Sexta-feira, 20 de março de 2020 - 12h54
DSV Brasil adota sistema de gestão baseado em Business Intelligence
DSV Brasil adota sistema de gestão baseado em Business Intelligence

A DSV Brasil investiu na automatização de seus processos e adotou um sistema com base no conceito de Business Intelligence (BI) que coleta, analisa, gerencia e distribui dados das operações de forma rápida, segura e objetiva, encurtando caminhos e diminuindo eventuais falhas no processo. A meta com a aplicação de ferramentas é minimizar possíveis quebras operacionais devido ao aumento da complexidade na cadeia de distribuição de produtos e serviços em função da variedade de canais.

O diretor geral da DSV Brasil, Gustavo Silva, explica o motivo de a empresa apostar na BI. “Com essa tecnologia, vários processos diários das nossas operações de importação ou exportação, como controle e gerenciamento de embarques, que antes eram mais robustos, agora são automatizados e com uma interface mais amigável, o que garante mais agilidade, confiabilidade e segurança à operação como um todo”, afirma.

Ainda segundo o executivo, outro diferencial da ferramenta é o monitoramento unitizado de cargas e produtos onde quer que estejam, no Brasil ou no mundo.  “Até então, era possível realizar apenas o gerenciamento de embarque como um todo, tendo acesso somente a informações como o dia do embarque e o volume transportado. Agora, com o nosso sistema, é possível acompanhar a trajetória de cada carga até o destino final”, explica. Entre as funcionalidades, destaque para a possibilidade de saber onde o item está naquele exato momento – em qual embarcação, avião ou caminhão –, se está dentro do prazo e qual a previsão de chegada ao destino.

Silva ainda ressalta que outra vantagem está no fato de ser uma ferramenta com uma linguagem clara, objetiva e de fácil utilização. “Este é um projeto piloto, ainda em fase de implantação na companhia, mas que tem como objetivo principal trazer ao mercado soluções de gestão sistêmica, totalmente automatizadas, que proporcionem não apenas mais agilidade, mas também mais simplicidade à forma como os processos do setor são feitos no Brasil”, pontua. Isso porque, ele completa, hoje a maior dificuldade do segmento de transporte de cargas é a complexidade que possui, já que ainda é uma área muito técnica, com informações muito específicas.

Na opinião do diretor geral da DSV Brasil, os profissionais de comércio exterior precisam entender os processos e a linguagem que se utiliza nesse meio. “Os clientes querem e precisam que as informações cheguem até eles de forma simples, de fácil entendimento, pois possuem muitas outras coisas para se preocupar e administrar em paralelo, e agora eles as têm”, frisa Silva.