Quarta-feira, 15 de julho de 2020 - 10h52
Petronas lança linha de lubrificantes pra veículos comerciais
Urania com a tecnologia StrongTech e chega com a meta de gerar mais confiabilidade ao motor e eficiência operacional
Divulgação

A Petronas Lubrificantes do Brasil lança o Petronas Urania com tecnologia StrongTech, uma nova linha de lubrificantes para veículos comerciais desenvolvida com o objetivo de fornecer confiabilidade ao motor e mais eficiência operacional. Além disso, a empresa revela que a novidade foi preparada para permanecer mais forte por mais tempo, à medida que mudanças rápidas no ambiente operacional global aumentam as expectativas dos clientes de que os caminhões viajem mais em prazos mais curtos.

O diretor geral da Petronas no Brasil, Luiz Sabatino, avalia que o cenário global, aliado ao contexto pandêmico, justifica a busca por eficiência máxima em produtos e serviços que beneficiem a cadeia. “Globalmente, os motores de veículos comerciais enfrentam extrema pressão, já que caminhoneiros costumam fazer longas e perigosas viagens para garantir a entrega segura de mercadorias”, diz.

O executivo calcula que o investimento em lubrificantes representa em torno de 1% do custo total de manutenção. Porém, se a escolha do lubrificante for errada, poderá afetar de 30% a 35% do valor do custo de manutenção com troca de peças e reparos inesperados. “A nova linha Petronas Urania consiste em uma estratégia para garantir que o setor opere com força máxima, além de contribuir com o dia a dia dos caminhoneiros, aprimorando a performance do motor e conferindo menor consumo de combustível e desgaste do motor”, afirma Sabatino.

A companhia anuncia que o novo Petronas Urania com tecnologia StrongTech mantém todos os principais atributos da anterior ViscGuard, mas com outros benefícios, como mais eficiência na redução do consumo de combustível, mais força contra a formação de depósito e proteção das peças essenciais. “Ao permitir que as frotas operem com força máxima e ao melhorar a experiência para os motoristas, as empresas, por sua vez, obtêm maior lucratividade. Uma vez que se evitem imprevistos, o trabalho torna-se mais produtivo e confiável”, acrescenta Sabatino.