Sexta-feira, 19 de junho de 2020 - 10h50
DHL lança estudo sobre evolução das redes sem fio e o futuro da Internet das Coisas
Next-Generation Wireless in Logistics resume as perspectivas do setor e traz os números mais recentes

A DHL lançou o Next-Generation Wireless in Logistics, estudo que oferece uma visão sobre a evolução das redes sem fio e o futuro da Internet das Coisas (IoT) no setor de logística. O relatório resume as perspectivas do segmento e os números mais recentes, abrindo caminho para um entendimento comum das diferentes tecnologias sem fio, apresentando exemplos e prevendo possibilidades futuras para as redes de última geração.

A análise aponta que grande parte do interesse recente se concentrou nas redes de dados móveis 5G, que já estão sendo implementadas em muitos países. A tecnologia promete uma série de benefícios que se estenderão para usuários finais, empresas e operadores de sistemas de telecomunicações, como velocidades mais altas, mais capacidade de operação e serviços personalizados para uma nova geração de dispositivos inteligentes conectados.

Além do 5G, os avanços em diferentes tecnologias de comunicação sem fio estão criando oportunidades para o setor de logística aprimorar os níveis de visibilidade, aumentar a eficiência operacional e acelerar a automação. Aquelas já conhecidas, como o wi-fi e o bluetooth, e tecnologias menos conhecidas, como as redes de longa distância de baixa potência (LPWan) e os satélites de baixa órbita terrestre (LEO), foram aprimoradas.

Cenário e demandas

Em uma pesquisa recente com 800 líderes de supply chain, realizada pela DHL, 60% dos entrevistados afirmaram que a visibilidade deles sobre a cadeia de suprimentos no momento é insuficiente. Os três principais desafios para os entrevistados são alcançar uma verdadeira visibilidade de ponta a ponta, a falta de uma única plataforma centralizada para impulsionar as iniciativas de IoT e a coleta fragmentada de dados de cadeias de suprimentos inerentemente heterogêneas.

As três principais prioridades identificadas para moldar as estratégias nessa área são visibilidade de ponta a ponta sobre o transporte, visibilidade sobre o estoque e a implementação de soluções analíticas sobre os dados de supply chain. Já 75% dos entrevistados afirmaram que pretendem implementar pelo menos uma tecnologia de rede sem fio de última geração no futuro próximo para cumprir suas metas de visibilidade.

“Após ter transformado as indústrias que contam com menos ativos em sua estrutura (asset-light industries), a revolução digital agora está mudando rapidamente as indústrias com mais com ativos físicos (asset-heavy industries) – desde fabricantes de automóveis e empresas de manufatura até prestadores de serviços da área da saúde”, diz o vice-presidente de Pesquisas de Inovações e Tendências da DHL Customer Solutions & Innovation, Markus Kückelhaus.

Para ele, o setor de logística será tanto um dos principais beneficiários da revolução digital habilitada para a IoT, quanto um grande facilitador dessa tendência. “Embora algumas partes da logística já sejam permeadas por dispositivos inteligentes e conectadas, as redes sem fio de última geração deverão dar início à próxima onda de IoT no setor”, aposta Kückelhaus.

Outros pontos chamam atenção, como a visibilidade total, a autonomia em larga escala e a previsão perfeita. No primeiro, todas as remessas, os ativos de logística, a infraestrutura e as instalações físicas estarão conectados graças a redes amplamente disponíveis e sensores de baixo custo e alto desempenho. Já a autonomia em larga escala possibilitará que todos os veículos autônomos, sejam robôs internos ou veículos de logística que rodam nas vias públicas, contem com uma comunicação sem fio ultrarrápida e confiável para navegar e percorrer seus universos de maneira eficaz.

Para finalizar, a previsão perfeita ganha destaque. Isso porque, com tantas coisas online, o volume, a velocidade e a variedade de dados que coletamos triplicarão o big data que já é gerado atualmente. O progresso contínuo dos sistemas de aprendizado de máquina e da inteligência artificial, combinado com a latência ultrabaixa das redes sem fio de última geração, indicam que os sistemas de previsão baseados em dados com foco no tempo de entrega e no roteamento poderão não ficar mais limitados pela latência e o desempenho das redes sem fio.

“Nosso relatório de tendências ilustra cada uma dessas tecnologias de redes sem fio de última geração, descrevendo-as e comparando-as entre si, pontuando suas limitações e aplicações práticas. Além disso, destacamos como o potencial associado a essas tecnologias está rapidamente se tornando uma parte fundamental da cadeia de suprimentos do futuro”, diz o vice-presidente sênior de Inovação e Desenvolvimento Comercial da DHL, Matthias Heutger.

O estudo da DHL inclui, ainda, uma seção sobre como funcionam as tecnologias sem fio mais recentes, além de destacar alguns projetos em andamento no setor e fornecer diretrizes de implementação para as organizações de supply chain.