Ibovespa
129.198,96 pts
(-0,13%)
Dólar comercial
R$ 5,42
(-0,42%)
Dólar turismo
R$ 5,63
(-0,38%)
Euro
R$ 5,90
(-0,60%)

Complexo Industrial Portuário de Suape apresenta Plano Diretor Suape 2035

Entre as mudanças está a solução orientadora do parcelamento, com uma malha viária hierarquizada e uma concepção modular para a ocupação do território
Por Redacción el 4 de enero de 2023 a las 9h34
Complexo Industrial Portuário de Suape apresenta Plano Diretor Suape 2035


O Complexo Industrial Portuário de Suape, a fim de proporcionar a melhoria da gestão territorial, lançou o Plano Diretor Suape 2035. Entre as mudanças apresentadas está a solução orientadora do parcelamento, com uma malha viária hierarquizada e uma concepção modular para a ocupação do território, contando com padrões básicos de dimensionamento de lotes e quadras, além de padrões viários compatíveis com o cenário de ocupação futura.

De acordo com a empresa, o novo instrumento, além de destacar mudanças em relação aos marcos do ordenamento do território de duas zonas produtivas do território – a Zona Industrial (ZI) e a Zona Central de Serviços (ZCS), aponta soluções relacionadas, principalmente, ao tema habitacional.

O documento, considerando a presença histórica das famílias residentes, faz delimitação de setores de caráter especial, prevendo a consolidação dessa parcela da população. Seja em espaços de características urbanas, seja em territórios rurais, onde se possa praticar agricultura familiar ambientalmente sustentável.

Leia mais: Porto de Suape receberá instalação de um Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito

Já em relação à Zona de Preservação Ecológica (ZPEC), é proposta uma subdivisão, resguardando grande parte do território como área determinada para preservação mais rigorosa. Além disso, é prevista a adoção de uma forma de ocupação de conservação sustentável, por meio da implantação de sistemas agroflorestais para acolher parte da população rural residente no complexo. Quanto ao patrimônio cultural, as propostas desenvolvidas estão focadas nos desafios e no potencial de sustentabilidade dos artefatos arqueológicos.

Segundo o diretor-presidente de Suape, Francisco Martins, alguns dos pressupostos do plano vigente precisaram ser reavaliados, porém, sem colocar em risco a integridade dos fundamentos essenciais expressos nos objetivos do projeto vigente.

“Conseguimos fazer uma proposta de mudança substancial e, para isso, precisamos assumir uma postura mais arrojada e inovadora com o intuito de superar a complexidade dos desafios encontrados, mas respeitando o trabalho já consolidado”, diz o executivo.

Ainda de acordo com Martins, o novo Plano Diretor é um instrumento construído para fortalecer o planejamento a longo prazo do ativo, que é tão importante para Pernambuco, que é o Porto de Suape.

Oficinas

O início dos trabalhos de revisão e atualização do Plano Diretor – Suape 2035 foi marcado pela assinatura da ordem de serviço, em fevereiro de 2022, para início de estudos técnicos multidisciplinares. O serviço, comandado pelo consórcio formado pelas empresas TPF e Ceplan, vencedor da licitação, tinha prazo de execução de 15 meses, com investimento total do projeto de R$ 6,8 milhões. Após os estudos preliminares, ocorreram as oficinas participativas, finalizadas quatro meses antes do previsto. Foram três momentos com a participação dos principais agentes estratégicos atuantes no território.

O primeiro foi marcado pela apresentação da etapa de diagnóstico situacional, em que foram aprofundados os estudos dos dez eixos temáticos. Na segunda ocasião, o consórcio apresentou os cenários, a visão de futuro e a proposta conceitual do novo zoneamento e do masterplan do território da estatal portuária. E no terceiro e último encontro, as propostas desenvolvidas e consolidadas, para o futuro do complexo, foram debatidas com representantes da plateia.

Leia mais: Terminal de Uso Privado da APM Terminals será instalado em Suape

Na opinião do coordenador de Planejamento e Urbanismo de Suape, Roberto Salomão, o Plano Diretor trouxe grandes desafios que exigiram propostas inovadoras e criativas para vencê-los. O executivo também destaca a importância de um contínuo processo de diálogo, tanto na etapa de revisão, quanto da implementação do novo plano, junto aos principais stakeholders ligados ao complexo – comunidades, empresários e o poder público municipal –, uma vez que eles serão impactados diretamente pelo instrumento.

“Contar com a participação dos atores e agentes atuantes no território de Suape foi essencial para a definição das estratégias e ações que permitiram a consolidação e o desenvolvimento da revisão e atualização do Plano Diretor”, pontua Salomão.
 

Utilizamos cookies y tecnologías similares para mejorar su experiencia, analizar estadísticas y personalizar la publicidad. Al acceder al sitio web, acepta este uso, de acuerdo con la Política de Privacidad.
Aceptar
Administrar