Sexta-feira, 13 de abril de 2012 - 15h57
JSL investirá R$ 1 bi em frota e estrutura em 2012
Operador logístico destinará aporte à renovação da frota e ao Porto Seco Pernambuco

A JSL anunciou ontem, dia 13 de abril, em coletiva de imprensa realizada durante a 18ª edição da Intermodal South America, em São Paulo, planos de investimentos de cerca de R$ 1 bilhão para 2012, sendo a maior parte do valor destinado à frota da companhia.

Entre a renovação de ativos direcionados a contratos em andamento e a aquisição de equipamentos para atender novas operações previstas para o decorrer do ano, estão incluídos 16,9 mil itens – 13,4 mil veículos leves e 3,5 mil pesados, em sua maioria caminhões, cavalos mecânicos e carretas, mas também ônibus e máquinas.

Do total investido, R$ 420 milhões serão direcionados à renovação da frota de operações em andamento. Já para a compra de ativos direcionados a novos contratos, a JSL estima um aporte de R$ 590 milhões. Destes, R$ 130 milhões serão destinados a contratos fechados em 2011, mas que começam a operar este ano, e os demais R$ 460 milhões referem-se a acordos que a companhia espera fechar ao longo de 2012.

Segundo o presidente da JSL, Fernando Simões, a companhia procura atender todas as operações relativas a novos contratos com equipamentos zero-quilômetro, dedicados ao cliente até o final das atividades ou, em casos de contratos de longo prazo, por um período de renovação da frota acordado com a empresa parceira. Com esse modelo de negócios, a JSL mantém uma frota com idade média de um ano e meio para veículos leves e um ano e oito meses para caminhões, o que garante à companhia uma das frotas mais jovens do Brasil. De acordo com dados de 2011 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a idade média da frota de pesados no País é de 16,4 anos.

A JSL disponibiliza seus caminhões para a venda por meio de 12 lojas da rede de Seminovos JSL e das 30 lojas da Simpar Concessionárias. De acordo com Simões, desse modo a companhia contribui também para a renovação da frota nacional como um todo. “Colocamos à venda veículos com cerca de 30 meses, o que auxilia outras empresas a manter baixa a idade média de suas frotas também”, analisa.

Do total de veículos pesados que o operador logístico pretende adquirir em 2012, cerca de 820 serão adaptados para cargas com temperatura controlada e aplicados na frota da Schio, empresa adquirida pela JSL no final de 2011. Leia mais aqui. 75,5% dos pesados serão destinados à renovação da frota atual da Schio e os demais 24,5% serão adquiridos para expandir a frota atual, já incorporada à JSL, que conta atualmente com 31,4 mil ativos próprios, entre veículos leves e pesados.

Porto Seco Pernambuco

Além dos recursos destinados à frota, a JSL deve investir ainda na ampliação do Porto Seco Pernambuco. Fernando Simões aproveitou a ocasião para anunciar que a companhia vai transferir o recinto alfandegado localizado em Recife para o município de Cabo de Santo Agostinho (PE). O novo endereço está localizado ao lado de um dos centros de distribuição da Schio, o que possibilitará a formação de um complexo logístico mais próximo ao Porto de Suape, oferecendo serviços com produtos de temperatura controlada para mercadorias nacionalizadas no porto seco.

Com a mudança, que deve acontecer até o final de 2012, o Porto Seco Pernambuco praticamente triplica seu tamanho, passando de 52 mil m² para 140 mil m² de área. O novo espaço contará com um armazém alfandegado coberto de 30 mil m² (hoje são 12 mil m²) e pátio de contêineres de 40 mil m² (hoje 23 mil m²). A câmara fria do porto também cresce, passando dos 770 m² disponíveis atualmente para 16 mil m² de área alfandegada. “Estamos saindo de Recife e indo para uma área onde poderemos realizar serviços completos de logística de importação e exportação”, analisa o presidente da JSL.

Em 2011, o Porto Seco Pernambuco movimentou cerca de 407,7 mil toneladas de carga, um crescimento de 148% em relação a 2010. O faturamento do porto cresceu 68% no ano passado, alcançando R$ 27,7 milhões. Entre os principais produtos movimentados no recinto estão bebidas, alimentos, materiais para construção civil, equipamentos médico hospitalares e eletroeletrônicos, além de bens de consumo, carros, motos e motos aquáticas.