Sexta-feira, 8 de novembro de 2019 - 11h32
Riogaleão Cargo recebe carga para expansão de supercomputador
Terminal movimentou 47 itens, transportados para o Laboratório Nacional de Computação Científica de Petrópolis

O Riogaleão Cargo realizou, na última terça-feira, dia 5 de novembro, uma operação especial a fim de receber uma carga composta por 47 volumes que marca um importante avanço nas atividades científicas no Brasil. O material será usado na expansão do supercomputador Santos Dumont, que está instalado na sede do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), em Petrópolis (RJ).

Depois de recebida pela equipe do terminal, a carga foi transportada pela B&A Logística, empresa especializada em comércio exterior e logística. O material de alta tecnologia e valor agregado representa aproximadamente 15% do total de operações do segmento tecnológico previstas para este ano no Riogaleão Cargo.

Uma das portas de entrada da América Latina, o Aeroporto Internacional Tom Jobim oferece serviços de importação e exportação com padrões internacionais de qualidade para equipamentos médicos e tecnológicos e para as indústrias de óleo e gás, farmacêutica e automotiva.

Divulgação

Os serviços estão divididos em um portfólio de soluções para cada tipo de carga, com seis categorias. Uma delas é a Riogaleão Valuable, voltada especificamente para cargas de alto valor, desde produtos de moda e obras de arte até materiais biotecnológicos.

O supercomputador Santos Dumont é um dos 500 mais potentes do mundo. Com a expansão, sua capacidade de processamento terá um aumento aproximado de 360%, passando dos atuais 1,1 Pflops para 5,1 Pflops (5,1 milhões de bilhões de operações matemáticas por segundo). Essa expansão permitirá que aplicações científicas possam ser executadas em um ambiente computacional capaz de oferecer resultados em menor tempo e com maior precisão. Será a maior plataforma computacional instalada na América Latina disponível para pesquisas em Ciência e Tecnologia.

Mais de cem projetos científicos são desenvolvidos atualmente pelo Santos Dumont, em diversas áreas de pesquisa, como química, física, engenharia, ciências biológicas, astronomia, farmácia e ciências da saúde. Ao todo, são 684 usuários de 27 países e 150 mil experimentos executados. Entre os projetos desenvolvidos com o apoio do Santos Dumont estão pesquisas do vírus Zika e da dengue, desenvolvimento de fármacos para o tratamento do vírus HIV, estudos sobre o clima da Amazônia e simulações para extração de petróleo do Pré-sal.