Sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021 - 9h52
Gru Airport anuncia abertura de processo para construção e comercialização de galpões no Teca
Empresas poderão ocupar uma área de 65 mil m², dividida em quatro partes, dentro da zona primária do aeroporto e com acesso direto ao pátio de aeronaves

A Gru Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, anuncia que está buscando investidores interessados na construção e comercialização de galpões no Terminal de Cargas (Teca). As empresas selecionadas poderão ocupar uma área de 65 mil m², dividida em quatro partes, com oportunidades de negócio para armazéns de carga dentro da zona primária do aeroporto e com acesso direto ao pátio de aeronaves.

Os interessados nesse processo e interessados em investir nos terminais podem ter mais detalhes acessando o site da Gru Airport.

Divulgação

O terminal de cargas do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, administrado pela Gru Airport, conta com uma área total de 99 mil m² e movimentou em 2020 cerca de 208 mil toneladas entre importação e exportação. A concessionária informa que o crescimento de 29% no número de cargueiros foi essencial para esta marca.

Entre os itens mais transportados nesse período estão fármacos, partes e peças automotivas, têxtil, alimentos, maquinários, peças aeronáuticas e devido a sua malha aérea e conectividade, o aeroporto também vem se destacando na distribuição do comércio eletrônico.

O terminal foi a principal porta de entrada para cargas farmacêuticas no Brasil resultando no aumento de seis pontos percentuais no market share do segmento que partiu de 50% em 2019 para 56% no período de janeiro a novembro de 2020.

O Complexo logístico, que já possui a certificação Center of Excellence for Independent Validators (Ceiv Pharma) da International Air Transport Association (Iata), está atuando para obter, em 2021, as certificações como Operador Econômico Autorizado (OEA) da Receita Federal e o Certificado de Boas Práticas de Distribuição e Armazenagem (CBPDA) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A meta é que as certificações confirmem os índices de segurança e boas práticas no manuseio de produtos farmacêuticos no terminal.