Sexta-feira, 8 de janeiro de 2021 - 9h55
Porto de Antonina prevê crescimento de 50% na movimentação de cargas em 2021
Estrutura é administrada pelo Terminais Portuários da Ponta do Félix, que anuncia um projeto de expansão

O Porto de Antonina, localizado no litoral do estado do Paraná e administrado pelo Terminais Portuários da Ponta do Félix (TPPF), prevê um crescimento de 50% na movimentação de cargas em 2021, especialmente com o farelo de soja não transgênico, fertilizantes e novos produtos como madeira, cavaco, grãos orgânicos e cargas de projeto.

A expectativa se deve ao cenário favorável que inclui o dólar elevado, o preço das commodities em alta e a demanda crescente por alimentos em todo o mundo.

O diretor-presidente do TPPF, Gilberto Birkhan, explica que a conjuntura econômica para 2021 é favorável ao agronegócio brasileiro, bem como o avanço nos investimentos em melhorias da estrutura marítima.

“Aliado ao cenário econômico favorável, também se pode destacar o alinhamento de todas as esferas do poder público no que diz respeito a garantir uma melhor navegabilidade para os portos brasileiros, bem como a segurança da navegação, com o aumento da profundidade em nosso calado, o que permitirá alavancar ainda mais estes números”, diz Birkhan.

Para o executivo, o desafio para este ano é atingir a meta de crescimento – consolidando o Porto de Antonina no cenário nacional – bem como manter as atuais condições de trabalho com segurança.

Além disso, ressalta o diretor-presidente do TPPF, outra proposta que avança é a navegação de cabotagem, incentivada pelo Governo Federal, e que encaminhou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei 4199/2020 que institui o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem, a chamada BR do Mar.

Divulgação

“Também temos investimentos pesados em novos projetos de infraestrutura, entre eles, de ferrovia. Tudo isso vai contribuir para o crescimento do país e, consequentemente, do Porto de Antonina”, reforça Birkhan.

O Terminais Portuários da Ponta do Félix conta, atualmente, com 60 mil m² quadrados de infraestrutura de armazenagem, com capacidade estimada de 200 mil t estática, e está com as obras de expansão em andamento.

O projeto prevê a construção de silos para cereais e um armazém para fertilizantes –  em área 17 mil m² – com capacidade para 120 mil t.

“Estamos investindo em equipamentos com qualidade única no Brasil para, com a instalação de silos de concreto e equipamentos de última geração que permitem o menor impacto possível da temperatura externa na qualidade dos produtos armazenados”, pontua Birkhan, diretor-presidente do TPPF.

Em 2020, o TPPF garantiu a movimentação de quase um milhão de toneladas. O total, de 950.626 t de produtos movimentados em 2020 – entre granel, fertilizante, farelo de soja, cargas geral e açúcar –  representa um acréscimo de 5% se comparado ao ano de 2019, quando a movimentação atingiu a marca de 908 mil toneladas.