Ibovespa
128.150,71 pts
(-0,10%)
Dólar comercial
R$ 5,10
(-0,55%)
Dólar turismo
R$ 5,32
(-0,28%)
Euro
R$ 5,55
(-0,49%)

ESG não é uma moda, é uma necessidade, diz Ricardo Melchiori

Em entrevista para o iNova Logística, especialista em ESG fala sobre os desafios e oportunidades da governança sustentável em logística
Por Gabriela Medrado el 14 de abril de 2023 a las 12h06
ESG não é uma moda, é uma necessidade, diz Ricardo Melchiori
ESG não é uma moda, é uma necessidade, diz Ricardo Melchiori


A ESG na logística foi o tema da segunda edição do programa iNova Logística na LogTV Tecnologística, que trouxe como convidado Ricardo Melchiori, diretor da Voticare e especialista em ESG. A Governança Ambiental, Social e Corporativa (em inglês, Environmental, Social and Corporate Governance - ESG) tem sido um dos assuntos mais comentados nos últimos anos.

Para Ricardo, o tema é particularmente importante para o setor de logística:  "O ESG é muito intrínseco à questão do transporte, porque mundialmente, e no Brasil um grau acima do resto do mundo, toda a logística está baseada em combustíveis fósseis", afirma.

Na governança ambiental, o Brasil esbarra em questões como a dependência do diesel e a grande frota de veículos antigos, com 10, 20 ou mais anos. No entanto, Ricardo discorda que a transição para melhores práticas de ESG seja necessariamente um processo mais custoso.

"A gente tem um entendimento errôneo de que é mais caro. A tabela mínima de fretes é baseada no caminhão 0 km, o que é uma distorção, porque ela também se aplica ao caminhão de 40, 20 anos", argumenta. Para o especialista, a economia com eficiência e consumo de combustível pode compensar os gastos com a modernização do negócio.

LEIA TAMBÉM: Ações ESG para caminhoneiros são praticamente inexistentes, diz CEO do Clube da Estrada

Mas o segredo para implementar o ESG, para Ricardo, não está nos investimentos imediatos, e sim na otimização dos processos. A governança ambiental, social e corporativa está em implementar uma cultura de domínio e melhoria dos processos em toda a cadeia logística, incluindo fornecedores, transportadores e armazéns .

"Não adianta comprar meia dúzia de caminhão elétrico, fazer campanha com alguma creche regional e tudo isso ser superficial, não ter governança sobre isso. Qual o impacto real?", questiona. A incorporação da ESG nos KPIs (Indicadores-Chave de Desempenho) e na Matriz de Materialidade do negócio seria uma forma de medir o impacto das ações.

Quando indagado por Mauricio Pastorello, apresentador do programa, Ricardo concordou que o futuro da ESG é, assim como o boom da cultura de qualidade nos anos 70, deixar de ser tendência e se tornar uma regra básica de negócio. "Não é uma moda, é uma necessidade e premissa de negócio para qualquer empresa", afirma.

Você pode conferir a entrevista completa na LogTV, o canal oficial da Tecnologística no YouTube.

Utilizamos cookies y tecnologías similares para mejorar su experiencia, analizar estadísticas y personalizar la publicidad. Al acceder al sitio web, acepta este uso, de acuerdo con la Política de Privacidad.
Aceptar
Administrar