Segunda-feira, 13 de novembro de 2006 - 17h19
Trust apresenta novo sistema gestor de frete

Tecnologia visa eliminar cobranças em duplicidade ou com valor incorreto

A Trust Consultores & Associados apresenta ao mercado um sistema de gestão de frete, o CTMS. O produto é destinado à aplicação em embarcadores que subcontratam o serviço. De acordo com o diretor de Negócios, Renato Ballaben, utilizam este produto empresas de bens manufaturados que contratam frete para entregar sua produção ao destino final ou para a compra de insumos. “Meus clientes somados, por exemplo, gastam R$ 2 bilhões por ano em frete. Em algumas situações o valor não é tão alto, mas o volume de transações sim, o que torna inviável o controle manual”, diz.

Ballaben explica o funcionamento do sistema. “O embarcador negocia com as transportadoras o frete baseado em variáveis e critérios, que o mercado costuma chamar de contratos de frete. Após essa negociação, os valores são colocados no CTMS como uma tabela, que contém todas as variáveis e todo algoritmo de cálculo de frete”, descreve.

São inúmeras as vantagens do sistema destacas pelo executivo. A utilização da ferramenta evita, por exemplo, a cobrança em duplicidade ou valor indevido. Além disso, aumenta o poder de negociação, uma vez que o embarcador terá acesso à informação de quanto o frete impacta em seu negócio, e diminui os gastos administrativos.

O executivo lembra, porém, que o CTMS deve estar integrado ao sistema corporativo das empresas. Isso porque a análise é realizada por meio dos documentos que a transportadora emite – conhecimentos de transporte e faturas de serviços. “O CTMS capta as informações e verifica se os valores combinados na negociação, presentes na tabela, são os mesmo emitidos nos documentos enviados pelas transportadoras”, explica.

Ballaben constata que, hoje, alguns embarcadores não conferem a cobrança e pagam o valor apresentado. “Eles consideram a operação concluída assim que o produto foi entregue”, lamenta. O executivo lembra, ainda, que muitos não têm ferramentas, pessoal e tempo para fazer a verificação dos valores. “Alguns conferem de forma manual, gerando trabalho e custo, além da possibilidade de falha humana e fraude. Outros embarcadores conferem os valores por amostragem”, informa.

Operação

A manipulação do sistema é simples e realizada por profissionais da área de logística ou de transporte. Eventualmente, um funcionário de vendas pode fazer a validação do serviço. “A quantidade de manipuladores tende a ser muito pequena, pois quem opera o sistema também negocia o frete e faz a validação”, destaca Ballaben.

A instalação também não demanda altos investimentos, já que requer uma infra-estrutura simples, normalmente já aplicadas nas empresas. “Instalamos o sistema no servidor central das empresas. A verificação dos dados pode ser realizada via rede ou web”, frisa. O diretor ressalta que é importante que todos os agentes estejam envolvidos no projeto, já que o CTMS proporciona e opera por meio da troca de informações entre a empresa contratante do frete e as transportadoras.

Utilização

O Grupo Equipav, empresa que atua nos segmentos de açúcar e álcool, agropecuária, argamassa, ambiental, concreto, concessão de rodovias, mineração, pavimentação e termelétrica, iniciou no último dia 06 de novembro a implantação do sistema CTMS.

O gerente de gerente de logística da Equipav, Wagner Masiero, garante que esta ação faz parte da estratégia da companhia para reestruturar toda a área de logística, com foco principal na gestão de fretes. “Somos responsáveis pela compra de insumos, matérias-primas e contratação de serviços logísticos, frete, armazenagem e movimentação”, frisa. Masiero conta que, antes da criação do departamento, a contratação do frete era efetivada por meio do sistema coorporativo da Equipav, o Ancora. Agora, este sistema ficará responsável apenas pela parte contábil, fiscal e financeira.

A previsão é de que o sistema CTMS entre em operação dia 1° de janeiro. “Estamos em processo de implantação, levantando dados e adequando a nova ferramenta ao nosso sistema coorporativo”, define. As previsões são otimistas. “Hoje, gastamos por ano R$ 40 milhões na contratação de frete. Com a utilização do CTMS pretendemos reduzir nosso custoem 5%”, calcula.

www.trust.com.br
www.grupoequipav.com.br