Terça-feira, 10 de setembro de 2019 - 14h49
Carteira de empreendimentos administrados pela Retha soma mais de 1,6 milhão de m²
Quase 725 mil m² estão situados na Região Metropolitana de São Paulo

A Retha Imóveis, companhia que atua no segmento de condomínios industriais e logísticos, divulgou um balanço de suas operações nos seis primeiros meses deste ano. A companhia encerrou o período com mais de 1,6 milhão de m² administrados em empreendimentos.

A maior concentração de está localizada em municípios da região oeste do estado de São Paulo, próximos às rodovias Castello Branco e Raposo Tavares e nas proximidades do Rodoanel, mas a capilaridade dos condomínios administrados pela Retha chega até Betim (MG) e Recife.

“Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar que envolve nosso time de arquitetos, engenheiros, advogados, marketing e administração, para sermos os olhos do dono no empreendimento. Cuidamos de todas as licenças, contratos, contratação de terceiros e instalações, sempre com o objetivo de manter o imóvel valorizado para o proprietário e o preço atrativo para o locatário, diminuindo a vacância”, diz Marino Mario da Silva, diretor-presidente da Retha.

Divulgação

O Santana Business Park, por exemplo, localizado em Santana do Parnaíba, apresenta 30.011,88 m² e uma taxa de vacância de 18,91%. O One Park, por sua vez, localizado em Ribeirão Pires, tem área total de 82.810,00 m² e está 100% locado. O DVR Itapevi possui 19.558,50 m² e taxa de vacância de 33,20 %. O Gran Floridian Jaguariúna tem 36.049,21 m² e 41% de vacância. Por fim, o Centro Logístico Cajamar apresenta 576.512,54 m² e uma taxa de vacância de 14,97 %.

Outra especialidade da Retha é o gerenciamento de obra. Em muitos empreendimentos, a empresa atua desde a escolha do terreno até o projeto construtivo e acompanha a construção, etapa por etapa, cuidando para que cada centavo investido na obra represente custos menores de uso e de manutenção ao longo do tempo. “Nossos projetos são concebidos no conceito de manutenção inteligente, que evita o desgaste do imóvel em caso de reforma. Não gostamos de desperdiçar recursos nem do cliente, nem da natureza”, completa Silva.