Quarta-feira, 16 de outubro de 2019 - 11h12
Paletrans e Translift anunciam acordo e desenvolvem equipamentos autônomos
AGV Empilhadeira e AGV Selecionadora de Pedidos têm fabricação e pós-venda totalmente nacionalizados

A Paletrans Empilhadeiras e a Translift fecharam um acordo e lançaram duas soluções com o objetivo de reforçar a presença no ambiente da Intralogística 4.0. As novidades são o AGV Empilhadeira e o AGV Selecionadora de Pedidos, ambas com capacidades para 1.700 kg, com fabricação e pós-venda totalmente nacionalizados.

A ideia foi unir a expertise da Paletrans na fabricação de empilhadeiras e selecionadoras de pedidos e da Translift em sistemas inteligentes autônomos a fim de impulsionar os negócios e prover soluções de alta tecnologia, conectividade, produtividade e segurança. Com desenvolvimento local, será possível atender aos diferentes projetos em menor tempo, maximizando os resultados dos clientes.

“Queremos oferecer o que há de melhor e mais avançado da tecnologia 4.0, garantindo aos nossos clientes elevado nível de serviço e uma rede de assistência técnica em mais de 100 grandes polos do Brasil”, diz o CEO da Paletrans Equipamentos, Denis Dutra. O executivo completa dizendo que a proposta de valor inclui flexibilidade de customização do produto e melhor custo operacional, com nível de confiabilidade de padrão mundial.

Dutra afirma que o setor de movimentação de materiais vem cada vez mais abraçando a automação para alcançar maior controle das operações, apoiado pela inteligência artificial, aplicativos que permitem conectividade entre sistemas, análise de milhares de dados e outras novidades. Segundo ele, é nesse contexto que os novos equipamentos do portfólio da Paletrans serão desenvolvidos, para superar as expectativa dos clientes.

“E a parceria da Paletrans junto à Translift vem revolucionar o mercado de soluções automatizadas e sustentáveis para operações de intralogística com produtos inovadores, serviço de alta qualidade e a tradição das marcas envolvidas”, destaca Dutra.

Performance

Divulgação

Os equipamentos da Paletrans que ganharam dispositivos para se tornar autônomos são a empilhadeira retrátil PR17 e a selecionadora de pedidos SP25H. Ao se tornarem AGVs,  a produtividade dos equipamentos dá um salto qualitativo, pois poderão operar 24 horas por dia, sete dias por semana, por mais complexos que se apresentem os fluxos de produção.

De acordo com o CEO da Translift, Jair Alves, responsável por todo o projeto de inteligência dos novos AGV Empilhadeira e AGV Selecionadora de Pedidos, são inúmeras as vantagens de tornar esses equipamentos autônomos. “Além do fim da necessidade de operador, outro ganho é que os veículos autônomos permitem o trabalho em ambientes insalubres, como câmaras de congelados, proporcionando maior versatilidade nas operações. O retorno sobre o investimento é relativamente curto, em torno de dois anos.”

A Translift, que já desenvolve veículos autônomos para montadoras do setor automotivo, recentemente anunciou o lançamento de AGVs compactos para aplicação nos setores de e-commerce, cosmético, farmacêutico e encomendas expressas. A companhia vem direcionando seus esforços para que a tecnologia seja mais acessível ao mercado brasileiro. Alves destaca que a flexibilidade oferecida por um sistema de AGVs amplia as possibilidades de operação e conectividade entre sistemas, mostrando-se uma tecnologia renovável e dinâmica.

Divulgação

“Temos com foco a inovação e oferecer soluções viáveis ao mercado, com o estado da arte da conectividade que chegou com a Indústria 4.0. Unimos equipamentos e softwares de maneira única, como nessa parceria com a Paletrans, para proporcionar aumento da produtividade, segurança e derrubando mitos sobre os AGVs”, ressalta o executivo.

Somado à visão de entregar a melhor solução e experiência para o cliente, a Paletrans também vai oferecer um sistema de monitoramento de frotas, parte do Programa Full Service Paletrans, por meio do qual a frota será monitorada de forma permanente. O objetivo será prever manutenções, prover orientação sobre produtividade na operação, realizar remotamente o autodiagnóstico e dar suporte à manutenção.

“Os próximos passos de evolução tecnológica de equipamentos de movimentação de materiais serão a aplicação de sistemas de realidade aumentada e inteligência artificial, para melhorar ainda mais a experiência do cliente”, diz Dutra. “Estamos focados em entregar cada vez mais a um custo mais competitivo.”