Quarta-feira, 1 de julho de 2020 - 11h25
ATP lança plataforma que reúne dados sobre o setor portuário privado brasileiro
Dataport compila todas as informações em um único lugar, para oferecer ao usuário um panorama do segmento

A Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) lança hoje, dia 1º de julho, o Dataport, um banco de dados que reúne números e estatísticas do setor portuário privado brasileiro em uma única plataforma online. O objetivo é oferecer mais facilidade na busca pelas principais informações sobre logística e investimentos nos portos nacionais. A ferramenta de pesquisa tem fácil navegação e está à disposição da sociedade no site da associação.

O novo banco de dados da ATP possui visualizações interativas e recursos de business intelligence com uma interface simples e funcional. Um dos grandes diferenciais da ferramenta é incluir dados de investimentos e estruturas dos terminais de uso privado (TUPs), como áreas, acesso e calado, em suas diversas instalações pelo país.

“Temos um grande volume de dados do setor que ficava disperso em várias fontes públicas diferentes. A ideia da ATP foi compilar todas as informações em um banco de dados com um mecanismo de busca ágil e que ofereça ao usuário um panorama do setor em diversos aspectos, como tipos de carga e regiões do país. O Dataport pode ser visto como um hub qualificado de informações sobre o nosso setor”, explica o diretor-presidente da ATP, Murillo Barbosa.

A plataforma oferece pesquisas personalizadas, de acordo com a necessidade do usuário. A busca pode ser feita por tipo de instalação, região, unidade da federação, zona de praticagem e perfil de carga. Todas essas possibilidades podem ser aplicadas por meio de filtros na pesquisa, que gera gráficos e informações visuais aos interessados, de forma pontual, rápida e dinâmica.

De acordo com a diretora executiva da ATP, Luciana Guerise, o banco de dados reúne informações de fontes oficiais, como a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), a Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNPTA), o Ministério da Infraestrutura, o Ministério da Economia, a Receita Federal e outros órgãos do governo.

“O banco de dados é fruto de um longo trabalho da ATP, idealizado há alguns anos. Agora conseguimos torná-lo viável e disponibilizar esse importante serviço para o setor, imprensa e sociedade em geral. Informação sobre o setor é sempre um ativo de grande valor agregado”, afirma Barbosa. “Vale destacar que o Dataport é um organismo vivo, ou seja, será atualizado e revisado constantemente”, ressalta.