Ibovespa
124.417,12 pts
(-0,73%)
Dólar comercial
R$ 5,25
(1,25%)
Dólar turismo
R$ 5,48
(1,65%)
Euro
R$ 5,58
(1,26%)

Maersk registra queda de 26% na receita no primeiro trimestre de 2023

Receita caiu de US$ 19,3 bilhões para US$ 14,2 bilhões
Por Redação em 8 de maio de 2023 às 9h56
Maersk registra queda de 26% na receita no primeiro trimestre de 2023
Foto: Divulgação/Maersk
Foto: Divulgação/Maersk

A AP Moller - Maersk registrou uma diminuição de 26% na sua receita no primeiro trimestre do ano. O valor caiu de US$ 19,3 bilhões para US$ 14,2 bilhões. De acordo com a empresa, o resultado está em linha com as expectativas da empresa para o período. A perspectiva para o ano permanece inalterada, com o primeiro trimestre esperado para ser o mais forte do ano.

Para a Maersk, "a contínua redução de estoques e a redução de congestionamentos portuários resultaram em menores volumes em todos os segmentos".

"Entregamos um desempenho financeiro sólido em um mercado desafiador com menos demanda causada por estoques em declínio. A visibilidade permanece baixa no restante do ano e, passando pela normalização do mercado, continuamos focados em gerenciar os custos de forma proativa. À medida que nos adaptamos a um ambiente de negócios que foi alterado radicalmente, continuamos a apoiar nossos clientes para que enfrentem seus desafios nas suas cadeias de suprimentos", disse Vincent Clerc, CEO da Maersk.

Transporte marítimo
Nesse setor, as receitas caíram US$ 5,7 bilhões para US$ 9,9 bilhões. Segundo a empresa, a redução se deve principalmente "devido a menores taxas e volumes de frete, à medida que a demanda foi reduzida".

LEIA TAMBÉM: Porto do Recife realiza operação inédita de embarque de álcool para 3 países

No entanto, a empresa tem tomado medidas proativas de contenção de custos em que são avaliadas internamente como "bem sucedidas". Além disso, a Maersk disse em comunicado que a temporada de negociação de contratos no transporte marítimo está ocorrendo de acordo com as expectativas.

Logística e serviços
Já nesse setor, a Maersk viu a receita crescer 21%, para US$ 3,5 bilhões, impulsionada pela consolidação de aquisições. Organicamente, o primeiro trimestre foi afetado por menores volumes causados ​​por correções de estoques, principalmente por varejistas norte-americanos e europeus, que foram parcialmente compensados ​​por ganhos de novos negócios. Além disso, o desempenho dos negócios subjacentes foi afetado por taxas mais baixas no segmento de carga aérea e demanda mais fraca no comércio eletrônico.

Terminais
As receitas foram afetadas por menores volumes e receitas de armazenagem, tanto pela menor demanda quanto pelo alívio do congestionamento portuário, segundo a empresa. A receita em terminais diminuiu para US$ 876 milhões, de US$ 1,1 bilhão, mas o forte controle de custos contribuiu para o sólido desempenho financeiro contínuo em terminais.

LEIA TAMBÉM: Governo federal reduz em 56% preço da taxa de verificação obrigatória para transporte de carga

"O primeiro trimestre foi marcado pela contínua redução de estoques na Europa e principalmente na América do Norte. Embora seja difícil prever o momento exato, a Maersk espera que os volumes aumentem gradualmente na segunda metade do ano", diz a empresa em comunicado.

Distribuição em dinheiro aos acionistas
O EBITDA diminuiu para US$ 4,0 bilhões, de US$ 9,1 bilhões, e o EBIT para US$ 2,3 bilhões, de US$ 7,3 bilhões. Durante o primeiro trimestre de 2023, uma distribuição total em dinheiro aos acionistas de US$ 10,1 bilhões foi feita por meio de dividendos pagos de US$ 9,4 bilhões e recompras de ações de US$ 718 milhões.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar