Terça-feira, 3 de dezembro de 2019 - 10h39
Grupo Wilson Sons passa a figurar como mantenedor do Cubo Itaú
Objetivo é trazer, além de tecnologias específicas no segmento de logística marítima e portuária, novos processos de gestão e modelos de negócio

O Grupo Wilson Sons é o mais novo participante do Cubo Itaú, hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico. O objetivo da companhia com a iniciativa é promover o ecossistema de inovação e o desenvolvimento de novas tecnologias para o setor.

Segundo o CEO do Grupo, Cezar Baião, a capacidade de reinvenção faz parte do DNA da companhia. “Ao longo dos seus 182 anos de história, a Wilson Sons sempre se antecipou às mudanças e criou soluções que contribuíram com o desenvolvimento do nosso país”, diz.

A Wilson Sons passa a integrar o andar dedicado à logística e mobilidade. A companhia tem quatro cadeiras fixas no espaço e um profissional que ficará à frente do desenvolvimento tecnológico junto às startups, promovendo conexões para troca de conhecimento e geração de negócios.

“O transporte aquaviário é um dos setores comerciais mais estratégicos do Brasil. E ter no Cubo a maior operadora nacional de serviços portuários, marítimos e logísticos, vai ser uma excelente oportunidade para o crescimento desse segmento, que pode contribuir de forma tão significativa para o país”, afirma o co-head do Cubo Itaú, Pedro Prates.

O executivo comenta, ainda, que será uma oportunidade para conexão com startups maduras em mais de 15 segmentos de atuação. “Tenho certeza que ter a Wilson Sons no nosso grupo de mantenedores vai possibilitar um ambiente de troca, conexão e aprendizado, contribuindo para a transformação cultural que incentivamos a cada dia”, completa.

Já o gerente de Estratégia e Inovação da Wilson Sons, Eduardo Valença, pontua que a participação no Cubo Itaú viabilizará também o contato com inovações que podem contribuir para as mais diversas áreas do grupo. “É um ambiente de conexão entre empreendedores, grandes empresas e pesquisadores. Além de tecnologias específicas no segmento de logística marítima e portuária, temos a possibilidade de trazer para a companhia novos processos de gestão, modelos de negócio, entre outras soluções”, explica.