Quinta-feira, 12 de dezembro de 2019 - 12h32
Terminal de cargas da Gru Airport recebe certificação Ceiv Pharma
Concessionária tem investido na adequação e na modernização da estrutura

O Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, acaba de receber da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) a certificação global Ceiv (Centre of Excellence for Independent Validators) Pharma, que atesta os mais altos índices de segurança, conformidade e eficiência em instalações, equipamentos, operações e profissionais relacionados ao setor farmacêutico mundial.

De acordo com a concessionária Gru Airport, responsável por todo o completo aeroportuário, a conquista do Ceiv Pharma é resultado de sucessivos investimentos em modernização e adequação das estruturas do terminal de cargas. “São mais de R$ 45 milhões investidos desde 2012, quando iniciamos a operação do terminal de cargas (Teca)”, pontua Mônica Lamas, diretora Comercial e de Cargas da companhia.

“O transporte aéreo de produtos da indústria farmacêutica precisa trabalhar com métodos logísticos complexos para manter a integridade dessas cargas, que são sensíveis ao tempo e variação de temperatura, e por isso demandam equipamentos específicos, instalações de armazenamento, procedimentos harmonizados e, acima de tudo, uma forte cooperação entre os todos os parceiros da cadeia fria para superar grandes desafios, como treinamento insuficiente, infraestrutura inadequada e excesso de regulações”, explica Dany Oliveira, diretor geral da Iata no Brasil. O executivo comenta ainda que as perdas anuais de produtos sensíveis à temperatura durante o transporte podem chegar a mais de US$ 12 bilhões.

Divulgação

Em sete anos de contrato, o Teca de Guarulhos avançou em diferentes segmentos do transporte aéreo e, atualmente, é o principal do país em tonelagem. No primeiro semestre deste ano, 42% de todo volume de importação e exportação foi processado no complexo logístico do Aeroporto Internacional de São Paulo. Desse volume, 45% corresponderam a cargas farmacêuticas, 64% ao segmento automotivo e 61% ao têxtil.

Para Mônica, a expectativa é que o selo internacional influencie positivamente em toda a cadeia da indústria nacional de farmacêuticos. “O transporte de cadeia fria com padrão internacional é essencial para preservar a propriedade da carga de medicamentos de diferentes categorias e, como consequência, influencia os custos logísticos e operacionais de armazenagem e transporte terrestre, que chegam a ser embutidos no valor final repassado ao consumidor”, analisa.

Atualmente, o terminal de cargas do Aeroporto Internacional de São Paulo atende às principais distribuidoras e indústrias de medicamentos do Brasil e do mundo, como Abbott, Bayer, Ceva, DB Schenker, DHL, DSV, Panalpina, Janssen, Kuehne + Nagel, Medley e Pfizer.

Nos últimos anos, a Gru Airport realizou melhorias operacionais e de infraestrutura, adiantando-se às exigências do setor de transporte de cargas. Os investimentos no Teca já proporcionaram o aumento de 76% na capacidade de armazenagem. O aeroporto investe também na automação dos processos, melhorando a eficiência dos prazos médios de desembaraço e a oferta de serviços de valor agregado para seus clientes.