Sexta-feira, 13 de abril de 2012 - 11h30
Morada fará transporte de soja para Algar
Contrato de 12 meses tem como objetivo realizar operações logísticas com farelo de soja entre Uberlândia e o Porto de Santos

A processadora de soja Algar Agro fechou um contrato, na primeira quinzena de fevereiro de 2012 e válido por 12 meses, com a transportadora Morada Transportes. O acordo visa o carregamento de 70 mil toneladas de farelo de soja entre as cidades de Uberlândia (MG) e Santos (SP).

Trata-se do quinto contrato conquistado pela transportadora na área do agronegócio nos últimos seis meses. O diretor da empresa, Sérgio Magnani, acredita no potencial da companhia para elevar o volume anual transportado nesse segmento, atualmente de 63 mil toneladas. Para isso, a transportadora pretende investir cerca de R$ 15 milhões em novos equipamentos, entre caminhões e implementos.

Para Magnani, esse contrato é muito importante pois permitirá à empresa retornar a esse nicho após dez anos. “O contrato com a Algar Agro marca o retorno da Morada ao transporte de soja. O know-how no segmento foi adquirido há dez anos, período em que trabalhamos pela primeira vez com o produto. Hoje aperfeiçoamos esse conhecimento e apostamos no crescimento da participação da empresa neste transporte”, revela o executivo.

Atualmente a Morada realiza o transporte do farelo de soja recolhido nas cidades do triângulo mineiro para o porto de Santos. A vantagem para a empresa – que também transporta açúcar, suco de laranja, combustíveis e gases – é que a safra da soja ocorre num período marcado pela entresafra do açúcar e do suco de laranja, permitindo à transportadora empenhar toda sua frota na operação com a soja.

Atualmente a Morada Transportes atua com 550 funcionários diretos, 150 indiretos e 670 equipamentos. O faturamento da empresa nos últimos cinco anos, entre 2007 e 2011, foi de R$ 619 milhões e a projeção para o consolidado de 2012 é atingir a marca de R$ 175 milhões.

Com sede em Araraquara (SP), a transportadora ainda possui filiais em Americana, Cubatão, Nova Odessa e São José dos Campos (SP). Além disso, há também estruturas de apoio nas cidades de Bebedouro e Sarandi (PR).