Ibovespa
124.861,54 pts
(-0,38%)
Dólar comercial
R$ 5,27
(1,55%)
Dólar turismo
R$ 5,49
(1,72%)
Euro
R$ 5,59
(1,51%)

Padrão Cargo-XML deve levar a uma economia de até US$ 2 bilhões nos processos de importação

Novo padrão de mensagens desenvolvido pela IATA permite que a carga seja liberada, em média, até 5 horas após o pouso
Por Redação em 31 de agosto de 2023 às 10h21
Padrão Cargo-XML deve levar a uma economia de até US$ 2 bilhões nos processos de importação
Foto: Reprodução / Pexels
Foto: Reprodução / Pexels

A Receita Federal Brasileira estima uma economia anual de até US$ 2 bilhões nos processos de importação com a implementação do padrão de mensagens Cargo-XML. O sistema passou a ser usado em todos os aeroportos do país no início de agosto, com o Novo CCT Aéreo.

Desenvolvido pela Associação do Transporte Aéreo Internacional (IATA), o Cargo-XML é um padrão para a transmissão de informações eletrônicas relacionadas à carga aérea, facilitando a comunicação entre toda a cadeia de suprimentos (companhias aéreas, agentes de carga, ground handlers, órgãos reguladores e agentes alfandegários). Agora, o processamento de cargas aéreas internacionais que chegam ao Brasil está sendo feito inteiramente com documentos digitais que seguem os padrões internacionais do setor, reduzindo em até 90% a intervenção humana no processamento de cargas.

Com a transmissão do Advance Cargo Information (ACI), as autoridades brasileiras recebem informações detalhadas sobre as remessas de carga aérea antes da chegada do vôo, de acordo com os padrões internacionais estabelecidos pela Organização Mundial de Alfândegas. Esse processo melhora a segurança, acelera os procedimentos alfandegários e agiliza a liberação de mercadorias que chegam por via aérea ao Brasil, que, até agora, ocupava o último lugar no ranking global de facilitação de carga aérea.

O novo padrão permite que a carga seja liberada, em média, até 5 horas após o pouso. Anteriormente, eram necessários cinco dias para a liberação.

O sistema é resultado de um trabalho conjunto entre a Secretaria da RFB e a Secretaria de Aviação Civil, a IATA e as companhias aéreas, aeroportos e agentes de carga, principais usuários do sistema. "O trabalho realizado pela equipe envolvida e a implementação desse novo sistema não apenas otimizará nossas operações, mas também posicionará o Brasil como um líder na facilitação de carga aérea", diz Dany Oliveira, Diretor da IATA para o Brasil.

Para o diretor, o novo Air CCT estabelece uma referência para que mais países sigam os passos do Brasil, melhorando a agilidade e a segurança dos fluxos logísticos do comércio internacional em outros aeroportos da região e melhorando a competitividade do modal aéreo.

 

LEIA MAIS:

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência, analisar estatísticas e personalizar a publicidade. Ao prosseguir no site, você concorda com esse uso, em conformidade com a Política de Privacidade.
Aceitar
Gerenciar