Brasil, este já era um mercado a ser atacado”, revela.

A empresa está construindo, na Alemanha, um novo prédio separado para a unidade de softwares, para acomodar a equipe que hoje já gira em torno de 200 funcionários. Ao todo, a Viastore tem hoje cerca de 500 colaboradores. “Então não é uma empresa que nasce do zero. Ela já nasce rodando, com negócios instalados, com estrutura, equipe e, principalmente, com know-how no negócio”.

Franceschini não sabe especificar o quanto foi investido na nova empresa, mas acredita que não foi muito em termos financeiros, pois se trata mais de uma mudança interna. “O budget específico é baixo, mas se olharmos o projeto, ele já derivou em diversas ações que devem gerar frutos em breve”, finaliza.