Quarta-feira, 18 de novembro de 2020 - 10h30
Cargolift emprega otimizador da Matrixcargo nas operações de transporte
Objetivo é automatizar os processos por meio de inteligência artificial; expectativa é que a plataforma gere ganho para embarcadores, transportadora e motoristas

A operadora logística Cargolift, responsável por cerca de 15 mil viagens mensais, firmou um acordo com a Matrixcargo e investiu em uma tecnologia a fim de otimizar seus resultados. A meta da iniciativa é automatizar processos por meio de inteligência artificial. O valor do negócio não pode ser divulgado.

“Nosso time viajou para o Vale do Silício (EUA), Europa e Israel, em busca de inspiração. Não encontramos nada parecido que reunisse todas as ferramentas que precisávamos, foi quando apostamos na Matrixcargo. Sempre pensamos de forma disruptiva e a parceria entre as empresas vai trazer muitos benefícios para ambas. Especialmente aos caminhoneiros, que terão o seu trabalho otimizado e poderão ganhar mais. Nosso objetivo é o ganha-ganha”, explica o CEO da Cargolift, Markenson Marques.

Neste primeiro momento, a Matrixcargo oferece o serviço Otimizador Matrix. Trata-se de um robô que interage com todas as áreas da operadora, gerando, segundo as companhias, agilidade e automação dos processos, além de desburocratizá-los.

“A expectativa é que a plataforma gere ganho para toda a cadeia, embarcadores, transportadores e motoristas. Esperamos reduzir em até 70% os custos com deslocamento vazio, aumentando a produtividade da frota própria e agregados, e em consequência proporcionar redução de custos para os nossos clientes”, diz o CCO da Cargolift, Marcos Rosa.

A gerente corporativa de Gente e Gestão da Cargolift, Natalia Anile Santos, diz que para lidar com o robô, e também fazê-lo aprender os dados da operadora logística, bem como do setor de transportes, a empresa precisou contratar profissionais que a companhia chamou de professores de robôs.

“Usamos este termo para descrever a atuação do nosso novo tipo de colaborador. Essas contratações vão ao encontro com a qualidade das informações que precisamos no sistema. O robô precisa entender o nosso processo, as nossas informações, então a gente busca profissionais e está desenvolvendo pessoas para que elas possam alimentar o sistema corretamente e ensinem o robô a expertise que reunimos ao longo de 26 anos para que ele possa atender às nossas necessidades”, conta.

Estrutura

O robô faz parte da central de controle operacional Matrix (CCO), inaugurada este mês na Cargolift. Além de acompanhar tudo que acontece em todas as suas viagens, a operadora consegue depurar milhares de dados em segundos.

De acordo com o gerente de projetos da Matrixcargo, Guttemberg Silva, o serviço já nasce com um grande know how em operações logísticas. Isso porque, garante, alia colaboradores experientes na área e uma das maiores operadoras logísticas da região sul à nova realidade do setor, que foi impulsionada pelas compras online, segundo.

“Para o cenário atual, em um momento onde as plataformas de e-commerce crescem vertiginosamente nesta nova realidade de pandemia, a Matrixcargo, por meio do Otimizador Matrix, traz ao mercado processos logísticos mais assertivos, reduzindo o número de veículos de carga em viagens vazias, maior aproveitamento das caixas de carga por veículo nas estradas e rotas inteligentes, reduzindo, assim, o número de quilômetros improdutivos”, salienta Silva.

O acordo entre a Cargolift e a Matrixcargo, neste primeiro momento, estabelece um projeto piloto, mas as empresas já vislumbram o lançamento de outros produtos. “A Matrixcargo possui um laboratório incrível com a parceria gerada com a Cargolift. Conseguimos validar nossas hipóteses em um ambiente real, gerando soluções que realmente geram impacto. E logo apresentaremos outros produtos ao setor logístico”, anuncia o CTO da Matrixcargo, Rodrigo Favero.

“As mudanças no setor logístico precisam ocorrer de forma colaborativa. Precisamos pensar em todos os envolvidos na cadeia, principalmente no caminhoneiro. Quando as outras ferramentas da Matrixcargo estiverem disponíveis, certamente será uma revolução no setor”, pontua Marques, CEO da Cargolift.