Terça-feira, 1 de dezembro de 2020 - 11h39
KPMG divulga estudo que mapeia atuação das startups na área de logística
Logtech Report aponta que quase metade das empresas é focada na gestão da cadeia de suprimentos; 67,5% estão na Região Sudeste

A KPMG apresenta o Logtech Report, levantamento que apontou que das 283 startups na área de logística mapeadas no Brasil quase a metade (46,3%) é focada na questão de gestão da cadeia de suprimentos. A pesquisa também apontou que 19% das logtechs são dedicadas para soluções de entregas, 12% são da área de logística reversa, 11,3% na questão de estoque armazenamento de insumos e produtos e 11% na intermediação entre fornecedores, embarcadores e transportadores.

O estudo também identificou que majoritariamente as logtechs têm buscado melhorias em processos e etapas na gestão integrada de entregar produtos e insumos (23,7%), modernizar o gerenciamento de frotas (17,3%) e inovar na parte final da entrega (15,2%).

Segundo o diretor de Emerging Giants da KPMG, Robson Del Fiol, o contexto da pandemia acelerou de forma significativa a transformação digital em todos os setores da economia. “Com isso, exigiu-se também uma rápida resposta para as operações de logística. Desta forma, as logtechs começam a exercer, dentro do mercado, uma importante função, trazendo inovações e soluções inteligentes para atender toda demanda”, diz.

Com relação à localização das startups de regulação no Brasil, a pesquisa mostra que 67,5% estão na Região Sudeste, enquanto 20,1% ficam na Região Sul,  7,8 % estão da Região Nordeste,  2,8% no Centro-Oeste e 1,8% na Região Norte.

O levantamento Logtech Report também mostra que a maioria das logtechs é composta por até três sócios, com idade entre 25 e 50 anos. Em relação ao gênero, há uma grande disparidade, já que 86,1% são homens, enquanto 13,9% são mulheres.