Sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 - 17h03
Universidade inglesa e Minfra estabelecem acordo para desenvolver a ferrovia no Brasil
Especialistas da Universidade de Birmingham trabalharão em conjunto com o ministério

A Universidade de Birmingham, na Inglaterra, e o Ministério da Infraestrutura (Minfra) do Brasil assinaram um memorando de entendimento para o desenvolvimento conjunto de programas avançados de pesquisa e educação para apoiar o Brasil na revisão de sua rede ferroviária.

“A Universidade de Birmingham é líder global em pesquisa e inovação ferroviária. A assinatura deste memorando reforça nossos vínculos com o Minfra e com o Instituto Nacional de Pesquisas Ferroviárias, e esperamos contribuir para o desenvolvimento da educação e pesquisa ferroviária no Brasil”, diz o professor Clive Roberts, diretor do Centro de Pesquisa e Educação Ferroviária de Birmingham (BCRRE).

O BCRRE é um centro internacional de pesquisa e ensino com fortes vínculos internacionais, incluindo Cingapura, China, Índia, Malásia, Tailândia, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos. Até o momento, mais de mil estudantes de mais de 40 países, incluindo Brasil, Peru e Argentina, concluíram seus programas educacionais.

“Usando os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos, governos e empresas podem transformar as ferrovias com uma relação custo-benefício muito melhor, melhorando sua capacidade e eficiência no transporte de pessoas e mercadorias para apoiar o crescimento econômico”, acrescenta Roberts.

O BCRRE também está na vanguarda da Rede de Inovação em Pesquisa Ferroviária do Reino Unido (UKRRIN), uma iniciativa de 92 milhões de libras para a próxima geração de pesquisa aplicada em engenharia e tecnologia ferroviária. Como parte da UKRRIN, o Centro Nacional de Excelência para Sistemas Digitais será aberto no próximo ano na Universidade de Birmingham.

“O Brasil possui um dos maiores programas de concessão de ativos de infraestrutura de transporte do mundo. No setor ferroviário, estamos promovendo uma revolução. O Minfra tem uma estratégia clara. Nós desejamos equilibrar nossa matriz de transporte de cargas, expandindo a participação de ferrovias e cabotagens”, explica Rodrigo Cruz, secretário executivo adjunto do ministério.

Roberts, da Universidade de Birmingham, e Cruz, do Minfra

O país está investindo mais de US $ 15 bilhões em suas ferrovias em 11 grandes projetos, incluindo a construção das seções restantes do corredor Norte-Sul, que conectará Itaqui e Santos, dois dos principais portos do país. “Celebrar uma parceria entre o ministério e a Universidade de Birmingham, um dos principais centros mundiais de pesquisa e desenvolvimento de soluções para o setor ferroviário, está alinhado ao nosso plano de fornecer ao país uma infraestrutura de qualidade em sintonia com as soluções mais atualizadas do mundo”, completa Cruz.

“Birmingham é uma universidade cívica global e temos orgulho de nossos fortes vínculos com instituições brasileiras, seja por meio de bolsas de estudo ou colaborações acadêmicas. As ferrovias estão crescendo rapidamente e, graças à nossa experiência neste setor, a universidade está bem posicionada para ajudar o Brasil a adotar novas tecnologias, pois conduz suas ferrovias em direção a um futuro sustentável”, finaliza o vice-chanceler internacional, professor Robin Mason.