Terça-feira, 20 de abril de 2021 - 9h45
Raízen adquire 210 unidades dos modelos FMX e FH da Volvo
Veículos serão aplicados no transporte de cana picada nas operações realizadas no estado de São Paulo e Mato Grosso do Sul

A Raízen divulga que recebeu 210 unidades dos modelos FMX e FH da Volvo. Os caminhões já são aplicados nas operações de São Paulo e do Mato Grosso do Sul na safra de cana-de-açúcar 21/22, que começou agora em abril. Os veículos trabalham no transporte de cana picada, levando cargas da área de transbordo na lavoura até o local de moagem, dentro das instalações das usinas.

Nesse negócio, a Raízen optou por dividir o lote de 210 veículos entre locadoras e operadores logísticos. A empresa trabalha com o conceito de Custo Total de Propriedade (Total Cost of Ownership), que leva em consideração todos os custos relacionados ao produto em sua vida útil.

“Estamos somando o desempenho e a avançada tecnologia presentes em nossos veículos com a força e a expertise de um gigante do setor sucroalcooleiro”, diz o diretor executivo de caminhões da Volvo no Brasil, Alcides Cavalcanti.

Divulgação

Já o diretor de Suprimentos da Raízen, Henrique Nakamura, afirma que a empresa busca nos mais diversos fornecedores o que há de mais inovador no mercado e os estimula com o intuito de maximizar sinergias complementares ao negócio, uma vez que cada fornecedor da Raízen também é parte fundamental em toda a cadeia produtiva.

O fechamento deste novo negócio com a Raízen reforça, segundo a montadora, sua presença no setor. A marca tem atuação no segmento vocacional brasileiro, com caminhões destinados a operações mais severas, inclusive no setor sucroalcooleiro. Os veículos da Volvo estão presentes em todo o ciclo do setor de álcool e açúcar. É uma gama de modelos e especificações que garantem versatilidade e desempenho nesta atividade.

“As necessidades de transporte e a logística do setor sucroalcooleiro são complexas. Existem várias aplicações, cada qual com suas peculiaridades. Os modelos Volvo possibilitam diferentes especificações que, combinadas, atendem todas as necessidades”, afirma Cavalcanti.

A composição – caminhão e implemento – depende do tipo de cana-de-açúcar transportada (picada ou inteira) e da estrada onde vai trafegar. A escolha correta do modelo para cada tarefa é fundamental para obter o melhor desempenho do veículo, garantir maior produtividade e aumentar a rentabilidade da empresa.